Jivaros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os jivaros são povos aborígines da família linguística "jivaro" com cerca de 150.000 falantes [1] que vivem nas encostas orientais da cordilheira dos Andes Peruanos, no sudeste do Equador e ao norte do rio Marañón. Essa família linguística (Jivaroan) subdivide-se em Achuar-Shiwiar (Peru); Aguaruna (Peru); Huambisa (Peru) e Shuar (Ecuador) [2] O Shuar tem uma população de aproximadamente 73 mil, enquanto o Huambisa no Peru tem uma população aproximada de 50-500; ambas as tribos ocupam as bacias dos rios Santiago, Yaupi, Zamora, e os rios Morona. Outra tribo menor, os Achuar, ocupa fronteira leste dos Shuar e Huambisa ao longo do rio Pastaza. Ao todo são cerca de sete mil no Equador e 40-800 no Peru.[3]

Mulher Shuar

Uma família Jivaro geralmente consistem de um homem, suas esposas e filhos. As famílias funcionam como unidades "independentes" dentro das tribos e são auto-suficientes. As casas são de aproximadamente 30; x 50 pés, construído com palmeiras com portas em cada extremidade. A família pode morar em cada casa em média até até 9 anos, dependendo da abundância de vegetação local para lenha, coleta pesca e caça. Também são conhecidos por manter animais domésticos como galinhas, patos e porcos. (Schniter, o.c.)

Entre as plantas cultivadas inclui-se mandioca doce, batata doce, milho branco, abóbora, amendoim (gold peanuts), cana, açúcar e algodão. Alguns Jivaro também cultivar medicamentos e plantas enteógenas (Schniter, o.c.)

Xamanismo[editar | editar código-fonte]

Pwanchir Pitu, Xamã Achuar

Apesar dos vários significados ligados às palavras específicas que denotam o xamã em diferentes culturas (yachac, Quichua; uwishin, Shuar, Achuar; yagé unkuki e inti paiki Secoya; ido, Huaorani), característica que distingue o xamã é sua capacidade de manipular os espíritos a fim de curar através da remoção do mal ou de espíritos maus ou invocar os espíritos para fazer o mal.[4] Para Schniter (o.c.) Existem dois tipos de xamãs entre os Jivaro, os “wawek”, que são os xamãs encantadores e os “pener uwisin”, curadores. Ambos podem obter o seu poder de muitas maneiras diferentes. Geralmente os xamãs são as pessoas mais ricas de sua tribo e entre os Jivaro podem ser do sexo masculino ou feminino. Diz-se que um entre quatro homens Jivaro é um efetivo xamã, mas eles são avaliados segundo sua capacidade de curar, no caso dos uwisin pener, ou um wawek se capaz de prejudicar outrens por feitiços. Eles acreditam em um sistema de “dardos mágicos”, e que um xamã de cura pode essencialmente livrar uma pessoa do mal, removendo os tais dardos que pode ter sido lançados por um feitiçeiro. No processo de cura ou encantamento, ambos os xamãs podem beber natema, para entrar e atuar no mundo sobrenatural, o mundo de Arutam [5]

Os Jivaro no passado ficaram famosos por decapitar seus inimigos e depois fazerem um processo pelo qual encolhem essa cabeça decapitada deixando bem menor que seu tamanho natural. Tal costume não é mais adotada pelos Jivaro.[6] Algumas interpretações dessa prática também encontrada nos povos ancestrais dos Incas (Cultura Nazca) e entre povos da ilhas do pacífico, os Mokomokai dos Maoris e os Dayaks de Borneu a associam à cultura de intimidação do inimigo.

Caminhos Incas atravessando Peru e Equador evidências da unificação cultural não européia em sua cultura

Subgrupos[editar | editar código-fonte]

Alguns relatam ainda:

Elementos da cultura Shuar[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Schniter, Eric. The Jivaro and Shuar of the NorthWest Amazon: Who are they and what is their status? Web.archive AMAZONIA Mai. 2012
  2. Family Trees / Jivaroan Language Ethnologue Maio 2012
  3. Steel, Daniel Ethnohistory Trade Goods and Jivaro Welfare: the Shuar 1850-1957,and the Achuar, 1940-1978 Fall 1999 v. 46 i4 p. 745(32). apud JIVAROANS / ETHNOGRAPHY Maio, 2012
  4. Rebeca Gualinga, entrevistada por Giovanna Tassi, 1993 La mente del shaman Ecuador Ayahuasca Shaman Maio, 2012
  5. Nevarez Jimela. ARUTAM. Quito-Misahualli Minelinks Ecaudor Maio, 2012
  6. a b c Cosac Naify: O Mergulho Etnográfico de Philippe Descola
  7. Matthew Stirling 1938 Historical and Ethnographic Materials of the Jivaro Indians Smithsonian Institution Bureau of American Ethnology Bulletin 117, 2
  8. Michael Harner 1982 Jivaro: People of the Sacred Waterfalls 14

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tzantza