João Cinamo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

João Cinamo (em grego: Ἰωάννης Κίνναμος ou Κίναμος ou Σίνναμος; transl.: Kinnamos; em latim: Cinnamus; fl. século XII) foi um historiador bizantino. Ele era o secretário imperial (em grego: Grammatikos, provavelmente um posto ligado à administração militar) do imperador bizantino Manuel I Comneno (r. 1143 - 1180), a quem ele acompanhou em campanhas pela Europa e Ásia Menor. É provável que Cinamo tenha sobrevivido a Andrônico I Comneno, que morreu em 1185 d.C.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cinamo foi o autor de uma história[1] que cobriu os anos de 1118 a 1176, continuando assim "A Alexíada" de Ana Comnena, cobrindo os reinados de João II e Manuel I, chegando até a fracassada campanha de Manuel contra os turcos e que terminaria com a desastrosa Batalha de Miriocéfalo e a destruição do exército imperial. É provável que ele tenha sido uma testemunha ocular dos eventos dos últimos dez anos descritos em sua obra.

A obra de Cinamo termina abruptamente, embora seja altamente provável que a original continuasse até a morte de Manuel. Há também indicações de que a obra atual seja uma epítome de uma obra muito maior. O herói da narrativa é Manuel e, ao longo dela, Cinamo sempre procura realçar o que ele enxerga como a superioridade do Império Bizantino sobre o ocidente. Similarmente, ele é feroz oponente do que ele vê como as pretensões do papado. Mesmo assim, ele escreve com a objetividade de um soldado e, ocasionalmente, admite sua ignorância de certos eventos. A obra é bem organizada e seu estilo, copiado de Xenofonte, é simples, especialmente quando comparado com o floreado literário de outros autores gregos do período. William Plate considera-o como o melhor historiador europeu do período.[2]

A João Cinamo também é atribuída a autoria de um livro sobre um dos imperadores ângelos, porém acredita-se que este livro tenha se perdido (talvez juntamente com o resto de sua obra-prima).

Referências

  1. Ἐπιτομὴ τῶν κατορθωμάτων τῷ μακαρίτῃ βασιλεῖ καὶ πορφυρογεννήτῳ κυρίῳ Ἰωάννῃ τῷ Κομνηνῷ, καὶ ἀφήγησις τῶν πραχθέντων τῷ ἀοιδίμᾳ υἱῷ αὐτοῦ τῷ βασιλεῖ καὶ πορφυρογεννήτῳ κυρίῳ Μανουὴλ τῷ Κομνηνῷ ποιηθεῖσα Ἰωάννῃ βασιλικῷ γραμματικῷ Κιννάμῳ, ou "Sumário dos feitos do recém-falecido e porfirogênito imperador João Comneno e uma narrativa dos feitos de seu celebrado filho, o imperador e porfirogênito Manuel, feito por João Cinamo, seu secretário imperial". Editio princeps por Tollius (Utrecht 1652).
  2. Smith, editor. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 1867.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • João Cinamo, Rerum ab Ioannes et Alexio [sic] Comnenis Gestarum, ed. A. Meineke, Corpus Scriptorum Historiae Byzantinae (Bonn, 1836) (em latim)
  • João Cinamo, The Deeds of John and Manuel Comnenus, trad. C.M. Brand (New York, 1976). ISBN 0231 040806 (em inglês)
  • Jonathan Harris, Byzantium and the Crusades (Hambledon and London, 2003). ISBN 1 85285 298 4 (em inglês)
  • J. Ljubarskij, ‘John Kinnamos as a writer’, in Polypleuros Nous: Miscellanea für Peter Schreiner zu seinem 60 Geburtstag (Byzantinisches Archiv, 19), ed. C. Scholz and G. Makris (Munich, 2000), pp. 164–73 (em inglês)
  • Paul Magdalino, 'Aspects of twelfth century Byzantine Kaiserkritik', Speculum 58 (1983), 326-46 e republicados em Paul Magdalino, Tradition and Transformation in Medieval Byzantium (Ashgate publishing, 1991), No. VIII (em inglês)
  • Paul Stephenson, 'John Cinnamus, John II Comnenus and the Hungarian campaign of 1127-1129', Byzantion 66 (1996), 177-87 (em inglês)