Jaime de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jaime de Portugal
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo de Lisboa
Cardeal-infante

Título

Cardeal-diácono de Santo Eustáquio
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 17 de setembro de 1456, pelo Papa Calisto III
Brasão
COA Cardinal Jaime Of Portugal.svg
Dados pessoais
Nascimento Flag Portugal (1495).svg Lisboa
17 de Setembro de 1433
Morte Flag of Florence.svg Florença
27 de Agosto de 1459 (25 anos)
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Tumba

Dom Jaime de Portugal (17 de Setembro de 1433 - Florença, 27 de Agosto de 1459) era filho do Infante D. Pedro, duque de Coimbra, e de sua esposa Isabel de Urgel, sendo como tal, era neto de D. João I. Foi arcebispo de Lisboa e de Arras e cardeal-infante.

Após a batalha de Alfarrobeira (1449), na qual seu pai foi derrotado e morto, Jaime, então com apenas catorze anos, foi aprisionado pela hoste de Afonso V de Portugal, tendo no entanto conseguido fugir, com os seus irmãos João e Beatriz, para a Flandres, onde obteve o apoio da tia Isabel de Portugal, Duquesa da Borgonha.

Aí, foi designado arcebispo de Arras, tendo, a expensas da tia, partido para Roma. Aí chegado, o Papa Nicolau V, conhecedor da tragédia de Alfarrobeira e do vexame a que fora submetido o corpo do duque de Coimbra, decide recompensar o seu filho, atribuindo-lhe, em 30 de Abril de 1453, a administração perpétua da arquidiocese lisboeta, que se achava vago pela morte do arcebispo D. Luís Coutinho. Não obstante, por não ter ainda a idade necessária para prover o cargo, não lhe conferiu logo o título arquiepiscopal.

Governou sempre a arquidiocese a partir de Itália, por meio do vigário geral, Luís Anes.

Entretanto, morrendo Nicolau V e subindo ao trono de São Pedro o Papa Calisto III, foi D. Jaime feito cardeal-diácono no primeiro consistório convocado pelo novo pontífice, em 20 de Fevereiro de 1456, com o título de Santa Maria in porticu,[1] logo depois substituído pelo de Santo Eustáquio (isto, mesmo não tendo ainda a idade de trinta anos necessária para a atribuição do barrete cardinalício).

Por sua mediação, conseguiu do Papa a emissão da bula de cruzada para o seu primo Afonso V de Portugal (1457), destinada à conquista de Alcácer Ceguer.

Participou no conclave de 1458 que elegeu Eneias Sílvio Piccolomini como Papa Pio II; como o novo Papa quisesse prosseguir o desejo do seu predecessor em fazer a guerra de cruzada ao Turco muçulmano, mandou reunir o colégio dos cardeais em Mântua, nos inícios de 1459. No caminho que mediava Roma e Mântua, adoeceu D. Jaime, na cidade de Florença, onde viria a falecer em 27 de Agosto de 1459 (alguns historiadores dizem ter sido envenenado). Jaz no Convento Beneditino de São Miniato, naquela cidade.

Referências

  1. Embora não conste nas listas de protetores desta diaconia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Luís Coutinho
Brasão cardinalício
Arcebispo de Lisboa

1453 - 1459
Sucedido por
Afonso Nogueira
Precedido por
Alberto Alberti
Cardeal
Cardeal-diácono de Santo Eustáquio

14561459
Sucedido por
Francesco Todeschini-Piccolomini
Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.