João Zonaras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

João Zonaras (em grego: Ἰωάννης Ζωναράς; transl.: Ioánnes Zonarás) foi um historiador, canonista e jurista bizantino do século XII.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

A vida de João Zonaras é apenas conhecida pelo que contam as suas próprias obras. Devido a que menciona o segundo casamento do imperador Manuel I Comneno (r. 1143–1180), que aconteceu a 25 de dezembro de 1161, somente pôde ser chefe da chancelaria imperial sob os imperadores João II Comneno (r. 1118–1143) ou Manuel I. Zonaras era no século XII um dos oficiais judiciais (drungário da guarda[1] ) mais importantes do império.

A obra principal de Zonaras é o Extratos da história (em grego: Ἐπιτομὴ Ἱστοριῶν; transl.: Epitomé historion; em latim: Epitome Historiarum), na que conta a história do mundo, da sua criação até 1118. A obra surgiu após um exílio como monge num convento na ilha de Santa Glicéria, possivelmente provocado pela entronização de João II Comneno. Na introdução à sua história do mundo justifica que esteja escrevendo como monge: por um lado menciona petições de amigos e por outro, que o trabalho literário distrai-o das tentações terrenais. A intenção de Zonaras era resumir a história em forma de manual (epítome), concentrando-se nos fatos, pelo qual, ao contrário de outros contemporâneos, não deriva demais na teologia. Ainda assim, na divisão da sua obra orienta-se na religião: a primeira parte é a história judaica, a segunda a romano-cristã. A divisão moderna em 18 livros segue a realizada pelo bizantinista francês Charles Du Fresne (1610–1688). Nos livros 1 ao 12 conta-se a história desde a criação até a tetrarquia romana. Os livros 13 ao 18 tratam a história do Império Bizantino desde Constantino, o Grande (r. 306–337) até a morte de Aleixo I Comneno (r. 1081–1118).

Além disso, Zonaras realizou um comentário dos cânones surgidos dos sínodos locais e ecumênicos da Igreja Ortodoxa e dos cânones dos pais da Igreja. Existem outras duas pequenas obras sobre o direito eclesiástico. Amiúde é-lhe atribuído equivocadamente o Léxico de Zonaras (em latim: Zonarae Lexicon), uma enciclopédia que foi recopilada por monges bizantinos durante o século XIII.

Referências

  1. Guilland 1967, p. 576–577

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Guilland, Rodolphe. Recherches sur les Institutions Byzantines, Tomes I–II. Berlim: Akademie-Verlag, 1967.
  • I. Grigoriadis: Linguistic and literary studies in the Epitome historion of John Zonaras. Tessalônica 1998.
  • E.V. Maltese: Zonaras, Johannes. In: Lexikon des Mittelalters. Band 9, Sp. 673f.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Juan Zonaras».

Ligações externas[editar | editar código-fonte]