James Longstreet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ten. Gal. James Longstreet

James Longstreet (8 de Janeiro, 18212 de Janeiro, 1904), militar dos Estados Unidos da América, foi um dos principais oficiais das Forças Armadas confederadas durante a Guerra da Secessão e um dos colaboradores mais próximos de Robert E. Lee. Foi também um dos personagens controvertidos daquela guerra. Longstreet tem sido frequentemente citado como um tático brilhante, um dos primeiros generais a entender o impacto do advento das armas de alma raiada sobre o modo de conduzir a guerra. Por outro lado, não alcançou sucesso quando obteve comando independente e diversas fontes têm questionado a sua conduta em diversos episódios da guerra, particularmente na Batalha de Gettysburg. As críticas notavelmente ácidas têm sido desferidas pelos partidários do movimento “Lost Cause”.

Antes da Guerra Civil[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Edgefield (Carolina do Sul). Graduou-se pela Academia Militar de West Point em 1842. Serviu em diversas campanhas contra índios e foi brevetado duas vezes pela coragem durante a Guerra Mexicano-Americana. Com o início da Guerra da Secessão em 1861, pediu baixa do Exército dos Estados Unidos da América, onde possuía a patente de Major. Em Junho daquele ano foi incorporado ao exército confederado com a patente de General de Brigada.

De 1º Bull Run a Fredericksburg[editar | editar código-fonte]

Um mês mais tarde lutou na Primeira Batalha de Bull Run. Em Outubro de 1861 foi promovido a Major General. Destacou-se na Campanha da Península, na Segunda Batalha de Bull Run e em Antietam. Em Outubro de 1862 veio a promoção a Tenente General. Em Dezembro do mesmo ano, na Batalha de Fredericksburg, o seu 2º. Corpo do Exército da Virgínia do Norte preparou uma posição inexpugnável atrás do muro de pedras de Marye’s Heights, repelindo o ataque e infringindo terríveis baixas aos federais sob Ambrose Burnside. Não participou da Batalha de Chancellorsville por estar numa missão independente ao sul do Rio James.

Gettysburg[editar | editar código-fonte]

O ponto mais controvertido da carreira militar de James Longstreet ocorreu na Batalha de Gettysburg.

Após os relativos sucessos obtidos pelos confederados no primeiro dia da batalha, 1 de Julho de 1863, Longstreet relatou que surgiu uma importante discordância entre ele e Gal. Lee sobre a condução posterior da campanha. Longstreet desejava contornar o flanco da União e posicionar-se entre as tropas federais e Washington, D.C., forçando Meade a atacá-los para defender a capital. Contrário do que acontecia nas Guerras Napoleônicas, desde que o uso de alma raiada estendeu radicalmente o alcance de armas de fogo, o soldado entrincheirado na defesa possuía uma enorme vantagem sobre o atacante, que tinha que percorrer uma longa distância exposto ao fogo preciso. O desequilíbrio era agravado pela doutrina tática da época, herdada dos tempos em que mosquete era inútil a menos de 120 metros. Os infantes progrediam agrupados em densas formações retangulares, representando um alvo grande e lento. Longstreet propunha que a campanha, que era estrategicamente ofensiva, fosse conduzida de forma taticamente defensiva, deixando o ônus do papel de atacante para o oponente.

Lee, entretanto, deixando de lado a lição que tomou em Malvern Hill, e que ele mesmo deu aos federais em Fredericksburg, e ciente que os recursos da Confederação estavam se esgotando a cada dia, queria uma batalha conclusiva rapidamente. Resolveu atacar Meade onde este se encontrava, apesar da posição vantajosa do adversário.

