Jim Garrison

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Jim Garrison
Nome completo Earling Carothers Garrison
Nascimento 20 de Novembro de 1921
 Estados Unidos
Morte 21 de outubro de 1992 (70 anos)
Nacionalidade Estadunidense

Earling Carothers "Jim" Garrison (20 de novembro de 1921 - 21 de outubro de 1992), que alterou seu primeiro nome para Jim na década de 1960, exerceu o cargo de procurador público (promotor) do distrito de Orleans Parish, no estado de Louisiana, nos Estados Unidos da América, de 1962 a 1973. Garrison é mais conhecido por suas investigações sobre o assassinato de John F. Kennedy (JFK), o 35º presidente americano.

Garrison ainda gera muita controvérsia. Há quem pense que ele foi impedido por forças ocultas de desvendar um dos maiores mistérios policiais da história americana, e há também os que acreditam que sua empreitada na tentativa de comprovar um complô para matar Kennedy foi apenas um gasto desnecessário de dinheiro público.

Em 1988, lançou o livro JFK, Na Trilha dos Assassinos, onde anotou toda fonte de pesquisa, todos os nomes investigados e não investigados (suspeitos do alto escalão do governo federal, da CIA e de Dallas e New Orleans), para de forma mais ampla revelar, citando documentos, testemunhas e montando um quebra-cabeça complexo, as questões sonegadas ao público pela Comissão Warren e pela House Select Committee on Assassinations que o assassinato de J. F. Kennedy não foi obra de um homem só, de um "louco solitário", mas fora a obra de gente do alto escalão e da máfia que lucrava com a guerra fria e a Guerra do Vietnam, naqueles anos.

O filme JFK, de Oliver Stone, do ano de 1991, narra a história das investigações feitas pela equipe de Garrison, e toma como base seu livro de 1988. Um ano depois, Garrisson faleceu, mas levou consigo na alma o balsamo de que o filme de Stone levaria ao mundo suas conclusões sobre a verdadeira razão de um dos crimes mais estudados da história política do século XX.