Jamelão (cantor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jamelão
Jamelão.jpg
Jamelão canta durante o espetáculo comemorativo da reinauguração da Rádio Nacional.
Informação geral
Nome completo José Bispo Clementino dos Santos
Também conhecido(a) como Jamelão
Nascimento 12 de maio de 1913
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Data de morte 14 de junho de 2008 (95 anos)
Gênero(s) Samba, Samba-canção, Samba-enredo
Instrumento(s) Vocal
Extensão vocal tenor
Período em atividade 1940s-2006
Gravadora(s) Odeon
Companhia Brasileira de Discos
Philips
Continental
RGE
Som Livre
Afiliação(ões) Francisco Alves
Lupicínio Rodrigues

José Bispo Clementino dos Santos, mais conhecido como Jamelão (Rio de Janeiro, 12 de maio de 1913 – Rio de Janeiro, 14 de junho de 2008), foi um cantor brasileiro, tradicional intérprete dos sambas-enredo da escola de samba Mangueira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu no bairro de São Cristóvão e passou a maior parte da juventude no Engenho Novo, para onde se mudou com seus pais. Lá, começou a trabalhar, para ajudar no sustento da família - seu pai havia se separado de sua mãe. Levado por um amigo músico, conheceu a Estação Primeira de Mangueira e se apaixonou pela escola de samba.

Ganhou o apelido de Jamelão na época em que se apresentava em gafieiras da capital fluminense. Começou ainda jovem, tocando tamborim na bateria da Mangueira e depois se tornou um dos principais intérpretes da escola.

Passou para o cavaquinho e depois conseguiu trabalhos no rádio e em boates. Foi "corista" do cantor Francisco Alves e, numa noite, assumiu o lugar dele para cantar uma música de Herivelto Martins.

A consagração veio como cantor de samba. Sua primeira gravadora foi a Odeon. Depois, trabalhou para a Companhia Brasileira de Discos, Philips e mais tarde para a Continental, onde gravou a maioria de seus álbuns, para a RGE e depois para a Som Livre. Entre seus sucessos, estão "Fechei a Porta" (Sebastião Motta/ Ferreira dos Santos), "Leviana" (Zé Kéti), "Folha Morta" (Ary Barroso), "Não Põe a Mão" (P.S. Mutt/ A. Canegal/ B. Moreira), "Matriz ou Filial" (Lúcio Cardim), "Exaltação à Mangueira" (Enéas Brites/ Aluisio da Costa), "Eu Agora Sou Feliz" (com Mestre Gato), "O Samba É Bom Assim" (Norival Reis/ Helio Nascimento) e "Quem Samba Fica" (com Tião Motorista).

De 1949 até 2006, Jamelão foi intérprete de samba-enredo na Mangueira, sendo voz principal a partir de 1952, quando sucedeu Xangô da Mangueira.[1] Em janeiro de 2001, recebeu a medalha da Ordem do Mérito Cultural, entregue pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Diabético e hipertenso, Jamelão teve problemas pulmonares e, desde 2006, sofreu dois derrames. Afastado da Mangueira, declarou em entrevista: "Não sei quando volto, mas não estou triste."

Morreu às 4hs do dia 14 de junho de 2008, aos 95 anos, na Casa de Saúde Pinheiro Machado, em sua cidade natal, por falência múltipla dos órgãos. O enterro foi no Cemitério São Francisco Xavier, no bairro do Caju, no Rio de Janeiro.

Discografias[2] [editar | editar código-fonte]

