Jason and the Argonauts

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jason and the Argonauts
Os Argonautas (PT)
Jasão e os Argonautas (BR)
Honor Blackman como a Deusa Hera
 Reino Unido
 Estados Unidos

1963 • cor • 104 min 
Direção Don Chaffey
Elenco Todd Armstrong
Nancy Kovack
Niall MacGinnis
Honor Blackman
Género fantasia
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

Jason and the Argonauts (no Brasil, Jasão e os Argonautas, em Portugal, Os Argonautas) é um filme dos EUA de fantasia baseado no mito de Jasão e o Velo de Ouro, da Mitologia grega, de 1963. Dirigido por Don Chaffey, em colaboração com o gênio da animação em stop motion, Ray Harryhausen, este filme é famoso pelos monstros criados e animados segundo a técnica, como as Harpias, o gigante de bronze Talos e a Hidra que guarda o Velo de Ouro. A sequência em que sete esqueletos brotam do chão e atacam os heróis ainda é considerada como uma das maiores realizações em efeitos especiais cinematográficos do Século XX. Ainda possui trilha sonora composta especialmente para o filme de Bernard Herrmann, que também trabalhou com Harryhausen em outros de seus filmes, como Mysterious Island (1961) e The Seventh Voyage of Sinbad.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Pélias usurpa o trono da Tessália matando o rei Esão. Uma profecia, no entanto, dizia para que Pélias tivesse cuidado com um dos filhos de Esão, que apareceria usando uma sandália só e o destronaria. Para evitar a profecia, Pélias mata uma das filhas de Esão, não antes dela pedir a intercessão da deusa Hera, esposa de Zeus. A partir dai, Pélias faz de Hera sua maior inimiga.

Anos depois, Jasão, filho de Esão, salva a vida de Pélias em um encontro casual e perde a sandália na ação. Jasão não reconhece o assassino de seu pai mas este, sim. No entanto, Pélias está impedido de matar Jasão, já que a profecia diz que, se fizer isso, ele mesmo morrerá. Conversando com Jasão, descobre que este está pensando em partir numa jornada perigosa em busca do Velo de Ouro, na verdade a pele de um carneiro divino ao qual se atribuia poderes mágicos de cura. Pélias o encoraja. Jasão percorre então toda a Grécia, reunindo heróis que o acompanhem na aventura, entre eles o semideus Hércules e Acasto, filho de Pélias, mandado pelo pai para sabotar a viagem. Encomenda ainda ao construtor Argos um navio para transportar a ele e aos companheiros em sua jornada. Jasão dá ao barco o nome de Argo, em homenagem ao construtor; seus tripulantes passam então a ser conhecidos como "os argonautas".

Um pouco antes do embarque, Jasão é levado ao Monte Olimpo por Hermes para conversar com Zeus e Hera. Esta promete ajudar Jasão mas Zeus restringe essa ajuda (Jasão, como todos os mortais, é reconhecidamente uma peça no jogo que os deuses jogam entre si. Este é um retrato acurado da teologia grega, raramente encontrada atualmente). Assim, Jasão fica restrito a invocar o auxílio da deusa apenas cinco vezes e fica sabendo por ela que o Velo de Ouro realmente existe e que se encontra na Cólquida, reino estabelecido do outro lado do mundo.

Os argonautas enfrentam muitos perigos durante a viagem. Calmarias fazem Jasão pedir a ajuda de Hera pela primeira vez; ela os guia para a ilha de Bronze, antiga oficina do deus Hefesto, onde os argonautas se confrontam com a gigantesca estátua de bronze de Talos. Procuram a seguir pelo adivinho cego Fineu para que ele lhes indique o caminho correto para a Cólquida e livram-no do ataque diário de duas Harpias, que roubam-lhe as refeições por ordem de Zeus, para puni-lo pelo mau uso de seu poder. Fineu então lhes indica o caminho, passando pelas Simplégadas (o estreito do Bósforo), onde o desmoronamento de rochas ameaça matá-los. Fineu ainda lhes dá um amuleto, que, ao ser jogado ao mar, invoca um Tritão que, segurando os lados do estreito, auxilia-os na passagem.

Depois de todas essas peripécias, os argonautas chegam à Cólquida e, com a ajuda da princesa Medeia, conseguem, por fim, matar o dragão que vigia o Velo, apoderar-se dele e fugir da fúria de Eetes, rei da Cólquida, que faz brotar dos dentes semeados do dragão morto um exército de esquelos que ataca os heróis.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Em abril de 2004, a revista inglesa Empire elegeu o Gigante Talos do filme "Jason and the Argonauts" como o segundo melhor monstro cinematográfico de todos os tempos, atrás apenas de "King Kong".
  • Ray Harryhausen considera este o seu melhor filme. Seus filmes anteriores normalmente eram exibidos em sessões duplas em cinemas classe "B". A Columbia Pictures conseguiu agendar este filme como único em cinemas classe "A" nos EUA.
  • Os escudos que os esqueletos usam na sequência de luta com os argonautas são adornados com desenhos de outras criaturas criadas por Harryhausen, incluindo um polvo e a cabeça de um Ymir do filme 20 Million Miles to Earth.
  • Ao final do filme fica uma sensação de "gancho" para uma sequência posterior. Ela, no entanto, nunca foi realizada.