João Argirópulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de João Argiropoulos)
Ir para: navegação, pesquisa
João Argirópulo
Ioannis Argirópoulos
João ensinando medicina na universidade de Kral, em Constantinopla.
Nascimento 1414
Morte 26 de junho de 1487 (73 anos)
Florença
Ocupação filósofo, professor
Portal Filosofia

João Argirópulo (1414 - Florença, 26 de junho de 1487; em grego: Ιωάννης Αργυρόπουλος; transl.: Ioannis Argirópoulos; em italiano: Giovanni Argiropulo, cujo sobrenome aparece também como Argyropulus, Argyropulos ou Argyropulo) foi um filósofo e humanista grego,[1] um dos acadêmicos imigrantes pioneiro no renascimento da cultura clássica na Europa ocidental no século XV.[2] Ele teve um papel preponderante no renascimento da filosofia grega na Itália[3] e traduziu obras filosóficas e teológicas para o latim, além de produzir obras retóricas e teológicas em seu próprio nome. Ele dividia seu tempo entre a Itália e Constantinopla.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

João Argirópulo nasceu em 1415, em Constantinopla, de pais gregos[4] [5] e lá estudou teologia e filosofia. Como professor, ele teve como alunos o acadêmico Constantino Láscaris. Ele foi também era o representante oficial a serviço de um dos governantes da Moreia bizantina e foi enviado numa missão diplomática à Itália em 1439 no Concílio de Florença.[6] Em 1444 ele recebeu uma gradução da Universidade de Pádua antes de retornar a Constantinopla.[7]

Quando Constantinopla caiu em 1453, ele deixou a cidade e seguiu para o Peloponeso. Em 1456 ele se refugiou na Itália, onde ele trabalhou como professor durante o renascimento da filosofia grega nas universidades de Pádua, Florença e Roma e como chefe do departamento grego na Universidade de Florença, chamada de "Estádio Florentino".[8] [9] [10] Em 1471, durante uma epidemia de peste negra, ele se mudou para Roma, onde ele continuou a lecionar grego até a sua morte.

Argirópulo se esforçou muito para transpor a filosofia grega para a Europa ocidental e teve como alunos pessoas como Pietro de' Medici, Lorenzo de' Medici, Angelo Poliziano e Johann Reuchlin.

Estudantes de diversas partes da Europa vinham às suas aulas de grego e de filosofia grega. Leonardo da Vinci provavelmente compareceu a algumas delas.[11] Ele foi membro da delegação bizantina ao Concílio de Ferrara-Florença e deixou diversas traduções latinas, incluindo muitas das obras de Aristóteles. As principais obras foram as traduções das seguintes partes da obra do filósofo grego: —Categoriae, De Interpretatione, Analytica Posteriora, Physica, De Caelo, De Anima, Metaphysica, Ethica Nicomachea, Politica; além de uma Expositio Ethicorum Aristotelis. Diversas delas ainda existem em manuscritos.

Referências

  1. Doby, Tibor. Discoverers of blood circulation: from Aristotle to the times of da Vinci and Harvey. [S.l.]: Abelard-Schuman, 1963. p. 252. OCLC 315911202
  2. John Argyropoulos.. www.britannica.com. Página visitada em 2009-10-02.
  3. Rabil, Albert. Knowledge, goodness, and power: the debate over nobility among quattrocento Italian humanists. [S.l.]: Medieval & Renaissance Texts & Studies, 1991. p. 197. ISBN 0866981004
  4. Masters, Roger D.. Fortune Is a River: Leonardo Da Vinci and Niccolo Machiavelli's Magnificent Dream to Change the Course of Florentine History. [S.l.]: Plume, 1999. p. 55. ISBN 0452280907
  5. Magnus, Laurie; Boas, Frederick Samuel. A history of European literature. [S.l.]: I. Nicholson and Watson, 1934. p. 72. OCLC 1614734
  6. John Argyropoulos.. www.britannica.com. Página visitada em 2009-10-02.
  7. Grendler, Paul F; Renaissance Society of America. Encyclopedia of the Renaissance: Galen-Lyon Volume 3. [S.l.]: Scribner's published in association with the Renaissance Society of America, 1999. p. 86. ISBN 0684805103
  8. Hancock, Lee. Lorenzo de' Medici: Florence's great leader and patron of the arts. [S.l.]: The Rosen Publishing Group, 2005. p. 35. ISBN 140420315X, 9781404203150
  9. John Argyropoulos.. www.britannica.com. Página visitada em 2009-10-02. "When Constantinople fell in 1453 he left it for the Peloponnese and in 1456 took refuge in Italy."
  10. Rabil, Albert. Knowledge, goodness, and power: the debate over nobility among quattrocento Italian humanists. [S.l.]: Medieval & Renaissance Texts & Studies, 1991. p. 197. ISBN 0866981004
  11. Deno Geanakoplos in Constantinople and the West: Essays on the Late Byzantine (Paleologan) and Italian Renaissances and the Byzantine and Roman Churches, University of Wisconsin Press, 1989; Fotis Vassileiou and Barbara Saribalidou in "John Argyropoulos teacher of Leonardo Da Vinci", Philosophy Pathways 117, 2006; Charles Nicholl, Leonardo Da Vinci: The Flights of the Mind, 2005;Fotis Vassileiou & Barbara Saribalidou, "Short Biographical Lexicon of Byzantine Academics Immigrants to Western Europe", 2007

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Geanakoplos, Deno J., “Constantinople and the West : Essays on the Late Byzantine (Palaeologan) and Italian Renaissances and the Byzantine and Roman Churches”, University of Wisconsin Press, 1989, ISBN 0-299-11884-3 (em inglês)
  • Geanakoplos, Deno J., 'A Byzantine looks at the Renaissance', Greek, Roman and Byzantine Studies (em inglês)
  • Fotis Vassileiou & Barbara Saribalidou, Short Biographical Lexicon of Byzantine Academics Immigrants to Western Europe, 2007, ISBN 978-960-930-275-3 (em inglês)
  • Nicholl Charles, “Leonardo Da Vinci: The Flights of the Mind”, Penguin Books Ltd, 2005, ISBN 0-14-029681-6 (em inglês)
  • Vassileiou Fotis, Saribalidou Barbara, 'John Argyropoulos teacher of Leonardo Da Vinci', Philosophy Pathways Issue 117, 19 May 2006, International Society for Philosophers (em inglês)
  • Vassileiou, Fotis & Saribalidou, Barbara, Short Biographical Lexicon of Byzantine Academics Immigrants in Western Europe, 2007. (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]