João Rock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde junho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde março de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
João Rock
João Rock
Período de a(c)tividade 2002 - atualmente
Local(is) Brasil Ribeirão Preto
Estádio Palma Travassos: edições de 2002 a 2007
Pq. Permanente de Exposições de Rib. Preto: edições de 2008-atualmente.
Página oficial http://www.joaorock.com.br

O João Rock é um festival anual de música, realizado desde 2002 na cidade de Ribeirão Preto. O evento, que se tornou um dos principais do país, em seu gênero, foi criado pelas empresas Banana's Eventos e Difusora FM, que ainda administram o festival. A última edição do João Rock foi realizada no dia 8 de junho de 2013, no Parque Permanente de Exposições, em Ribeirão Preto. O festival torna Ribeirão Preto a Capital anual do Pop Rock.

História[editar | editar código-fonte]

Muito prazer, eu sou o João Rock[editar | editar código-fonte]

Um sonho forjado pelos fundadores do Banana’s Eventos.

Mas como todo sonho que é cultivado, trabalhado e mantido vivo, um dia a experiência profissional acumulada ao longo dos anos e a união com a força de comunicação da Difusora FM, fez com que o festival se tornasse realidade.

Nos primeiros anos, O João Rock tinha um alcance que se limitava à macro região ao redor de Ribeirão Preto e pontos isolados nas maiores cidades do interior do Estado de São Paulo. Com o passar dos anos a repercussão cresceu e, hoje, há uma pulverização por todo o interior de São Paulo, parte do interior de Minas Gerais e Paraná. Grupos e excursões chegam de todas as regiões, inclusive de algumas capitais. Existem grupos de pessoas que vieram da Bahia e de Santa Catarina nas últimas edições. De um fenômeno regional interiorano, O João Rock vai, passo a passo, conquistando repercussão nacional. Já foi matéria do Fantástico (Rede Globo), Multishow, Hoje em Dia (Rede Record), MTV, entre outros.

O rico interior dos estados citados concentra grande poder aquisitivo. Ribeirão Preto, por exemplo, é considerada praça modelo e mercado-teste para a pesquisa e lançamento de inúmeros produtos pelas maiores empresas do país. Considerada uma “Capital do Interior”, a cidade tem 600.000 habitantes, presença das maiores e mais importantes instituições financeiras que operam no Brasil, um aeroporto em vias de internacionalização, forte caráter empreendedor e comercial, abastecendo uma população regional, que chega aos 2,5 milhões de pessoas, com serviços e produtos. Aqui estão muitas universidades, algumas delas sendo referência nacional em seus cursos. A população estudantil é da ordem de 50 mil pessoas, com participação econômica ativa na cidade.

2002 - Primeira Edição[editar | editar código-fonte]

Iniciando uma atitude de sempre ter atrações consagradas ao lado do que é novo, o primeiro João Rock acontece no Estádio Palma Travassos, trazendo um formato de shows que o interior nâo conhecia. A “Campanha Pela Paz, vista-se de branco” foi iniciada e estava em todos os materiais de divulgação do festival.

Trazendo CPM 22, Cidade Negra, Ira! e Titãs para milhares de pessoas se divertirem e cantarem, o evento passou, então, a ser uma referência na cidade de Ribeirão Preto, e em toda região (interior do estado de São Paulo e sul do estado de Minas Gerais).

2003 - Início da projeção nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2003, novas atrações, grandes marcas, mega estrutura, promoção durante 10 meses, abertura para outros estados, responsabilidade social (em nome da paz), e muita disposição fizeram o maior evento do interior do Brasil.

20.000 pessoas vibraram com Detonautas, Jota Quest, Capital Inicial, Os Paralamas do Sucesso e CPM 22.

O momento mais espetacular deste evento, foi quando Dinho Ouro Preto (Capital Inicial), e Herbert Viana (Os Paralamas do Sucesso), fizeram um tributo a Renato Russo, cantando a música Que País é Esse, um dos ícones da Legião Urbana.

Com plano de comunicação totalmente dirigido, seleção das bandas, segurança e infra-estruturas, a segunda edição do JOÃO ROCK, fez com que o evento começasse a ganhar projeção nacional, com citações nos principais sites do país, no canal Multishow, e, conseqüentemente, ganhando destaque na EPTV (emissora filiada a Globo na região de Ribeirão Preto), como um dos melhores eventos do ano em 2003.

2004 - A consolidação[editar | editar código-fonte]

Mais de 25.000 pessoas no Estádio Palma Travassos, cantando e vibrando com Pitty, Detonautas, Skank, O Rappa e Capital Inicial.

Era a terceira edição do João Rock, que contava com uma mega produção. Para consolidar de vez o sucesso, o evento ganha o Brasil e o Mundo, ao ser transmitido "ao vivo" pelo portal do site do provedor Terra.

