Jacob Guinsburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jaco Guinsburg)
Ir para: navegação, pesquisa
Jaco Guinsburg
Nome completo Jacob Guinsburg
Nascimento 1921
Rîşcani, Bessarábia
Nacionalidade  Moldávia
Cidadania  Brasil
Progenitores Mãe: Adélia Guinsburg
Pai: José Guinsburg
Cônjuge Guita Guinsburg
Ocupação professor, tradutor, crítico, ensaísta
Prémios Prêmio do Mérito Intelectual Judaico, em 1983, pelo Congresso Judio Latinoamericano
Medalha Anchieta da Câmara Municipal de São Paulo (1975)
Prêmio Shell de Teatro (2009).

Jacob Guinsburg (Rîşcani, 1921) é um crítico de teatro, ensaísta e professor brasileiro, atual diretor-presidente da Editora Perspectiva.

Nascido na Bessarábia (hoje território da Moldávia) é considerado um dos grandes teóricos do teatro brasileiro, sendo também tradutor e editor de mais de uma centena de importantes obras de estética, teoria e história das artes e do teatro, tendo inúmeros artigos publicados no Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo. É o mais importante especialista em teatro russo e em língua iídiche no Brasil.

Emigrou para o Brasil com seus pais em 1924, com três anos de idade, onde, anos depois, integrou-se ao intenso processo de movimentação política e intelectual no país, acompanhando de perto a renovação do teatro brasileiro. Escreveu na imprensa de São Paulo e do Rio de Janeiro sobre literatura brasileira, judaica e internacional, tornando-se colaborador constante em revistas da comunidade judaica com artigos no campo das artes, da literatura e, inclusive, da crítica teatral.

Entre suas obras encontram-se Stanislavski e o Teatro de Arte de Moscou, Aventuras de uma Língua Errante - Ensaio de Literatura e Teatro Ídiche, Leone De Sommi: Um Judeu no Teatro da Renascença Italiana, Guia Histórico da Literatura Hebraica, Dicionário do Teatro Brasileiro, Diálogos Sobre Teatro, Stanislavski, Meierhold Cia & Ensaios de Teatro Russo, Semiologia do Teatro, Da Cena em Cena e inúmeros ensaios de estética e história do teatro, traduções e edição de várias obras sobre Diderot, Lessing, Buechner e Nietzsche. É editor das obras completas de Anatol Rosenfeld, importante crítico e teórico de teatro que viveu no Brasil depois da Segunda Guerra Mundial.

Como editor participou das editoras Rampa 1946, Perspectiva (a primeira com esse nome), Difusão Européia do Livro - Difel, fundando posteriormente a atual Editora Perspectiva voltada para a edição de obras de vanguarda. Fez cursos de filosofia na Sorbonne 1962 e 1963. Sempre acompanhando o movimento inovador do teatro e das artes brasileiras é chamado pelo diretor Gerald Thomas como um ensaista e "acadêmico de vanguarda".

Começou sua intensa carreira como professor de crítica teatral na Escola de Arte Dramática (EAD) em 1964, ingressando posteriormente - 1967 na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP, assumindo finalmente a cadeira de estética teatral em que se tornou formador e estimulador de grande número dos principais críticos, teóricos e mestres do teatro brasileiro, tendo recebido o título de Professor Emérito.

Obras individuais, conjuntas e traduções[editar | editar código-fonte]