No segundo dia da batalha, Longstreet recebeu a ordem de atacar o flanco esquerdo dos federais. Lee desejava que o ataque iniciasse ao amanhecer, mas Longstreet conseguiu organizar as tropas para iniciar o assalto apenas no início da tarde. Para posicionar-se para o ataque, Longstreet tomou um caminho que permitiu boa observação aos federais, arruinando qualquer possibilidade de surpresa tática. Mais tarde, os detratores de Longstreet apontariam o atraso e o itinerário mencionados como principais motivos para culpá-lo (e inocentar Lee) pela derrota na batalha. O ataque de Longstreet conseguiu algum avanço, mas sem penetração das defesas principais da União.

No dia seguinte, o último da batalha, Lee deu a Longstreet a missão de atacar o centro das defesas da União sobre Cemetery Ridge. Para isso, destacou 3 divisões, com um total de aproximadamente 15.000 homens. Os comandantes das divisões eram George Picket, Isaac Trimble e J. Johnston Pettigrew. A ação tornou se conhecido como Pickett’s Charge (Assalto de Pickett). Os atacantes teriam que marchar mais de 1200m, sob completa exposição à artilharia federal. Depois, teriam que tomar as posições da União estabelecidas em terreno alto e repelir os contra-ataques dos reforços federais que podiam ser facilmente trazidos dos pontos menos críticos da linha de defesa. O plano de Lee era ruim, e Longstreet aceitou a ordem sob veementes protestos.

O que se sucedeu foi um completo desastre. Os atacantes atingiram as linhas inimigas em um único ponto, mas a penetração foi rapidamente estancada. Os confederados foram repelidos e mais da metade das tropas que empreenderam o assalto não retornou às suas linhas.

Tennessee[editar | editar código-fonte]

Em Setembro de 1863 Longstreet e o seu corpo de exército foram transferidos para o teatro de guerra oeste, incorporados ao Exército de Tenessee de Braxton Bragg. Logo ao chegar teve uma atuação decisiva na Batalha de Chickamauga. Longstreet dispôs 8 brigadas numa forte coluna para atacar uma frente estreita das linhas federais. O resultado foi a ruptura das linhas e uma contundente vitória confederada, atenuada apenas pela tenaz resistência das tropas remanescentes da União sob George H. Thomas.

Longstreet tinha um péssimo relacionamento com Bragg, que logo solicitou ao presidente Jefferson Davis que o corpo de Longstreet fosse destacado para operar contra o Exército do Ohio de Ambrose Burnside, no leste de Tennessee. Assim Longstreet ganhou o seu primeiro comando independente. Mas dessa vez Burnside, o derrotado de Fredericksburg, em parte deu o troco. A campanha foi completamente estéril, servindo apenas para reduzir as forças de Bragg na crucial Batalha de Chickamauga. O corpo de Longstreet foi reincorporado ao Exército da Virgínia do Norte, retornando para o Leste.

Wilderness, Petersburg e Appomattox[editar | editar código-fonte]

Em 6 de Maio de 1864 a divisão de vanguarda do seu corpo chegou ao campo da Batalha de Wilderness no exato momento de empreender um brilhante contra-ataque, empurrando as forças de Winfield Hancock e equilibrando o resultado do confronto. Longstreet foi ferido pelo fogo amigo, e ficou fora dos combates até Outubro daquele ano, quando participou da defesa durante o Cerco de Petersburg. Acompanhou Lee nos derradeiros combates da guerra no leste durante a Campanha de Appomattox até a rendição em 9 de Abril de 1865, comandando além do seu 1º corpo também o 3º corpo do Exército da Virgínia do Norte.

Post Bellum[editar | editar código-fonte]

No pós-guerra aderiu ao Partido Republicano (Estados Unidos da América) e ao plano de Reconstrução estadunidense, provocando a ira de alguns dos antigos companheiros das armas. Foi duramente criticado pelos partidários do movimento Lost Cause, tornando se um dos “bodes expiatórios” da derrota. Retomou a amizade com o Presidente Grant, que datava dos tempos da academia militar.

Inicialmente, estabeleceu –se em Nova Orleans. Até a morte, exerceu diferentes cargos públicos, incluindo o ministério (embaixada) para a Turquia.

Referências[editar | editar código-fonte]