Jebala

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Jebalas
Jbalas w. Légende.PNG
Mapa das cabilas de Jebala
População total
Regiões com população significativa
Norte de Marrocos c. 1 100 000
Línguas
Dialeto jbeli, árabe
Religiões
Islão sunita
Etnia
Berberes (Ghomaras, etc.)
Mulher Jebala num mercado

A região de Jebala (em espanhol: Yebala; em árabe: جبالة; transl.: Jbala) é um termo de origem árabe que tanto se aplica a uma região histórica e cultural do norte de Marrocos como aos seus habitantes, e que se estende desde Tânger, a norte, até ao rio Uarga, a sul, e até ao Rife central, junto a Taounate,[1] a leste, incluindo as planícies atlânticas desde Tânger a Larache, na foz do rio Lucus.[carece de fontes?] Numa aceção mais restrita, estas planícies designadas por Habt, já não fazem parte de Jebala.[1]

Outra designação da região usada pelos geógrafos é Península Tingitana, uma reminiscência da província romana Mauritânia Tingitana, um nome com origem no personagem da mitologia grega Tinjis que segundo a lenda teria fundado Tânger.

Os habitantes da região são igualmente chamados Jebalas, Jbalas ou Jebli, sendo esta última designação também usada para o dialeto local, uma espécie de mistura de árabe, berbere rifenho e espanhol. Apesar de quase todos os habitantes serem de amazigues (berberes) ou terem origem berbere, todos estão arabizados e falam árabe desde o século XII ou XIII, por influência das populações vizinhas de Fez, da generalidade do norte de Marrocos e do Al-Andalus.[2] A população total é de cerca de 1 100 000 habitantes.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo Jbala provém de jbel (montanha em árabe); jbala significa "gente da montanha" ou montanheses. Os homens são chamados jebli e as mulheres jebliya.

A palavra Jebala surge no século XVI ou XVII para designar esta região do norte de Marrocos, substituindo a antiga Gomara, usado por historiadores como al-Bakri, Ibn Kaldun e Leão, o Aficano. As planícies atlânticas de Tânger a Larache são denominadas historicamente como Habt. A população a que Ibn Kaldun chamava Gomara coincide aproximadamente com os limites da atual Jebala e é de etnia berbere, pertencente ao ramo dos Masmudas.

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo da História, a região de Jebala assistiu a várias ondas de imigração de árabes e berberes, entre elas os berberes Senhaja que se fixaram a norte do Uargam nas montanhas Beni Mestara, Beni Mesguilda e Erhuna, os árabes do século VIII, os árabes Banu Hilal no século XI, as dinastias berberes dos almóadas e almorávidas nos séculos XI e XII. A arabização de Jebala começou cedo, no século XI,[2] e foi bastante intensa, principalmente na planícies atlânticas, e não tanto na área mediterrânica de Xexuão e Oued Laou. A rabização intensificou-se na região depois da independência de Marrocos em 1956, sobretudo por via da alfabetização.

Organização administrativa[editar | editar código-fonte]

Na estrutura administrativa do estado marroquino, o território Jebala está repartido por uma prefeitura (Tânger-Arzila) e quatro províncias (Fahs Anjra, Tetuão, Larache e Xexuão). Estas, por sua vez, estão divididas em entidades municipais (círculos comunas). Os limites dos territórios controlados pelas cabilas (tribos) jebali na época em que foram instaurados os protetorados francês e espanhol, no início do século XX, foram alterados pela divisões administrativas estabelecidas pelas autoridades coloniais francesas e espanholas antes da indepndência, em 1956, e depois desta pelo estado marroquino.

Os territórios de Jebala incluídos na provícia de Sidi Kacem são os que eram controlados pelas cabilas dos Beni Mestara, Beni Mesguilda e Erhuna quando foram instituídos os protetorados. A distribuição por cabilas de Jebala varia conforme as fontes. A lista de Moulierás, um sociólogo francês que publicou uma obra sobre Jebala no final do século XIX refere 52 tribos, bastante mais do que a chamada "Carta de povoamento do Marrocos Setentrional", publicada em 1991, que refere 44 tribos.

