João Pinto Ribeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João Pinto Ribeiro
Vida
Nascimento 1590
Morte 10 de agosto de 1649 (59 anos)

João Pinto Ribeiro (Lisboa, 1590Lisboa, 10 de Agosto de 1649) célebre conjurado da revolução de 1 de Dezembro de 1640.

Formou-se na Universidade de Coimbra (1607–1617) com o grau de bacharel em Direito-Canónico. Foi Juiz de fora das Vilas de Pinhel e Ponte de Lima; Administrador dos negócios da Casa de Bragança em Lisboa; agente da aclamação de D. João IV de Portugal; cavaleiro da Ordem de Cristo; guarda-Mor da Torre do Tombo e desembargador do Paço.

Foi um importante pilar da conspiração dos Quarenta Conjurados, pelas ligações que tinha com a casa dos Duques de Bragança e pela sua iniciativa e empenho na Restauração da Independência de Portugal. Terá mesmo sido ele que, perante as hesitações do Duque de Bragança, D. João, incentivou a que se prosseguisse com a conspiração[1] .

Foi enviado como embaixador à Corte de Roma do Papa Inocêncio XI.

Deixou um vasto número de obras publicadas.

Origens familiares[editar | editar código-fonte]

Nota de Cem Escudos de 1935, João Pinto Ribeiro

Nasceu no começo da última década do século XVI, em Lisboa.

Era filho de Manuel Pinto Ribeiro, natural de Amarante, que ainda jovem partiu para Lisboa tendo regressado à sua terra, no lugar de Frariz, na freguesia de Lufrei, em 1610 e onde viveu até 1646; e de Helena Gomes da Silva, natural da Lixa.

Foi casado com D. Maria da Fonseca ou de Almeida, "que se achava no estado de viuvez e com filhos do seu primeiro marido".

Morreu, em 10 ou 11 de Agosto de 1649, sem descendência.

Teve uma irmã, Francisca Ribeira da Silva, casada com Manuel de Sousa Pereira ou de Sepúlveda, senhor da quinta de Crasto, na freguesia de Gatão, que então pertencia ao Concelho de Celorico de Basto. Deste casamento, teve um sobrinho, o capitão António Pinto de Sousa, que viveu no concelho de Celorico de Basto. Tanto na quinta da Refontoura, em Gémeos (Celorico de Basto), e depois numa propriedade de sua mãe, a quinta de Santo Andou, em Arnoia.

Questiona-se se esta é a verdadeira ligação de João Pinto Ribeiro às terras e gentes de Celorico de Basto, onde tem um seu busto colocado no jardim público em frente ao antigo edifício da Câmara Municipal.[2]

Referências

  1. RELAÇÃO de tudo o que passou na felice Aclamação do mui Alto & mui Poderoso Rei D. JOÃO O QUARTO, nosso Senhor, cuja Monarquia prospere Deos por largos anos. Texto publicado em 1641, sem indicação do autor, impresso à custa de Lourenço de Anveres e na sua oficina, e unanimemente atribuído ao Padre Nicolau da Maia de Azevedo
  2. João Pinto Ribeiro, Segunda-feira, Dezembro 01, 2008, Celorico de Basto Digital

Ligações externas[editar | editar código-fonte]