Jacobinismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nota: Este artigo não é sobre o Jacobitismo e se procura pelo estilo literário inglês consulte antes Literatura jacobina.

Originário da Revolução Francesa, o termo jacobinismo, também chamado jacobismo, teve uma significação diferenciada e evolutiva ao longo dos tempos. Mas, como expressão, era e é geralmente aplicada de forma pejorativa a qualquer corrente de pensamento republicana e laicista de extrema-esquerda, assim como, o de jacobino para quem fosse e seja "defensor de opiniões revolucionárias extremistas" dessa mesma linha política social e económica[1] .

Origens[editar | editar código-fonte]

O historiador François Furet, autor de «Penser la Révolution Française» (1978), estabelece três momentos da sua formação: o jacobinismo original (1789-1791), parlamentar e nobiliárquico; o jacobinismo misto (1791-93), aberto aos jornalistas republicanos; e o jacobinismo extremista (1793-94)[2] .

Quando surgiu, um jacobino era um membro do Clube Jacobino, clube ou movimento político francês com representação nos Três Estados e, depois, na Assembleia Nacional Francesa.

No seu início, nos finais do século XVII na França, os jacobinos, eram pequeno-burgueses ainda muito ligados às suas origens rurais e pobres, pouco cultos, com pensamentos políticos e sociais radicais (queriam o extermínio dos nobres) e sua aristocracia.

Receberam a denominação de jacobinos pois reuniam-se inicialmente no Convento de São Tiago dos dominicanos (do nome Tiago em latim: Jacobus e do francês Saint-Jacques). Seus membros defendiam mudanças mais radicais que os girondinos: eram contrários à Monarquia e queriam implantar uma República. Esse grupo era apoiado por um dos setores mais populares da França - os sans-cullotes - e, juntos, lutaram por outras mudanças sociais depois da revolução. Sentavam-se à esquerda do salão de reuniões.

Evolução do seu exercício[editar | editar código-fonte]

Utilizado para caracterizar o jacobinismo foi igualmente a forma de actuar desse grupo radical, através de uma forma ditatorial de exercício do poder para atingir os objectivos, pela sua política de Terror e pela sua ideologia baseada na racionalidade que, paradoxalmente, assemelhou-se a uma religião pelo culto à deusa da Razão.

Assim dentro dos processos revolucionários, o jacobinismo constituiria um salto de qualidade para alcançar os objetivos, uma prática de radicalização e utilização de todos os meios disponíveis para isso. Nesse sentido que pode ser entendida a assimilação entre o jacobinismo com as ditaduras revolucionárias, bem como com os processos de centralização política nos aparelhos de Estado decorrente delas[3] .

Essas características gerais – e apresentadas neste texto sem um maior aprofundamento – foram utilizadas por diversos grupos políticos em diversas partes do mundo. No Brasil, podemos citar tanto a Revolta dos Alfaiates, na Bahia, em 1798, quanto a acção de militares republicanos durante os primeiros anos da República brasileira[4] .

Mas a principal aproximação feita entre o jacobinismo e outros processos revolucionários, que não o francês, de 1789-1799, ocorreu com a Revolução Russa. A acção dos bolcheviques na tomada do poder e na constituição da ditadura do proletariado, em 1917, é geralmente apontada como uma acção extremada e radical de tomada do poder semelhante à realizada pelos jacobinos[5] .

Jacobinismo e Liberalismo[editar | editar código-fonte]

Há quem considere que na actualidade, a expressão jacobismo, designa a defesa do centralismo político e econômico do Estado como forma de imposição de direitos gerais democráticos e económicos alargados por lei. Sendo aqui portanto o jacobinismo a antítese do liberalismo capitalista que liberta os movimentos políticos e económicos da sociedade, reservando-se ao Estado o menor papel interventivo possível ou nenhum, de mero assistente e eventualmente regulador.

Podemos associar o jacobinismo à Maçonaria irregular, ou ateista conhecida como "Maçonaria francesa" ou franco-maçonaria, enquanto o liberalismo é associável com a Maçonaria regular, teísta conhecida por maçonaria inglesa.