2005[editar | editar código-fonte]

Em sua quarta edição, realizada em 2005, o João Rock chegava ao sucesso.

Foram feitas: uma campanha de rádio específica, que envolveu 20 macro regiões (São Paulo e Minas Gerais); uma cobertura nacional pela MTV; além de um trabalho com promoções sérias, abrangentes e específicas.

Realizou-se no Estádio Palma Travassos, com mais de 30 mil pessoas que esgotaram os ingressos.

30 mil pessoas lotaram o estádio do Comercial FC, no dia 11 de junho de 2005, para assistirem um espetáculo histórico para Ribeirão Preto, que contou com a participação de: Cidade Negra, Pitty, Marcelo D2, O Rappa e Engenheiros do Hawaii.

2006[editar | editar código-fonte]

Um encontro entre os maiores nomes do rock nacional celebraram o festival: Rita Lee, Nando Reis, CPM 22, O Rappa, Charlie Brown Jr. e Cachorro Grande, promoveram uma inédita união de gerações, que reuniu 30 mil pessoas no Estádio Palma Travassos, e consolidou este evento na lista dos principais festivais do país.

2007 - Diferenciais de conceito e produção marcam a 6ª edição[editar | editar código-fonte]

Alguns diferenciais na produção e no conceito do evento marcaram a sexta edição do 'João Rock, realizada em 2007.

  • Mudanças na produção

- Exposição dos grandes festivais do mundo através de imagens e mensagens.

- Mídia nacional

- Promoções dirigidas e abrangentes em todo o interior do Estado

- Assessoria de imprensa Regional e Nacional

- Sistema de segurança renovado

- Camarotes e meeting point

- Espetáculo de palco, som e luzes, telões.

  • Mudanças conceituais

- Responsabilidade social e de cidadania, através de parceria com a ONU, como aconteceu em 2006 com o lançamento da campanha internacional "8 jeitos de mudar o mundo"

- Arrecadação de alimentos, que somaram mais de 10 toneladas.

- Inicio de uma ação ambiental que visa a neutralização das emissões de gás carbônico que o João Rock provoca. Uma parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, permitiu que fossem feitos os devidos cálculos para esta compensação. A Fundação SOS Mata Atlântica adota parâmetros internacionais para a obtenção do número exato de árvores a serem plantadas. Neste ano, foram mais de 2.500 em diversas áreas de recuperação.

A sexta edição do festival contou com a presença de Caetano Veloso, que não estava na programação, mas subiu ao palco para se apresentar com os Mutantes. Também subiram ao palco NX Zero, Cidade Negra, Skank, Pitty, Marcelo D2 e Charlie Brown Jr.

2008 - Incidente marca a sétima edição[editar | editar código-fonte]

Em 2008, a 7ª edição do João Rock se tornou a primeira cujo festival não foi realizado no Estádio Palma Travassos, devido a capacidade de público do local, e questões de segurança.

A organização acabou transferindo o evento para o Parque Permanente de Exposições de Ribeirão Preto. Onde 35.000 pessoas seriam aguardadas.

A venda de ingressos foi um sucesso, e a expectativa do público era alta.

A 7ª edição do João Rock, estava marcada para o dia 14 de junho de 2008, e, contaria com a presença de: Pitty, O Rappa, Charlie Brown Jr., Natiruts, Marcelo Nova, Forfun, Strike, Ventania, além do convidado especial Jorge Ben Jor.

Porém na manhã do dia em que os shows aconteceriam, uma das estruturas metálicas da lateral do palco, onde ficaria um dos telões, desabou, ferindo cerca de 6 pessoas da produção.

A organização do evento teve que intervir, adiando o mesmo, conforme nota oficial divulgada a imprensa.

Após o incidente, o evento acabou remarcado, e acontecendo no dia 26 de julho de 2008, no mesmo Parque Permanente de Exposições. Apesar do incidente, o público compareceu em grande número e o show foi um sucesso.

2009 - A reafirmação[editar | editar código-fonte]

Pela segunda vez o Festival aconteceu no Parque Permanente de Exposições de Ribeirão Preto. Era a 8ª Edição do João Rock, que anunciava shows de 11 grandes bandas num dia. O evento foi preparado para receber mais de 30 mil pessoas em 10 horas ininterruptas de música, e assim se tornar o maior do gênero no país.

Considerado o maior festival de pop rock do estado de São Paulo, o João Rock está em sua 8ª edição e se consolida como o maior festival do gênero em um único dia no país. Para tanto, ampliou sua estrutura transformando o Parque Permanente de Exposições de Ribeirão Preto na “Cidade do Pop Rock” que abrigou durante o evento: 2 palcos, uma tenda eletrônica de 700 metros quadrados, área de camarotes e um espaço para apresentação e prática de esportes radicais. Estimou-se um investimento na ordem de R$ 2 milhões para a realização do festival que foi preparado para receber mais de 30 mil pessoas de todos os estados brasileiros no dia 6 de junho, numa verdadeira maratona musical que começou as 16h.

