Jean Giraudoux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jean Giraudoux
Fotografia de Giraudoux em 1927
Nacionalidade França francês
Data de nascimento 29 de outubro de 1882
Local de nascimento Bellac, Limousin
Data de falecimento 31 de janeiro de 1944 (61 anos)
Local de falecimento Paris, Île-de-France
Ocupação dramaturgo, escritor
Obra(s) de destaque The Madwoman of Chaillot,
Ondine,
Duel of Angels,
The Trojan War Will Not Take Place
Influenciados Jean Anouilh

Hyppolyte Jean Giraudoux (Bellac, 29 de outubro de 1882Paris, 31 de janeiro de 1944) foi um escritor e romancista francês. Ele é considerado um dos dramaturgos franceses mais importantes do período entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.[1] Seu trabalho é conhecido pela sua elegância estilística e fantasia poética. O tema dominante de Giraudoux é a relação entre o homem e a mulher—ou em alguns casos, entre o homem e um ideal inatingível.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Giraudoux nasceu em Bellac, Haute-Vienne, onde seu pai, Léger Giraudoux, trabalhou para o Ministério dos Transportes. Giraudoux estudou no Lycée Lakanal em Sceaux e, após a formatura, viajou extensivamente na Europa. Após seu retorno à França em 1910, ele aceitou um cargo no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, ele serviu com distinção e em 1915 tornou-se o primeiro escritor de sempre a ser condecorado com a Legião de Honra de Guerra.[2]

Casou-se em 1918 e no período posterior entre-guerras produziu a maior parte de sua escrita. Ele primeiro alcançou o sucesso literário através de seus romances, nomeadamente Siegfried et le Limousin (1922) e Eglantine (1927). Uma colaboração contínua com o ator e diretor de teatro Louis Jouvet, começando em 1928 com simplificação radical de Jouvet em Siegfried para o palco, estimulou sua escrita.[3] Mas foram suas peças que ganharam fama internacional. Ele se tornou conhecido na anglofonia, em grande parte por causa das adaptações premiados de suas peças de Christopher Fry (Não haverá Guerra de Tróia) e Maurice Valência (A Louca de Chaillot, Ondina, O Encantado, O Apolo de Bellac).

Giraudoux servido como jurado com Florence Meyer Blumenthal na adjudicação do Prix Blumenthal, um subsídio dado entre 1919 e 1954 a pintores, escultores, decoradores, gravadores, escritores e músicos.[4]

Referências

  1. Brockett, Oscar. History of the Theatre Boston: Allyn and Bacon. 1968. p. 621.
  2. Fowlie, Wallace. Jean Giraudoux in Gassner, John and Edward Quinn ed. The Reader's Encyclopedia of World Drama. Nova Iorque, Thomas Crowell. 1969. p. 359.
  3. Encyclopædia Jean Giraudoux (em inglês) Britannica Online. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  4. Siegel, Michele. Florence Meyer Blumenthal Jewish Women's Archive. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Jean Giraudoux
Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.