Em 1925, o Tratado de Madrid, assinado por Espanha e França durante a Guerra do Rife, divide as zonas de influência dos dois países sobre Jebala. As aspirações francesas e espanholas sobre o rio Uarga e o curso superior do Lucus estabelecem uma linha que deixa na zona francesa várias cabilas jebali.

Infraestruturas[editar | editar código-fonte]

Paisagem da região de Jebala

A região de Jebala é uma das mais urbanizadas de Marrocos, com as cidades de Tânger, Tetuão, Larache, Alcácer-Quibir, Xexuão e Ouezzane. A densidade populacional também é das mais altas do país. A sociedade jebali é predominantemente rural e agrícola, cuja economia se baseia numa agricultura de tipo mediterrânico de trigo, oliveira e árvores de fruto. As comunicações são bastante precárias, principalmente nas áreas rurais. As cidades estão ligadas entre si e com os núcleos rurais mais importantes por estradas asfaltadas ou de macadame, mas a maior parte das localidades rurais só são servidas por estradas de terra e há algumas que nem estradas ou psitas têm.

A região é objeto de múltiplos programas de desenvolvimento europeus e é a região de Marrocos que recebe mais cooperação por parte da Espanha. A ação de um grande número de associações locais e estrangeiras e de ONG's espanholas e francesas completa o quadro de ações em prol do desenvolvimento em Jebala.

As taxas de alfabetização são bastante baixas nos meios rurais, principalmente entre as mulheres.

A divisão sexual do trabalho nas zonas rurais faz incidir sobre as mulheres a maior parte das atividades produtivas, tanto domésticas como fora da residência. As mulheres encarregam-se da maior parte dos trabalhos agrícolas e também do artesanato. Um bom exemplo disso é a atividade cerâmica, em riscos de desaparecimento em muitas áreas de Jebala.

Religião[editar | editar código-fonte]

A grande maioria da população é muçulmana sunita. O sufismo está muito implantado e existem numerosas zaouïas em toda a região. O culto dos santos (awliya) tem grande força na zona. As principais figuras deste culto são Mulay Abd el Kader el Jilani (Abdul Qadri Jilani) e Mulay Abdeslam ben Mchich (Abdeslam Ben Mchich Alami; 1140-1227). A sepultura deste último encontra-se em Xexuão, o que está na origem do estatuto de cidade sagrada e interdita aos não muçulmanos até ao século XX.

Vestuário[editar | editar código-fonte]

O vestuário tradicional das mulheres inclui xailes chamados mendils, feitos de algodão ou lã. De forma quadrangular, estes xailes são usualmente tecidos com riscas brancas e vermelho. São amarrados em volta da cintura para serem usadas como saias, mas também são usados como xailes comuns e para segurar bebés ou mercadorias nas costas ou na frente do corpo.

O peça de roupa tradicional dos homens é a djellaba, uma capa de uma só peça de algodão ou lã, com um capucho com ponta bicuda. Na região de Jebala, é comum que a lã não seja tingida, pelo que as cores mais comuns são o bege e o castanho escuro. Nas cerimónias e festividades religiosas são usadas djellabas brancas.

O calçado tradicional são chinelos de couro com a ponta bicuda e levantada. As cores mais comuns são castanho claro, amarelo e branco.

Os chapéus altos, em forma de pirâmida truncada, feitos em cana, são outra tradição de Jebala, tanto para homens como para mulheres. É frequente que os chapéus femininos sejam decorados com cordões e borlas de lã colorida, principalmente negras, brancas e vermelhas.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jebala
  1. a b Zouggari, A.; Vignet-Zunz, J. (1991). "Jbala: Histoire et société" (em francês). Sciences Humaines.
  2. a b Lévy, Simon. Repères pour une histoire linguistique du Maroc (em francês). [S.l.]: E.D.N.A., 1996. p. 127-137.
  3. Jebala of Morocco (em inglês) Joshua Project (www.joshuaproject.net). U.S. Center for World Mission. Página visitada em 10 de fevereiro de 2012.