Jorge Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Campos
Informações pessoais
Nome completo Jorge Francisco Campos Navarrete
Data de nasc. 15 de Outubro de 1966 (47 anos)
Local de nasc. Acapulco,  México
Altura 1,68 m
Destro
Apelido El Brody, Chiqui Campos,
El Chapulín, El Inmortal
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Goleiro/Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1988–1995
1995–1996
1996-1997
1997
1998
1998–1999
1999–2000
2000–2001
2001–2002
2002–2004
México UNAM Pumas
México Atlante
Estados Unidos Los Angeles Galaxy
México Cruz Azul
Estados Unidos Chicago Fire
México Pumas
México Tigres UANL
México Pumas
México Atlante
México Puebla
183 (31)
38 (1)
43 (0)
1 (0)
8 (0)
56 (2)
17 (0)
33 (0)
26 (0)
28 (0)
Seleção nacional
1991–2004 Flag of Mexico.svg México 130 (0)
Jorge Campos
Informações pessoais
Nome completo Jorge Francisco Campos Navarrete
Data de nasc. {{{nascimento_data}}}
Local de nasc. {{{nascimento_cidade}}}, {{{nascimento_país}}}
Informações profissionais
Times que treinou
2004-2006 Flag of Mexico.svg México (auxiliar-técnico)

Jorge Francisco Campos Navarrete (Acapulco, 15 de outubro de 1966), conhecido apenas por Jorge Campos é um ex-futebolista mexicano que atuava como goleiro e por vezes, como atacante.

Campos era conhecido por participar de jogadas assim como os jogadores de linha, além de marcar gols, bem como efetuar assistências para os companheiros de equipe, e também cobrava faltas e pênaltis. Também é lembrado por atuar usando uniformes espalhafatosos e ter uma altura relativamente muito baixa (1,73 m) para um goleiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Campos iniciou a carreira em 1988, no UNAM Pumas, onde atuaria até 1995. No começo, o titular era Adolfo Ríos, e El Brody foi escalado como atacante. A improvisação deu certo: na primeira temporada, marcou 14 gols e chegou a brigar pela artilharia. Com a saída de Ríos, Campos tornou-se o novo titular do gol dos Felinos. Em oito anos no Pumas, foram 183 partidas e 31 gols marcados.

Em 1995, foi para o Atlante, onde jogou por uma temporada, marcando um gol em 38 jogos. Este gol acabou sendo marcante para Campos: como o ataque dos Potros de Hierro não rendia o esperado, o goleiro foi deslocado para o ataque e Félix Fernández, seu reserva imediato, entrou em seu lugar. A mudança surtiu efeito: Campos marcou um belo gol de bicicleta, um dos mais marcantes em sua carreira.

No ano seguinte, assinou com o Los Angeles Galaxy, da então nascente Major League Soccer. Após uma temporada no Galaxy, voltou ao México para defender o Cruz Azul, jogando uma única partida.

Em 1998, retornou aos Estados Unidos para atuar no Chicago Fire, tendo participado de oito jogos. Voltaria ao Pumas no mesmo ano, quebrando o jejum de gols que durava dois anos. Entre 1999 e 2002, jogou por Tigres UANL (1999-2000, 17 jogos), novamente Pumas (2000-2001, 33 jogos) e uma segunda passagem pelo Atlante (2001–2002, 26 partidas).

Campos encerrou sua carreira no começo de 2004, após duas temporadas no Puebla, onde esteve presente em 28 partidas.

Seleção[editar | editar código-fonte]

Campos disputou 130 partidas pela Seleção Mexicana de Futebol entre 1991 e 2004, não marcando nenhum gol.

Foi titular nas Copas de 1994 e 1998. Em 2002, aos 35 anos, o técnico Javier Aguirre preteriu o veterano e colocou Óscar Pérez Rojas em seu lugar. A despedida de El Brody da Seleção Mexicana foi também em 2004, em um amistoso contra o Tecos.

Além das Copas de 1994, 1998 e 2002, o goleiro esteve presente em três edições da Copa América (1993, como vice-campeão, 1995 e 1999, ficou com o terceiro lugar), em duas edições da Copa Ouro da CONCACAF (1993 e 1996, sendo campeão em ambas), na Copa Rei Fahd de 1995 (nome antigo da Copa das Confederações), na mesma edição, em 1999 (já com o novo nome, saindo com o título) e nas Olimpíadas de Atlanta, em 1996.

Após a aposentadoria[editar | editar código-fonte]

No mesmo ano de sua aposentadoria como jogador, Campos foi escolhido para ser auxiliar-técnico de Ricardo La Volpe na Seleção Mexicana, função que desempenhou até a Copa de 2006.

Hoje, é dono da Sportortas-Campos, uma franquia de fast-food, e também exerce função de comentarista na TV Azteca.

Homenagem em desenho animado[editar | editar código-fonte]

Campos foi homenageado no desenho animado "Captain Tsubasa" (Super-Campeões no Brasil) com um personagem batizado de Ricardo Espadas, que também atuava como goleiro e era o capitão da Seleção Mexicana.

Equipes[editar | editar código-fonte]

Títulos[editar | editar código-fonte]

México Seleção Mexicana de Futebol

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bandeira de MéxicoSoccer icon Este artigo sobre futebolistas mexicanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.