  • (2003) Cada vez melhor • Obi Music • CD
  • (2001) Escolas de Samba no Dia da Cultura • CD
  • (2000) Por força do hábito • Som Livre • CD
  • (1997) A voz do samba • CD
  • (1994) Minhas andanças • RGE • LP
  • (1987) Recantando mágoas-Lupi, a dor e eu • Continental • LP
  • (1984) Mangueira, a super campeã • Continental • LP
  • (1980) Jamelão • Continental • LP
  • (1977) Folha morta • Continental • LP
  • (1975) Jamelão • Continental • LP
  • (1975) Samba-enredo-sucessos antológicos • Continental • LP
  • (1974) Jamelão • Continental • LP
  • (1974) Os melhores sambas enredos 75 • Continental • LP
  • (1973) Jamelão • Continental • LP
  • (1972) Jamelão interpreta Lupicínio Rodrigues • Continental • LP
  • (1970) Jamelão • Continental • LP
  • (1969) Cuidado moço • RCA Victor • LP
  • (1964) Torre de Babel/Feioso e pobre • Continental • 78
  • (1963) Horinha certa/Eu agora sou feliz • Continental • 78
  • (1963) Reza/Não adianta • Continental • 78
  • (1963) Fim de jornada/Foi assim • Continental • 78
  • (1963) Velinha acesa/Eu não quero vacilar • Continental • 78
  • (1963) Estamos em paz/Voa meu passarinho • Continental • 78
  • (1963) Sambas para todo gosto • Continental • LP
  • (1962) A marron do Leblon/Você é gelo • Continental • 78
  • (1962) Jamelão canta para enamorados • Continental • LP
  • (1961) Amor de mãe/Valsinha da mamãe • Continental • 78
  • (1961) Meu barracão de zinco/Vou fugir de mim • Continental • 78
  • (1961) Mais do que amor/Qual o quê! • Continental • 78
  • (1961) Foi brinquedo/Só meu coração • Continental • 78
  • (1961) Dia de pierrô/Linguagem do morro • Continental • 78
  • (1961) Jamelão e os sambas mais • Continental • LP
  • (1960) Não importa/O grande presidente • Continenta • 78
  • (1960) Exemplo/Jajá na Gambõa • Continenta • 78
  • (1960) Solidão/Decisão • Continenta • 78
  • (1960) Deixei de sofrer/Eu não sou Deus • Continenta • 78
  • (1960) Desfile de Campeãs-Jamelão e Escolas de Samba • Continental • LP
  • (1959) Ela disse-me assim/Esquina da saudade • Continenta • 78
  • (1959) Três amores/Há sempre uma que fica • Continenta • 78
  • (1959) O samba é bom assim/Esta melodia • Continenta • 78
  • (1959) Fechei a porta/Perdi você • Continenta • 78
  • (1959) O samba é bom assim-a boite e o morro na voz de Jamelão • Continental • LP
  • (1958) Grande Deus/Frases de um coração • Continental • 78
  • (1958) Nem te lembras/Ela está presente • Continental • 78
  • (1958) Saudade que mata/Serenata de pierrô • Continental • 78
  • (1958) Guarde seu conselho • Continental • 78
  • (1958) O samba em Noite de Gala • Continental • LP
  • (1958) Escolas de Samba • Continental • LP
  • (1957) Moleza/Eu hein, Dolores • Continental • 78
  • (1957) Timbó/Pense em mim • Continental • 78
  • (1957) Quem mandou/Como ela é boa • Continental • 78
  • (1957) Não quero mais/Não tenho ninguém • Continental • 78
  • (1956) Cansado de sofrer/Mirando-te • Continental • 78
  • (1956) Folha morta/Dengosa • Continental • 78
  • (1956) Definição • Continental • 78
  • (1956) Vida de circo/Confiança • Continental • 78
  • (1955) Bica nova/Se parar esfria • Continental • 78
  • (1955) Ogum General de Umbanda/Enconsta o carro (Gírias cariocas) • Continental • 78
  • (1955) Corinthians, campeão do centenário/Oração de um rubro negro • Continental • 78
  • (1955) Exaltação à Mangueira/Lá vou eu • Continental • 78
  • (1955) Eu não mandei/Castigo do céu • Continental • 78
  • (1954) Sem teu amor/O caçador de preá • Sinter • 78
  • (1954) Alta noite/A cegonha mandou • Sinter • 78
  • (1954) Leviana/Deixa de moda • Continental • 78
  • (1953) Acabei entrando bem/Vem cá mulata • Sinter • 78
  • (1953) Eu não poderei/Deixa amanhecer • Sinter • 78
  • (1953) Seu deputado/Voltei ao meu lugar • Sinter • 78
  • (1952) Só apanho resfriado/Você vai...eu não • Sinter • 78
  • (1952) Eu vou partir/Mora no assunto • Sinter • 78
  • (1951) Falso pirata/Lá vem você • Odeon • 78
  • (1951) Casinha da colina/Voltei ao meu lugar • Odeon • 78
  • (1951) Torei o pau/Onde vai sinhazinha • Odeon • 78
  • (1950) Pancho Vila/Este é o maior • Odeon • 78
  • (1950) Capitão da mata/Já vi tudo • Odeon • 78
  • (1950) Pai Joaquim/Siá Mariquinha • Odeon • 78
  • (1950) Pirarucu/Duque de Caxias • Odeon • 78
  • (1949) A giboia comeu/Pensando nela • Odeon • 78

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
  1. Perfil do cantor
  2. Tv Cultura - perfil do entrevistado
  3. Morre sambista Jamelão, da Mangueira, aos 95 anos
  4. Morre o cantor e intérprete Jamelão
  5. "Pensava que seria sempre operário"
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.