Japão pós-ocupação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of Japan.svg Série de artigos sobre
História do Japão
Osaka Castle 02bs3200.jpg

Depois de ter ocupado grande parte dos países da Ásia, ilhas do Pacífico e de ter entrado em guerra com todos estes países, o Japão desistiu de seu imenso e vasto território depois do bombardeio atômico dos EUA no dia 6 de Agosto de 1945.[1]

Dívida externa[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Japão teve que arcar com os prejuízos causados aos países que invadiu. Só foi com a ajuda financeira imposta pela ONU e também pelo próprio Japão que os Americanos puderam pagar os prejuízos da bomba atômica e ataques a capital japonesa, Tóquio e assim os Japoneses conseguiram sair dessa grande crise econômica.

Um porém americano[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos só se prestariam a ajudar o Japão se este desistisse da sua politica expansionista em que invadia o território de outros países. Os americanos não só proibiram o seu expansionismo, como a utilização de energia nuclear. Os Estados Unidos forneceram ajuda monetária para a reconstrução das cidades devastadas pelas bombas atômicas para que os Japoneses pudessem reconstruir o país.

Renascimento econômico do Japão e a Era Heisei[editar | editar código-fonte]

Depois da Crise Financeira do Japão (muitas famílias deixaram o país nesta época) veio a era Heisei, que é simplesmente a recaida dos Juros e Impostos do Governo sobre o povo, propicionando assim um maior desenvolvimento Industrial e Econômico do Japão.

As cidades de Tóquio e Osaka e também outros centros financeiros como as cidades de Hiroshima e Nagasaki, ganharam muito com a diminuição dos impostos e juros. Por consequência, essas e outras cidades do Japão cresceram e são hoje importantes cidades do continente Asiático e do mundo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Japan's Red Purge: Lessons from a Saga of Suppression of Free Speech and Thought Z Communications. Página visitada em 4 de novembro de 2013.