James Churchward

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Coronel James Churchward.

James Churchward (27 de fevereiro de 1851 - 4 de janeiro de 1936) foi um escritor britânico.

Irmão mais velho do autor maçom Albert Churchward (1852-1925), ficou mais conhecido por seus escritos sobre ocultismo. No entanto, ele também foi um inventor (com patentes registradas), engenheiro e um exímio pescador. Foi plantador de chá no Sri Lanka antes de ir para os Estados Unidos da América em 1890.

Vida[editar | editar código-fonte]

Churchward serviu trinta anos na marinha britânica, e alegou que, enquanto servia na Índia, conheceu um sacerdote, Rishi, que mostrou tábuas escritas em uma língua que ele não conhecia, Naacal, e que contava a história de Mu, equivalente à Lemúria dos teosofistas.[1] Outras tábuas, descobertas no México por William Niven, também seriam, segundo Churchward, escritas em Naacal.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Em sua biografia intitulada My Friend Churchey and His Sunken Continent (Meu amigo Churchey e Seu Continente Submerso), discutiu sobre Mu com Augustus LePlongeon e sua esposa em 1890.

Patenteou a armadura de Aço NCV (níquel / cromo / vanádio), para proteger os navios durante a I Guerra Mundial, e outras ligas de aço. Depois de uma violação de patente em 1914, retirou-se para sua propriedade de 7 acres no lago Wononskopomuc em Lakeville, Connecticut, para responder às questões de suas viagens ao Pacífico.

Em 1926, aos 75 anos de idade, publicou The Lost Continent of Mu: Motherland of Man (O Continente Perdido de Mu: Pátria do Homem)[2] , no qual afirmava ter provado a existência de um continente perdido, chamado Mu, no Oceano Pacífico.

Notas

  1. a b J. B. Hare, editor do site www.sacred-texts.com, na sua introdução ao livro The Sacred Symbols of Mu [em linha]
  2. JAMES CHURCHWARD, O continente perdido de Mu, São Paulo, Hemus, 1972, 388p.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O livro Os Símbolos Sagrados de Mu encontra-se em domínio público, pois o seu copyright não foi renovado, e está disponível em linha: