João Garcia de Guilhade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João Garcia de Guilhade
Nascimento
Milhazes,  Portugal
Nacionalidade  Portugal
Ocupação Poeta
Escola/tradição Trovadorismo,

João Garcia de Guilhade foi um trovador português, nascido em Milhazes, concelho de Barcelos. Desenvolveu a sua arte poética em meados do século XIII.

Apesar de ser reconhecida a sua capacidade e mestria poética, muita da sua produção tem um carácter brejeiro. É autor de poemas mordazes e célebres, como «Ai Dona fea, fostes-vos queixar», e coube-lhe introduzir o tema dos «olhos verdes» na lírica portuguesa, com «Amigos, non poss'eu negar».

As Inquisições de Afonso III assinalam-no em Viatodos. Frequentou sem dúvida a Casa dos Correias na freguesia vizinha de Monte de Fralães, como aliás aceita Costa Lopes, o seu mais autorizado biógrafo;

Cquote1.svg Ai dona fea! Fostes-vos queixar
Porque vos nunca louv' en meu trobar
Mais ora quero fazer un cantar
En que vos loarei toda via;
E vedes como vos quero loar:
Dona fea, velha e sandia!

Dona fea! Se Deus me pardon!
E pois avedes tan gran coraçon
Que vos eu loe, en esta razon,
Vos quero ja loar toda via;
E vedes qual será a loaçon:
Dona fea, velha e sandia!

Dona fea, nunca vos eu loei
En meu trobar, pero muito trobei;
Mais ora ja un bon cantar farei
En que vos loarei toda via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona fea, velha e sandia!
Cquote2.svg
Ai dona fea! Fostes-vos queixar,
João Garcia de Guilhade


Cquote1.svg Amigos, non poss’eu negar
a gran coita que d’amor ei,
ca me vejo sandeu andar,
e con sandece o direi:
Os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.

Pero quen quer x’entenderá
aquestes olhos quaes son,
e d’est’alguén se queixará,
mais eu... ja quer moira, quer non:
Os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.

Pero non devi'a perder
ome que ja o sen non á
de con sandece ren dizer,
e con sandece digu’eu ja:
Os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.
Cquote2.svg
Amigos, non poss’eu negar,
João Garcia de Guilhade


Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.