Jece Valadão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jece Valadão
Nascimento 24 de julho de 1930
Campos dos Goytacazes, RJ
Nacionalidade Brasil brasileira
Morte 27 de novembro de 2006 (76 anos)
São Paulo, SP
Ocupação Ator

Jece Valadão, pseudônimo de Gecy Valadão, (Campos dos Goytacazes, 24 de julho de 1930São Paulo, 27 de novembro de 2006) foi um ator e diretor brasileiro.

Nascido em Murundu, distrito do município de Campos, na região norte do estado do Rio de Janeiro. Foi criado em Cachoeiro de Itapemirim, devido à transferência de seu pai, ferroviário, para a cidade.[1]

Valadão construiu como ator uma imagem de homem rude e machão. Associou-se voluntariamente à palavra "cafajeste" no plano pessoal. Trabalhou em mais de cem filmes, como ator, diretor e produtor. Foi casado com a atriz Vera Gimenez, padrasto da apresentadora Luciana Gimenez e era pai do ator Marco Antônio Gimenez. Casou-se seis vezes e teve nove filhos. Em 1995, converteu-se ao protestantismo, chegando a se tornar pastor da sua igreja, a Assembléia de Deus.

Em 21 de novembro de 2006, Jece Valadão sentiu-se mal e foi internado na UTI do Hospital Panamericano, com insuficiência respiratória. E, às 17h20 do dia 27 de novembro veio a falecer. Foi enterrado no Jardim da Saudade Cemitério Parque, na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, Estado do Espírito Santo.

Carreira artística[editar | editar código-fonte]

Valadão fez parte do elenco das primeiras montagens de Perdoa-me por Me Traíres e Os Sete Gatinhos, ambas peças de Nelson Rodrigues — então seu cunhado — e que o considerava o ator perfeito para suas peças.

Nos anos 70, foi ator e sobretudo produtor de comédias e filmes policiais eróticos. Uma de suas últimas participações na televisão foi na série Filhos do Carnaval, onde interpretou um bicheiro dono de uma escola de samba.[2] O papel de bicheiro também foi representado pelo ator nos filmes Boca de Ouro, Amei um Bicheiro e Deu Águia na Cabeça.

Após alguns anos sem representar, após a conversão em 1995, voltou para participar de O Cangaceiro (1997), Garrincha — Estrela Solitária (2003) e Em Nome de Jesus (2003). Na televisão, atuou com maior destaque na telenovela Transas e Caretas (1984), de Lauro César Muniz. Em 1991, participou dos primeiros trinta capítulos de O Dono do Mundo. Mais recentemente, fez participações especiais nos seriados Sob Nova Direção e A Diarista e nas telenovelas Bang Bang (Globo) e Cidadão Brasileiro (Record), além da série Filhos do Carnaval, transmitida pelo canal HBO, em 2006.

Gravou o documentário O Evangelho Segundo Jece Valadão, sobre a própria vida, em que disse ter-se arrependido por ter sido um pai ausente e em que conta como Jesus Cristo o salvou, tornou-se evangélico há dez anos. "O Jece Valadão morreu dez anos atrás e eu renasci espiritualmente", definiu ele certa vez.

Seu último filme, totalmente finalizado, foi a produção mineira 5 Frações de Uma Quase História, lançada em maio de 2008. Ele interpreta um juiz corrupto que propõe a um funcionário que assuma o assassinato de uma prostituta, crime que ele cometera. Pois em Encarnação do Demônio embora tenha estreado em 2008 fora filmado em 2007.

Atuação no cinema[editar | editar código-fonte]

Atuação na televisão[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Jece Valadão
Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o