Jan Kott

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jan Kott (Varsóvia, Polônia, 27 de outubro de 1914 - Santa Mônica, California, 23 de dezembro de 2001), poeta, tradutor e importante crítico e teórico de teatro polonês no século XX. Jan Kott, que havia sido um importante defensor das teses do realismo socialista nos anos trinta do século XX, rompe com o Partido Comunista e imigra aos Estados Unidos em 1966, para ensinar nas Universidades de Yale e Berkeley.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kott foi batizado aos cinco anos, embora fosse de família judaica. Ele se torna um membro do Partido Comunista em 1930 e participa também da defesa de Varsóvia. Durante a Segunda Guerra Mundial ele vive na União Soviética. Depois da Segunda Guerra Mundial ele se torna editor chefe da revista de literatura Kuźnica e o principal defensor das teses do Realismo Socialista (Zofia Sawicka, 2009). Em 1949, conforme as autoridades stalinistas aumentavam o controle sobre a Polônia, Kott torna-se professor e começa a se afastar da vida política, escreve um livro cheio de elogios a Stalin, mas principalmente sobre teatro. Kott publica também um manifesto sobre o papel do teatro, chamado O teatr godny naszej epoki (Para um Teatro Digno de Nosso Tempo) onde defende um "novo" teatro subserviente ao Partido Comunista. A historiadora Teresa Wilniewczyc destaca que seu zelo pelo controle do partido stalinista sobre a cultura polonesa foi "muito mais longe do que o necessário". Somente após o fim da era stanilista, em março de 1956, ele se torna seu um crítico ardente. Em 1957 ele se desfilia do Partido Comunista da Polônia.

Muda-se para os Estados Unidos em 1966 como professor das Universidades de Yale e depois Berkeley. Ensina também na Universidade Hebréia de Jerusalém até 1975. Escreve em revistas e jornais (The New Republic, Partisan Review e The New York Review of Books). Somente regressou a Polônia uma vez, em 1981.

Sobre teatro[editar | editar código-fonte]

Kott foi tradutor de Molière, Diderot,Sartre, Ionesco e Camus. Escreveu mais de trinta livros, sendo os de maior destaque seu trabalho sobre a tragédia grega e sobre Shakespeare (publicado em português). Coloca Shakespeare ao lado de Eugène Ionesco y Samuel Beckett. Participa como dramaturgista na encenação de Rei Lear de Peter Brook. Tem também trabalhos publicados sobre o teatro japonês e os artistas poloneses Jerzy Grotowski e Tadeusz Kantor.

Obras[editar | editar código-fonte]

português
  • Shakespeare Nosso Contemporaneo. SP: Cosac Naify, 2003.
espanhol
  • Mitología y Realismo, 1946, resume sua primera etapa.
  • Apuntes sobre Shakespeare, Seix-Barral, 1969, or. 1961.
  • El Manjar de los Dioses, Era, 1977, or. 1970, sobre a tragedia grega.
  • Shakespeare, Nuestro Contemporáneo, Alba, 2002.
  • Theater Notebook.
  • Arroyo de Piedra, com ensaios sobre o teatro japonés.
  • The Bottom Traslation.
inglês
  • Theater of Essence (ISBN: 9780810106642). Northwestern University Press, 1984.
  • The Gender of Rosalind. Interpretations: Shakespeare, Buchner, Gautier (ISBN:081011013X / 0-8101-1013-X) com Jadwiga Kosicka e Mark Rosenzweig. Northwestern University Press.
  • Doctor Faustus (Longman Study Texts) (ISBN: 0582353904 / 0-582-35390-4) Christopher Marlowe, Linda Cookson. Longman Group United Kingdom, 1988.
  • Four Decades of Polish Essays (ISBN: 9780810108639). Northwestern Univ Pr, 1990.
  • Still Alive: An Autobiographical Essay (ISBN: 9780300052763). Yale University Press, 1994
  • The Eating of the Gods: An Interpretation of Greek Tragedy (ISBN: 0394719956 / 0-394-71995-6). Vintage Books, 1974.
polonês
  • Podwojony świat (1936) (zbiór wierszy) Mundo Dobrado (poemas)
  • Mitologia i realizm. Szkice literackie (1946) Mitologia e Realismo. Esboços Literários.
  • Węgiel (1946) (publicystyka). Carbono (jornalismo)
  • Po prostu. Szkice i zaczepki (1946) É Isso Aí. Ensaios e Provocações.
  • O społecznym awansie (1947) (publicystyka). Promoção Social (jornalismo)
  • O "Lalce" Bolesława Prusa (1948)
  • Szkoła klasyków (1949)
  • Nowy Świętoszek (1950) (komedia, razem ze Stanisław Dygat
  • Trembecki w świetle rękopisów i pierwodruków (1950)
  • Trwałe wartości literatury polskiego Oświecenia (1951)
  • Wiktor Hugo - pisarz walczący (1952)
  • Jak wam się podoba (recenzje teatralne, cz. 1 - 1955, cz. 2 - 1957, cz. 3 - 1962)
  • Postęp i głupstwo. Szkice (t. 1. Publicystyka. Notatki z podróży 1945-1956, tom 2. Krytyka literacka. Wspomnienia 1945-1956, 1956)
  • Szkice o Szekspirze (1961)
  • Szekspir współczesny (1965)
  • Aloes. Dzienniki i małe szkice (1969)
  • Zjadanie bogów. Szkice o tragedii greckiej (1986)
  • Kamienny potok. Szkice (1981)
  • Przyczynek do biografii (1990)
  • Pisma wybrane (tom 1-3, 1991)
  • Płeć Rozalindy. Interpretacje. Marlowe, Szekspir, Webster, Büchner, Gautier (1992)
  • Nowy Jonasz i inne szkice (1994)
  • Bajeczki dla Lidusi (1994)
  • Kadysz. Strony o Tadeuszu Kantorze (1997)
  • Lustro. O ludziach i teatrze (2000). Espelho. As pessoas e o teatro
  • Powiastki dla wnuczek (2002) Contos para o Neto
  • Ladacznicy z zasadami (2002) Tradução de Prostituta Respeitosa de Sartre

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]