Jamanta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaJamanta
Giant pacific manta.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Elasmobranchii
Ordem: Myliobatiformes
Família: Myliobatidae
Género: Manta
Espécie: M. birostris
Nome binomial
Manta birostris
(Walbaum, 1792)

A jamanta (Manta birostris), também conhecida como manta, maroma (nos Açores), morcego-do-mar, peixe-diabo ou raia-diabo, é uma espécie de peixes cartilagíneos (Chondrichthyes) pelágicos, oceânicos da família Myliobathidae e a maior espécie actual de raias. Encontra-se nas regiões tropicais de todos os oceanos, tipicamente perto de recifes de coral.

A jamanta tem o corpo em forma de losango e uma cauda longa sem espinho e pode atingir oito metros de envergadura e mais de duas toneladas de peso. Estes peixes não têm verdadeiros dentes e alimentam-se de plâncton e pequenos peixes, sendo portanto inofensivos. Ocasionalmente, podem aproximar-se de um barco ou de mergulhadores e podem executar curtos “voos” fora da água. Têm a maior taxa de volume de cérebro em relação ao do corpo de todos os tubarões e raias[1] .

Durante as suas migrações, as jamantas efetuam mergulhos frequentes até profundidades de quase dois quilómetros (entre os maiores alguma vez medidos para um animal marinho), onde as temperaturas da água atingem os três graus centígrados.[2]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Os antigos moche do Peru adoravam o mar e seus animais e foram encontradas várias pinturas de jamantas nos seus artefactos.[3]

Modernamente, a jamanta continua ser fonte de inspiração. Por exemplo, é utilizada como símbolo dos Tampa Bay Rays, um time da Major League Baseball de St. Petersburg, na Flórida, cujo nome original era os “Devil Rays” (raias-diabos). Em 2009, o SeaWorld Orlando lançará a Manta, uma montanha-russa onde os passageiros vão num carro em forma de jamanta.[4]

Dois filmes da década de 1930 usaram a aparência terrífica da jamanta: The Sea Bat (“O Morcego do Mar”), com Boris Karloff, e o filme de 1936 “The Sea Fiend” (“O Perigo do Mar”), refeito em 1946 como “Devil Monster” (O Monstro Diabólico).

Em cativeiro[editar | editar código-fonte]

É difícil manter jamantas em cativeiro, principalmente devido ao seu tamanho, mas o Oceanário de Lisboa possui uma e o Georgia Aquarium possui três.

Referências

  1. Manta Rays. The Hawaii Association for Marine Education and Research, Inc. (2005). Página visitada em 2007-12-09.
  2. Afinal, a jamanta mergulha a grandes profundidades.
  3. Berrin, Katherine & Larco Museum. The Spirit of Ancient Peru:Treasures from the Museo Arqueológico Rafael Larco Herrera. New York: Thames and Hudson, 1997.
  4. SeaWorld Orlando Rides - Manta Coming in 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]