Joaquim Felizardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Joaquim José Felizardo (Porto Alegre, 17 de julho de 1932 - 1992) foi um escritor e historiador brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sobrinho de Luís Carlos Prestes, na juventude tornou-se militante do Partido Comunista Brasileiro, pelo qual foi eleito vereador e suplente de deputado em 1959 [1] .

Formado em História pela UFRGS, tornou-se professor na mesma universidade, tendo sido cassado pelo AI-5 em 1968. Durante a ditadura militar, foi preso várias vezes em função de sua militância política de esquerda. Neste período, deu aulas de história em escolas secundárias e cursinhos pré-vestibular.

Esportista, nos anos 1970 foi presidente do Cruzeiro, na época o terceiro time de futebol de Porto Alegre [2] .

Na redemocratização, ligou-se ao grupo de Leonel Brizola, que primeiro tentou refundar o Partido Trabalhista Brasileiro e depois criou o Partido Democrático Trabalhista. Criou a Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre (SMC), tornando-se seu primeiro secretário, no governo Alceu Collares (1986-88). Depois, foi assessor parlamentar da bancada trabalhista na Assembleia Legislativa, sem nunca ter deixado de lecionar.

Publicou vários livros sobre História do Brasil e das revoluções mundiais. Parte de seus artigos políticos, publicados na imprensa ao longo de vários anos, foi reunida no volume póstumo "Notas políticas" (1994).

Legado[editar | editar código-fonte]

Em 1993, o Museu de Porto Alegre passou a denominar-se Joaquim José Felizardo, em homenagem ao historiador e criador da Secretaria Municipal da Cultura (Lei Nº 2386, de 23 de dezembro de 1993) [3] .

Em 2007 a SMC criou o Prêmio Joaquim Felizardo, para homenagear os destaques na cultura da cidade a cada ano, em 17 categorias [4] .

No bairro Espírito Santo, em Porto Alegre, existe a rua Professor Joaquim Felizardo [5] .

Bibliografia [6] [editar | editar código-fonte]

  • 1994: "Notas políticas", editora Est
  • 1988: "A legalidade - último levante gaúcho", editora da UFRGS
  • 1985: "A revolução francesa, da queda da bastilha ao 9 de thermidor", editora L&PM
  • 1982: "Partidos políticos e eleições no Brasil", editora Est (co-a. Matheus Schmidt)
  • 1980: "História nova da república velha", editora Vozes
  • 1980: "A inconfidência mineira: em processo, prosa e verso", ed. Instituto Cultural Português
  • 1978: "As duas grandes revoluções", editora Est
  • 1977: "História da república brasileira", editora Est
  • 1976: "De Souza Júnior - apontamentos para a biografia de um homem sincero", editora Planus
  • 1962: "Introdução às causas da evolução geográfica e econômica nos primórdios da idade média"

Referências

  1. Principais dados biográficos extraídos do "Dicionário ilustrado da esquerda gaúcha", de João Batista Marçal e Marisângela Martins, Editora Libretos, 2008, p. 51
  2. Matéria do Clic RBS sobre o Prêmio Joaquim Felizardo de 2007. Página visitada em 24 de junho de 2012.
  3. Sítio oficial do Museu Joaquim Felizardo. Página visitada em 24 de junho de 2012.
  4. Página da SMC sobre o Prêmio Joaquim Felizardo. Página visitada em 24 de junho de 2012.
  5. Página do sítio Brasilão sobre a rua Joaquim Felizardo. Página visitada em 24 de junho de 2012.
  6. Obras de Joaquim Felizardo na Estante Virtual. Página visitada em 24 de junho de 2012.