As atrações foram:

Palco Principal - O Rappa, Marcelo D2, Jorge Ben Jor, Pitty, Jota Quest, Mallu Magalhães e Natiruts.

Palco Universitário - Farofa Carioca, Teatro Mágico, Nação Zumbi e Ponto de Equilíbrio.

Na Tenda Skol Beats/Millenium Stage Djs nacionais e internacionais se revezam nas pickups da tenda, agitando o festival e repetindo o sucesso do ano anterior. A novidade este ano, é que até os artistas não resistiram e partiram para pista de dança depois de suas apresentações.

Programação das tendas: No line up da Tenda Skol Beats/Millenniun Stage, Djs consagrados se revezam nas pickups: Tom (Difusora), Mora (Anzu/B Side), Santiago (Sirena/B Side), Jonny Cash (Trade Sound), Feio (Water Republic/XXXperience), Paranormal Attack (Trade Sound) e Lê Cruz (Millennium).

Na área de esportes radicais teve: acrobacias, apresentação freestyle motocross, street skate, que fizeram parte de algumas das surpresas que o público encontrou nesta 8ª edição do João Rock.

Os convites para o Festival João Rock puderam ser comprados pela internet, através de sites parceiros. Na média, os convites custaram: R$ 70,00 (inteira), R$ 40,00 (doando 1 kg de alimento não perecível) e R$ 35,00 (estudantes). Quem utilizou o site para compra, teve ainda a vantagem de parcelar o convite em até 4x. Os ingressos também foram vendidos no espaço João Rock do Ribeirão Shopping e nas unidades da escola CNA Idiomas de todo o país.

2010[editar | editar código-fonte]

O dia já começava amanhecer quando rolaram os últimos acordes no JOÃO ROCK 2010. O público, que lotou mais uma vez a Cidade do Pop Rock, delirou com o som das diversas atrações que se dividiram entre o Palco João Rock, Palco Universitário e a Tenda Eletrônica. 40 Mil pessoas lotaram o Parque de Exposições.

Shows

Palco João Rock

Palco Universitário

Skol Beats Millennium Stage

2011 - 10 anos de um mundo de música, paz e diversão[editar | editar código-fonte]

Realizado em 4 de junho de 2011, o 10º ano do João Rock foi celebrado com uma edição pra ficar na História do Maior Festival de Pop Rock do Interior do Brasil.

Um festival que ao longo de 10 anos demonstrou um enorme amadurecimento profissional e artístico, evidenciado pela reação das bandas e do público, antes, durante e depois do João Rock 2011.

Ao cair da tarde, a Cidade do Pop Rock começava a receber o público que aos poucos foi lotando o Parque Permanente de Exposições. Quem chegou antes do belo pôr-do-sol pode ouvir um aperitivo da passagem de som do Lenine, com o próprio mestre no comando. Mas, enquanto os shows nos dois palcos não começavam de fato, o público pode explorar todos os cantos da imensa e impressionante estrutura do João Rock 2011. Sentir a vibe da Tenda Skol E-music que já acelerava os "BPMs" dos adeptos da música eletrônica e também curtir a adrenalina da Arena FUSION de Esportes Radicais.

Palco João Rock[editar | editar código-fonte]

Shows

Atrações:

Palco Universitário VIVO/C&A[editar | editar código-fonte]

Atrações: Pablo Dominguez, Zé Ramalho, Lobão e Lenine

2012 - Ultrapassando barreiras[editar | editar código-fonte]

Em sua 11ª edição, o João Rock rompe barreiras e comprova seu amadurecimento e relevância em âmbito nacional, juntando-se ao Rock in Rio, SWU, Planeta Atlântida e Lollapalooza, no seleto grupo de festivais com transmissão ao vivo pelo canal Multishow. O primeiro evento legitivamente ribeirão-pretano a atingir repercussão nacional, evidenciando o potencial econômico e sociocultural de nossa cidade para todo o Brasil. Um mega espetáculo transmitido ao vivo para milhões de pessoas com shows dos maiores nomes do pop rock nacional.

Shows

Palco 1

Palco 2

Palco Universitário

2013[editar | editar código-fonte]

Em amadurecimento consolidado, a edição 2013 obteve um marco histórico, lotando o evento com 35 mil pessoas que curtiram 12 horas seguidas de música. O Brasil pôde acompanhar toda a adrenalina deste grande espetáculo através da Multishow, que transmitiu as atrações ao vivo pelo 2º consecutivo.

Palco João Rock

Palco Universitário

E ainda Arena de Esportes Radicais, camarotes, Lata Elétrica da Skol, trazendo shows de bandas ribeirão-pretanas, como Play Vinil, RP3 e Vinil Verde entre os intervalos do Palco Universitário.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

|}|}|}|}