Job Control Language

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde dezembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Job Control Language (JCL) é uma linguagem interpretada usada em mainframes da IBM para instruir o sistema a inicializar um sub-sistema ou executar um programa de lote. A sigla JCL também pode ser usada genericamente para se referir a qualquer linguagem que realize as mesmas funções, tais como a WFL, da empresa Burroughs, ou a OCL, da ICL. Este artigo trata especificamente da linguagem JCL da IBM.

Há, na verdade, 2 JCL's da IBM: uma para a linhagem de sistemas operacionais iniciada com o DOS/360 e cujo último membro é o z/VSE; e a outra para a linhagem que vai desde o OS/360 ao z/OS. Ambas possuem em comum alguns conceitos e regras básicas de sintaxe, mas em geral são bastante diferentes.

Pontos comuns entre a JCL do DOS e do OS[editar | editar código-fonte]

Jobs, steps e procedures[editar | editar código-fonte]

Em ambas as JCL's, a unidade básica de trabalho é o job. Um job consiste em um (ou vários) passos, cada qual sendo uma requisição para um programa específico. Por exemplo, antes da época dos bancos de dados relacionais, um típico job responsável por criar um relatório impresso consistiria nos seguintes passos: um programa escrito pelo usuário para selecionar os registros apropriados e copiá-los a um arquivo temporário; outro programa, geralmente para uso genérico, para organizar estes dados sob um determinado critério; e um programa escrito pelo usuário para apresentar as informações de forma fácil e legível para o usuário final, e que inclua outras informações úteis, como sub-totais.

A linguagem é uma ferramenta antiga nas instalações de grande porte. Sua sintaxe é caracterizada por um par de barras (//) que indicam o início de cada instrução. Apesar dessa notação existir desde o uso de cartões perfurados para o envio de código JCL, ela não foi alterada desde a década de 1960 por questões de compatibilidade. A função original das barras era assegurar que o cartão perfurado estava posicionado corretamente no leitor: caso elas não fossem lidas logo no começo da instrução, todo o cartão era rejeitado. Outro conceito mantido é o tamanho dos comandos JCL, armazenados em registros de 80 bytes, o que equivale a um cartão.

Ícone de esboço Este artigo sobre Software é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.