  • Antropologia Aplicada
  • Aventuras de uma Língua Errante: Ensaios de Literatura e Teatro Ídiche, 1996, reelaboração e desenvolvimento de sua tese de doutorado com o mesmo título, de 1973;
  • Buchner - Na Pena e Na Cena
  • Cabala, Cabalismo e Cabalistas
  • Cacilda Becker: A Face e a Máscara, 1983, ao lado de Maria Thereza Vargas, ensaio que consta do livro: Uma Atriz: Cacilda Becker, de Nanci Fernandes e Maria Thereza Vargas.
  • Círculo Linguístico De Praga
  • Classicismo
  • Contos De I. L. Peretz
  • Conto Ídiche
  • Da Cena em Cena: Ensaios de Teatro, 2001, livro que aborda aspectos relevantes de concepções e correntes estéticas no teatro.
  • Diálogo sobre a Natureza do Teatro
  • Dicionário do Teatro Brasileiro
  • Diderot - Obras
  • Encenador De Si Mesmo
  • Evreinov: o Teatro da Vida
  • Expressionismo
  • Filosofia Do Judaismo
  • Guia Histórico da Literatura Hebraica
  • Ideia do Teatro
  • Judeu e a Modernidade
  • Leone de'Sommi, Homem de Teatro do Renascimento, 1989, com a tradução da primeira comédia hebraica de autoria de Leone de'Sommi
  • Linguagem e Mito
  • Meierhold e Grotowski
  • Nascimento da Tragédia
  • Nova e Velha Patria
  • Patriota, R. (org.) Jaco Guinsburg. A Cena em Aula. Itinerários de um Professor em Devir. SP: Edusp, 2009.
  • Paz Perpétua
  • Pequena Estética
  • Pós-Dramático
  • Pós-Modernismo
  • Prazer do Texto
  • Quarenta anos de Habima.
  • Quatro Mil Anos de Poesia
  • Que Aconteceu, Aconteceu
  • Romantismo
  • Semiologia do Teatro, 1986, de cuja organização também participam Teixeira Coelho e Reni Chaves Cardoso
  • Sobre Anatol Rosenfeld
  • Stanislávski e o Teatro de Arte de Moscou, 1985, baseado na sua tese de Livre-Docência, pela Editora Perspectiva
  • Stanislavski, Meierhold & Cia
  • Surrealismo.
  • Teatro-Studio
  • Tairov: Notas para um Teatro de Síntese
  • Vanguarda e Absurdo, uma Cena de Nosso Tempo

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • História da Sociologia, de Gaston Bouthoul, volume 3 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de “Histoire de la sociologie”, lançado em 1954[1] .
  • As Sociedades Secretas, de Serge Hutin, volume 7 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de “Les sociétés secrètes”, 1954[2] .
  • As Doutrinas Econômicas, de Joseph Lajugie, volume 12 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de “Les doctrines économiques”, 1955[2] .
  • O Marxismo, de Henri Lefebvre, volume 19 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de "Le marxisme", 1955[1] [3] .
  • O Existencialismo, de Paul Foulquié, volume 20 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de “L'Existentialisme”. Teve 3 edições, a primeira em 1955[1] [4] , e a última em 1975.
  • A Estética, de Denis Huisman, volume 21 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de "L'esthétique", 1955[1] .
  • A Literatura Russa, de Marcelle Ehrhard volume 32 da Coleção Saber Atual, da Difel, 1ª edição 1956.
  • A Magia, de Jérome Antoine Rony, volume 43 da Coleção Saber Atual, da Difel, tradução de “La magie”, 1957[2] .
  • Crimes e Crimes, de Strindberg, em 1952, publicado pela Edusp, em 1999
  • O Dibuk, de Sch. Ans-ki, publicado em 1952, reeditado em 1965 pela Brasiliense e, em 1988, pela Perspectiva
  • Pirandello: do Teatro no Teatro, Perspectiva, 1999.
  • República - Platão

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Aos 87 anos e em plena atividade, Jacó Guinsburg recebe o Prêmio Shell de Teatro (2009) por sua contribuição ao pensamento crítico do teatro no Brasil.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d Cunha, Celso Ferreira da. Exposição do Livro Brasileiro Contemporâneo. [S.l.]: Biblioteca Nacional, MEC.
  2. a b c Cunha, Celso Ferreira da. Exposicion del Libro Brasileno Contemporâneo. [S.l.]: Biblioteca Nacional, MEC.
  3. LEFEBVRE, Henri. “O Marxismo”. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1955.
  4. FOULQUIÉ, Paul. “O Existencialismo”. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1975, 3.ed.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]