Jacobitismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Este artigo não é sobre a Igreja Ortodoxa Jacobita ou sobre o jacobinismo
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
A rosa branca de York, o símbolo do jacobitismo.

O jacobitismo foi um movimento político dos séculos XVII e XVIII na Grã-Bretanha e Irlanda que tinha por objectivo a restauração do reinado da Casa de Stuart na Inglaterra e Escócia (e depois de 1707, ano em que o Reino da Escócia e o Reino da Inglaterra num Tratado de União se uniram criando a Grã-Bretanha). O seja, marcou um momento de transição entre os governos absolutistas ou tradicionalistas dos Stuarts para os governos parlamentares ou liberais da Casa de Hanôver.

Este tem igualmente um pendor católico e anti-protestante dos primeiros, daqueles que queriam a abertura para a prática da sua religião.

A sua designação advém de Jaime II da Inglaterra (e Jaime VII da Escócia) de quem eram adeptos, cujo nome em latim era Iacobus Rex, numa altura em que era a única língua usada pelos sacerdotes durante as celebrações e aquela que do uso corrente da diplomacia. Este movimento acabaria por ser derrotado, sobretudo em dois grandes momentos e batalhas em 1715 e 1748 respectivamente.

O jacobitismo foi a resposta à deposição do referido rei James em 1688, ano da Revolução Gloriosa, em que ele foi substituído pela sua filha protestante Maria II de Inglaterra juntamente com o seu marido Guilherme de Orange, por parte das forças que o apoiavam. Os Stuarts passaram a viver no continente europeu depois disso, tentando ocasionalmente reganhar o trono britânico com a ajuda da França e Espanha (e das forças católicas existentes em certas zonas como a Irlanda e as Highlands escocesas)[1] .

Os realistas (royalists) apoiavam o jacobitismo porque eles acreditavam que o parlamento não tinha autoridade para interferir com a sucessão real e muitos católicos viam-no como o alívio da opressão protestante. Muitas pessoas envolveram-se nas campanhas militares por vários motivos também. Na Escócia, a causa jacobita tornou-se envolvida na agonia do sistema dos clãs guerreiros das Highlands, e tornou-se uma memória revivalista romântica.

O emblema dos jacobitas é a rosa branca, a White Rose of York; o Dia da Rosa Branca é celebrado a 10 de junho, o aniversário de Jaime Francisco Eduardo Stuart, conhecido como "The old pretender" que caso tivesse tido êxito teria sido o rei Jaime III de Inglaterra (VIII da Escócia), nascido em 1688.

Notas

  1. Nas Ilhas Britânicas, o apoio principal ao jacobitismo adivinha da Irlanda e Escócia (especialmente Highlands), zonas católicas. Também houve algum apoio na Inglaterra e no País de Gales, particularmente no norte de Inglaterra.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]