Jean-Louis Pierre Tauran

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jean-Louis Pierre Tauran
Cardeal da Santa Igreja Romana
Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso
Prefeito da Comissão de Relações Religiosas com os Muçulmanos
Cardeal Jean-Louis Cardinal Tauran em Viena (novembro de 2012)

Título

Cardeal-presbítero de Santo Apolinário nas Termas Neronianas-Alessandrinas
Hierarquia
Papa Francisco
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 20 de setembro de 1969
Bordéus
por Marius-Félix-Antoine Maziers
Ordenação episcopal 6 de janeiro de 1991
Basílica de São Pedro
por Papa João Paulo II
Nomeado arcebispo 1 de dezembro de 1990
Cardinalato
Criação 21 de outubro de 2003
por Papa João Paulo II
Ordem Cardeal-diácono
Título Santo Apolinário nas Termas Neronianas-Alessandrinas
Brasão
Coat of arms of Jean-Louis Tauran.svg
Lema VERITATE ET CARITATE
Dados pessoais
Nascimento Bordéus
5 de abril de 1943 (71 anos)
Nacionalidade França Francês
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Jean-Louis Pierre Tauran (Bordéus, 5 de abril de 1943) é um cardeal francês, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso.

Em 13 de março de 2013, foi encarregado de anunciar ao mundo a escolha do Papa Francisco, com a célebre frase Habemus Papam.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Bordéus, França, seu nome de batismo é Louis-Pierre. Ele recebeu o sacramento da confirmação em 5 de junho de 1955, a partir de Paul-Marie-André Richaud, arcebispo de Bordeaux, futuro cardeal.[1]

Estudou na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma (licenciado em filosofia e teologia, e doutorado em Direito Canônico de 1973) e no Instituto Católico de Toulouse. Também estudou na Pontifícia Academia Eclesiástica, em Roma. Além de seu francês nativo, ele fala espanhol, inglês e italiano.[1]

Vida religiosa[editar | editar código-fonte]

Padre[editar | editar código-fonte]

Ordenado padre em 20 de setembro de 1969, em Bordeaux, por Marius Maziers, arcebispo de Bordeaux. Foi pároco na arquidiocese de Bourdeaux. Entrou no serviço diplomático da Santa Sé em 1975. Secretário da Nunciatura, na República Dominicana, entre 1975 e 1978. Secretário da Nunciatura no Líbano, entre 1979 e 1983. Foi membro no Conselho para os Assuntos Públicos da Igreja a partir de julho de 1983. Participou de missões especiais no Haiti, de 1984 e Beirute e Damasco, em 1986. Membro da delegação da Santa Sé para as reuniões da Conferência sobre Segurança e Cooperação Europeia, Conferência sobre o Desarmamento, em Estocolmo, na Suécia e no Fórum Cultural em Budapeste, na Hungria, e suas sucessivas reuniões em Viena.[1]

Episcopado[editar | editar código-fonte]

Eleito arcebispo-titular de Telepte e nomeado secretário da Secretaria de Estado para as Relações com os Estados, em 1 de dezembro de 1990. Foi consagrado em 6 de janeiro de 1991 na Basílica de São Pedro, pelo Papa João Paulo II, assistido por Giovanni Battista Re, arcebispo-titular de Vescovio, substituto da Secretaria de Estado, e Justin Francis Rigali para, arcebispo-titular de Bolsena, secretário da Congregação para os Bispos. Seu lema episcopal é Veritate et caritate.[1]

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

Foi criado cardeal-diácono no consistório de 21 de outubro de 2003, recebendo o barrete e a diaconia de Santo Apolinário nas Termas Neronianas-Alessandrinas. Foi nomeado Arquivista e Bibliotecário da Santa Igreja Romana em 24 de novembro de 2003, cargo que exerceu até 25 de junho de 2007.[1] [2] Participou, como representante do papa, na inauguração do novo Museu do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, em 15 de março de 2005.[1]

