Jean-Philippe de Chéseaux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jean-Philippe de Chéseaux
Astronomia
Jean-Philippe de Chéseaux
Nacionalidade Suíça Suíço
Nascimento 4 de maio de 1718
Local Lausana, Suíça
Morte 30 de novembro de 1751 (33 anos)
Local Paris, França
Atividade
Campo(s) Astronomia
Conhecido(a) por Catálogo das 21 nebulosas, Grande cometa de 1744

Jean-Philippe Loys de Chéseaux (Lausana, 4 de maio de 1718 - Paris, 30 de novembro de 1751) foi um astrônomo de Lausana, Suíça. Em 1746, Chéseaux apresentou uma lista de nebulosas, oito das quais eram suas novas descobertas, para a Académie des sciences, França. A lista foi notabilizada particularmente por Guillaume Le Gentil em 1759, mas só tornado público em 1892 por Guillaume Bigourdan. Chéseaux foi um dos primeiros a declarar, em sua forma moderna, que mais tarde seria conhecida como o paradoxo de Olbers, que, se o Universo for infinito, o céu noturno deveria ser brilhante."

De Cheseaux descobriu dois cometas: C/1743 X1, com Dirk Klinkenberg, o grande cometa do ano de 1744, e o cometa C/1746 P1.[1] Descobriu também alguns objetos que mais tarde viriam a ser parte do Catálogo Messier, como Messier 71.

De Cheseaux também fez pesquisas, pouco notabilizadas, em cronologia bíblica, tentando datar a crucificação de Jesus de Nazaré através da análise de observações astronômicas no Livro de Daniel. Este trabalho foi publicado postumamente em Mémoires posthumes de M. de Chéseaux (1754).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um astrônomo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.