Jean-Louis de Rambures

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Jean-Louis Vicomte de Bretizel Rambures (Paris, 19 de Maio 1930Vaudricourt, 20 de Maio de 2006) foi um jornalista, autor, tradutor e um "attaché de cultura" francês.

Jean-Louis de Rambures

Vida[editar | editar código-fonte]

Os seus pais eram Lucille Calogera, uma brasileira e o seu esposo, o conde picardes Bernard de Bretizel Rambures. Ele nao só aprendeu as suas línguas português e francês, como também teve desde infância contacto com a língua e literatura alema, que ele devia de traduzir mais tarde com sucesso. Depois de passar o tempo escolar em Toulouse e Paris, visitou as universidades de Paris e Tübingen, onde terminou os seus cursos com um "Diplom de l´Institut d´Etudes Politiques de Paris", uma "Licence en droit" como uma "Licence d´allemand".

No ano 1958 começou a trabalhar para a revista mensal chamada "Realités", para qual ele escreveu vários retratos de artistas, como por exemplo de Herbert von Karajan, Karlheinz Stockhausen, Luchino Visconti e muitos outros. A partir do ano 1968 escreveu para a revista de arte chamada Connaissances des Arts, L'Express e para o jornal diário Le Monde, que imprimiu durante mais que 25 anos os seus artigos. Ele interessava-se em especial pelo módo de trabalho dos autores e pela origem de literatura. Por esse motivo entrou em contato com inumeráveis escritores do seu tempo, e autores diferentes como Roland Barthes, Julien Gracq, Jean-Marie Gustave Le Clézio, Hélène Cixous, Herta Müller, Ernst Jünger, Thomas Bernhard, Günter Grass e Heinrich Böll.

Muitos outros lhe respondiam e recebiam-no para entrevistas. Daí ele criou a sua maior obra "Comment travaillent les écrivains" ("Como trabalham autores", Flammarion, Paris 1978), que contem entrevistas com 25 autores. Foi traduzida em japones e saíu em 1979 em Tokyo (Chuokoron-sha, Inc. Tokyo). Desde início dos anos 70, de Rambures também trabalhou como „attaché de cultura“ do seu país em Bonn, desde 1975 na secção de cultura do Ministério francês dos Negócios. Entre os anos 1987 e 1995 foi diretor do instituto francês, primeiro em Saarbrücken, depois am Frankfurt/M. Também tornou a ser conhecido através dos seus trabalhos como tradutor. Só por ele é que Paul Nizon foi conhecido pelo público francês.

Condecoração[editar | editar código-fonte]

  • Jean-Louis de Rambures foi condedorado como Chevalier des Arts et des Lettres e recebeu ordem de Mérito de primeira categoria da Alemanha.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • "Comment travaillent les écrivains" (Flammarion, Paris 1978)

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Jean-Louis de Rambures - Article publié le 31 Mai 2006
  • Par Nicole Zand - Source : LE MONDE - Taille de l'article : 267 mots

Extrait :

  • Traducteur, critique, et grand connaisseur de la littérature allemande. JEAN-LOUIS DE RAMBURES, spécialiste de la littérature allemande, traducteur et critique, qui collabora pendant près de vingt-cinq ans au « Monde des livres », est mort dimanche 21 mai. Il a été enterré mardi 23 mai, à Vaudricourt (Somme). Né en 1930 à Paris, fils d'un vicomte picard et d'une Brésilienne qui le fit élever par une gouvernante allemande, tel un personnage de Thomas Mann, bilingue de naissance, il s'évada bientôt dans l'écriture des autres, passionné par le métier des écrivains, la structure de leur style et les diverses conceptions de la traduction.
  • lemonde.fr Archiv

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Fotografias [1]
  • [2] - Retrato
  • [3] - Bibliografia