Foi o enviado especial do Papa às celebrações centrais do Extraordinário Ano Jubilar da Diocese de Le Puy-en-Velay, na França, ocorrido em 29 de maio de 2005, na Basílica Catedral de Notre Dame du Puy. Participou da X Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, na Cidade do Vaticano, em 2 a 23 de outubro de 2005, por nomeação papal. Presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso em 25 de junho de 2007, assumiu o cargo em 1 de setembro de 2007. Participou ainda da XII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, na Cidade do Vaticano, entre 5 a 26 de outubro de 2008, sobre "A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja".[1]

Foi o enviado especial do Papa às cerimônias conclusivas do Ano Paulino em 29 de junho de 2009, na Turquia. Participou da Segunda Assembleia Especial para a África do Sínodo dos Bispos, de 4 a 25 de outubro de 2009, na Cidade do Vaticano, sobre o tema " A Igreja na África, ao serviço da reconciliação, da justiça e da paz: Vós sois o sal da terra, você é a luz do mundo".[1] Foi também o enviado especial do Papa para a celebração do milênio da Abadia de Saint-Pierre de Solesmes, na França, ocorrido em 12 de outubro de 2010. Participou da Segunda Assembleia Especial para o Oriente Médio do Sínodo dos Bispos, de 10 a 24 de outubro de 2010, na Cidade do Vaticano, como membro eleito do Conselho Especial para o Oriente Médio da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos, 23 de outubro de 2010. Em 23 de novembro de 2010, ele recebeu um doutorado honoris causa do Institut Catholique de Paris. Confirmado pelo Papa Bento XVI no ofício do cardeal protodiácono no consistório de 21 de fevereiro de 2011. Vários anos atrás, ele começou a sofrer com o que foi diagnosticado como mal de Parkinson[1] [3] . Em 19 de junho de 2012, ele foi confirmado por cinco anos como presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso.

Como cardeal-protodiácono, foi ele quem anunciou ao mundo a eleição do novo papa e seu nome papal, no Conclave de 2013.[1] Ele impôs o pálio sobre o Papa Francisco na inauguração do ministério petrino do pontífice em 19 de março de 2013. Em 15 de abril de 2013, ele foi nomeado enviado especial do Papa às celebrações do quarto centenário da chegada do ícone da Virgem Maria em Budslau, Bielorrússia, ocorrido em 5 e 6 de julho de 2013, no Santuário Nacional, que se encontra no território da Arquidiocese de Minsk-Mohilev. Em 26 de junho de 2013 o papa o nomeou membro da Pontifícia Comissão Relativamente ao Instituto para as Obras de Religião (Banco do Vaticano). Em 24 de agosto de 2013 foi nomeado enviado especial do Papa às celebrações do primeiro centenário da Arquidiocese de Lille, na França, que tiveram lugar em 26 e 27 de outubro de 2013. Foi confirmado como membro da Congregação para os Bispos em 16 de dezembro de 2013.[1]

Em 12 de junho de 2014, passou para o grupo de cardeais-presbíteros, mantendo seu título pro hac vice.

Conclaves[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k The Cardinals of the Holy Roman Church
  2. Gcatholic.org
  3. Cardeal que anunciou o "Habemus Papam!" luta contra o Parkinson acidigital (22 de março de 2013). Página visitada em 23 de dezembro de2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jean-Louis Pierre Tauran
Precedido por
Geraldo Lyrio Rocha
External Ornaments of an Archbishop.svg
Arcebispo-titular de Telepte

19902003
Sucedido por
Velasio De Paolis, C.S.
Precedido por
Aurelio Sabattani
Cardeal
Cardeal-presbítero de Santo Apolinário nas
Termas Neronianas-Alessandrinas

2003 — atualmente
Desde 2014, título pro hac vice
Sucedido por
'
Precedido por
Jorge María Mejía
Coat of arms Holy See.svg
Arquivista do Vaticano
Bibliotecário do Vaticano

20032007
Sucedido por
Raffaele Farina, S.D.B.
Precedido por
Paul Poupard
Coat of arms Holy See.svg
Presidente do Pontifício Conselho
para o Diálogo Inter-Religioso

Prefeito da Comissão de Relações
Religiosas com os Muçulmanos

2007 — atualmente
Sucedido por
'
Precedido por
Agostino Cacciavillan
Cardeal
Cardeal-protodiácono

20112014
Sucedido por
Renato Raffaele Martino