Jamanta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaJamanta
Giant pacific manta.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Elasmobranchii
Ordem: Myliobatiformes
Família: Myliobatidae
Género: Manta
Espécie: M. birostris
Nome binomial
Manta birostris
(Walbaum, 1792)

A jamanta (Manta birostris), também conhecida como manta, maroma (nos Açores), morcego-do-mar, peixe-diabo ou raia-diabo, é uma espécie de peixes cartilagíneos (Chondrichthyes) pelágicos, oceânicos da família Myliobathidae e a maior espécie actual de raias. Encontra-se nas regiões tropicais de todos os oceanos, tipicamente perto de recifes de coral.

A jamanta tem o corpo em forma de losango e uma cauda longa sem espinho e pode atingir oito metros de envergadura e mais de duas toneladas de peso. Estes peixes não têm verdadeiros dentes e alimentam-se de plâncton e pequenos peixes, sendo portanto inofensivos. Ocasionalmente, podem aproximar-se de um barco ou de mergulhadores e podem executar curtos “voos” fora da água. Têm a maior taxa de volume de cérebro em relação ao do corpo de todos os tubarões e raias[1] .

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Os antigos moche do Peru adoravam o mar e seus animais e foram encontradas várias pinturas de jamantas nos seus artefactos.[2]

Modernamente, a jamanta continua ser fonte de inspiração. Por exemplo, é utilizada como símbolo dos Tampa Bay Rays, um time da Major League Baseball de St. Petersburg, na Flórida, cujo nome original era os “Devil Rays” (raias-diabos). Em 2009, o SeaWorld Orlando lançará a Manta, uma montanha-russa onde os passageiros vão num carro em forma de jamanta.[3]

Dois filmes da década de 1930 usaram a aparência terrífica da jamanta: The Sea Bat (“O Morcego do Mar”), com Boris Karloff, e o filme de 1936 “The Sea Fiend” (“O Perigo do Mar”), refeito em 1946 como “Devil Monster” (O Monstro Diabólico).

Em cativeiro[editar | editar código-fonte]

É difícil manter jamantas em cativeiro, principalmente devido ao seu tamanho, mas o Oceanário de Lisboa possui uma e o Georgia Aquarium possui três.

Referências

  1. Manta Rays. The Hawaii Association for Marine Education and Research, Inc. (2005). Página visitada em 2007-12-09.
  2. Berrin, Katherine & Larco Museum. The Spirit of Ancient Peru:Treasures from the Museo Arqueológico Rafael Larco Herrera. New York: Thames and Hudson, 1997.
  3. SeaWorld Orlando Rides - Manta Coming in 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]