Neste sentido, verificamos grosso modo que o jacobinismo político, jurídico e económico ocupou, desde Napoleão - o seu primeiro e principal difusor internacional - o maior destaque nos países latinos em geral, como França, Portugal, e Brasil, etc., enquanto que o liberalismo se destaca na evolução das democracias dos países anglo-saxónicos, como o Reino Unido, Estados Unidos da América, Canadá, etc. Igualmente se pode verificar que o jacobinismo tem ocupado papel primordial nos países que se mantiveram fiéis à Igreja de Roma no século XVI, enquanto o liberalismo vingou entre aqueles que dela se emanciparam (protestantes), com menor ou nenhuma influência do Direito Romano centralizador, por não terem pertencido ao Império Romano, ou nele terem permanecido pouco tempo, ou apenas algumas porções dos seus territórios terem sido mais brevemente abrangidas pela fronteira romana.

Em termos gerais, o liberalismo político, social e económico assenta no primado de uma visão pragmática das sociedades, estruturadas sem ideologia, de baixo para cima, da vivência social concreta para a lei codificada. Assenta na confiança das iniciativas privadas de desenvolvimento e dinamização e livre troca dessas mesmas sociedades, acentuando assim também a independência individual dos cidadãos perante o Estado.

Influência do jacobinismo no mundo lusófono[editar | editar código-fonte]

Sobre a influência negativa do jacobinismo na evolução da sociedade política e econômica portuguesa se têm ocupado recentemente historiadores, sociólogos, politólogos, como Vasco Pulido Valente, Rui Ramos, Maria Filomena Mónica, etc. Nesta visão moderna, ensina-se que o jacobinismo cultivou entre nós como noutras sociedades do sul da Europa, mais marcadas pelo antigo Direito Romano, o primado da ideologia abstracta sobre a vivência pragmática concreta das sociedades, a imposição legal normalizadora restritiva da autonomia do exercício econômico e de cidadania individual, com a consequente delegação no Estado Pai e Providência das responsabilidades sociais e econômicas da comunidade, e o inevitável enfraquecimento da descentralização em todos os níveis e da capacidade autônoma dos cidadãos de intervenção na sociedade no seu quotidiano.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a ideologia jacobina, republicana extremista, auxiliou à supressão do Império Brasileiro. Ocorre quando o Brasil, deixando o modelo de monarquia constitucional da Inglaterra que havia apoiado a sua independência, até então prezada,, vira-se então para o modelo federal norte-americano, formalmente apenas, porque realmente influenciado sim pelo jacobinismo e pelo positivismo reinantes na III República Francesa, mais consentâneos com a sua idiossincrasia lusitana de natureza tradicionalmente centralizadora do poder.

Por isto mesmo, no Brasil o termo jacobino foi aplicado especialmente nos primeiros anos da República Velha, para designar os republicanos radicais (entre eles, alguns positivistas e militaristas) que defendiam um governo forte. Após o fim do governo de Floriano Peixoto, expoente máximo da tentativa da sua aplicação e inspiração[6] , os jacobinos ou "floreanistas" perderam força. Igualmente os jacobinos brasileiros se assumiam lusofóbicos pois consideravam os portugueses e sua influência como os principais inimigos, pois estes eram associados por eles à antiga ordem monárquica e eram considerados “exploradores sem entranhas”, mesmo enquanto imigrantes, como afirma certa carta ameaçadora escrita, ainda nessa altura[7] volvidos tantos anos após a Independência do Brasil.

OBS.: Existe na Bahia uma cidade chamada Jacobina, mas seu nome não foi dado em razão de jacobinos, sendo anterior ao termo surgido na França.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, o jacobinismo esteve ligado ao nacionalismo imperialista pequeno-burguês urbano (cf. A Portuguesa) que conduz ao regicídio em 1908, ao golpe militar de implantação da República depois de assassinado o respectivo Comandante em Chefe das Forças Armadas para esse efeito, e atinge o seu auge durante o terror imposto pela ditadura do Partido Democrático, ex-Partido Republicano Português, de Afonso Costa, na Primeira República - com paralela diminuição brutal do espectro de eleitores em Portugal logo a partir de 1911, e recusa às mulheres portuguesas do direito ao voto que lhes havia sido prometido durante a propaganda jacobina republicana, antes de 1910, paralelamente ao célebre bacalhau a pataco.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.