Jorge Fernando (fadista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Fernando em De Meervaart em Amesterdão

Jorge Fernando é um músico e produtor português. É um dos compositores mais cantados da música portuguesa [1]. É autor de canções como "Boa noite solidão", "Búzios", "Quem vem ao fado" ou "Chuva".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jorge Fernando da Silva Nunes nasceu em Lisboa no dia 8 de Março de 1957.

Com quatro anos já acompanhava o avô a cantar fado [o marido da Ti Preciosa chegou a acompanhar Amália]] nas noites de Lisboa. Mas foi com 16 anos que teve a sua primeira experiência a sério, quando trabalhou com Fernando Maurício, considerado o "rei" do fado. Aí deixou definitivamente para trás a sua carreira de futebolista, onde chegou a internacional júnior. Jogou no "1º maio de Sarilhos" de onde saíram nomes como José Carlos, Diamantino ou Manuel Fernandes.

Formou o seu primeiro grupo de baile aos 13 anos. Estava a ensaiar numa garagem (chegou a fazer parte do grupo Futuro) e disseram-lhe que estava lá perto o cantor Fernando Maurício. Quis conhecê-lo e mal o ouviu foi paixão absoluta. Passado pouco tempo estava a tocar para ele.

Com 19 anos conheceu Alcino Frazão, um dos maiores guitarristas da história do fado, e começou a tocar com ele. Um ano depois já fazia parte do grupo de Amália Rodrigues depois de ter substituído Alcino Frazão numa actuação com o Carlos Gonçalves e ele o ter convidado para tocar com Amália.

Grava alguns singles para a editora Rádio Triunfo. Singles como "Trigueirinha" e "Se Me Pedisses Desculpa". Em 1982 participa no álbum "Fado!" de Nuno da Câmara Pereira. Lança o single "A Minha Rua" ainda para a Rádio Triunfo. Muda para a editora Valentim de Carvalho.

Concorreu ao Festival RTP da Canção com "Rosas Brancas Para O Meu Amor" em 1983. Apesar da fraca classificação foi dos temas com mais exposição pública. Toca e escreve três músicas no álbum "Sonho Menino" de Nuno da Câmara Pereira.

Em 1984 lança novo single a solo com "Fiz-me Vagabundo". Com "Umbadá" regressa ao Festival RTP da Canção de 1985. Participa também no Festival da OTI de 1985 com "Um Ano Depois".

Em 1986 é editado o seu primeiro LP, "Enamorado" que inclui temas como "Mulata" e "Lua Feiticeira Nua". Em 1988 lança o álbum "Coisas da Vida". A Rádio Comercial, por votação do público, atribui-lhe o Prémio Popularidade.

Em 1989 lançou o seu primeiro disco de fados, "Boa Noite Solidão", onde colaboraram Fernando Maurício, Maria da Fé e José Manuel Barreto. O disco inclui os temas "Quem Vai Ao Fado", "Senhora Minha", "Pode Ser Saudade", "Trigueirinha”, "Pátria", "Lágrima", "A Voz", "Mais Perto De Mim", "Maria da Vila", "A Hora do Profeta" e "Boa Noite Solidão".

Participa no Festival RTP da Canção de 1990 com "Via Área". O disco "À Tua Porta" é editado em 1991. Produz os discos "Notas Sobre a Alma" de Paulo Bragança e "Notas à Guitarra" de António Pinto Basto.

"Oxála" é editado em 1993. O disco é bastante elogiado pela critica. Em 1997 lança o disco "Terra d'Água".

O álbum "Rumo Ao Sul" é editado em 1999. Em Maio de 2000 comemora os 25 anos de carreira com um concerto no Tivoli. Em 2000 foi editado o disco "Inéditos", gravado ao vivo no Teatro Tivoli.

Em 2001 é lançado o livro+disco "Terras do Risco", projecto do pianista italiano Arrigo Cappelletti com poemas de Fernando Pessoa, Mário Sá-Carneiro e Eugénio de Andrade. Os outros colaboradores são o bandoneonista Daniel di Bonaventura, o guitarrista Flavio Minardo, o violoncelista Davide Zacharia, Custódio Castelo, na guitarra portuguesa e a cantora Alexandra.

Lança em 2002 o disco "Velho Fado". Em 2003, a cidade italiana de Recanati homenageou-o em reconhecimento do seu talento como cantautor, produtor, instrumentista e impulsionador de novos talentos (Academia de Marco Poeta).

Em Janeiro de 2004 é o director musical do espectáculo "Boa Noite Solidão" de homenagem a Fernando Maurício. Participa ainda no disco "A Tribute To Amalia Rodrigues"

No disco "Memória e Fado" apresenta alguns duetos e colaborações curiosas (Lucio Dalla, Ana Moura, Toninho Horta, Egberto Gismonti). Gravado em Portugal e no Brasil, o disco contém ainda quatro versões. O maior destaque é um excerto de uma actuação ao vivo de Amália Rodrigues, gravado em 1994, com o tema "Vida".

Em Outubro de 2005 comemorou os 30 anos de carreira com um concerto no Fórum Lisboa, que contou com a participação de Argentina Santos e Celeste Rodrigues.

Colabora com o rapper Sam The Kid com quem actua nas Festas de Lisboa de 2008. Além da banda de Sam the Kid, em palco estiveram Custódio Castelo (guitarra portuguesa) e Filipe Larsen (viola baixo).

O disco "Vida", com participações de Sam the Kid e Ana Moura, é editado em 2009. O disco, que esteve para se intitular "Fados de Amor e Raiva", abre e fecha com a música "Vida", primeiro cantada em parceria com Fábia Rebordão e no final com Amália Rodrigues (numa gravação feita em casa da falecida fadista em 1996).

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Enamorado (LP, EMI, 1986)
  • Coisas da Vida (LP, EMI, 1988)
  • Boa Noite Solidão (LP, Polygram, 1989)
  • À Tua Porta (LP, Polygram, 1991)
  • Oxála (LP, Polygram, 1993)
  • Terra d'Água (LP, Movieplay, 1997)
  • Rumo ao Sul (LP, Movieplay, 1999)
  • Inéditos ao Vivo No Tivoli (CD, Popular/VC, 2000)
  • Velho Fado (CD, World Connection, 2002) 2003 (CNM)
  • Memória e Fado (CD, Som Livre, 2005)
  • Vida (CD, Farol, 2009)
  • Chamam-Lhe Fado (CD, 2012)
Compilações
  • Melhor dos Melhores
  • Umbadá - Colecção Caravelas - 1996 (EMI)
  • A Arte e A Música - 2004 (Universal)

Singles[editar | editar código-fonte]

  • Trigueirinha [2]
  • Maria Amada de Todos (Single, Alvorada/RT, 1979)[3]
  • Meu Irmão Fora da Lei (Single, Alvorada/RT, 1980) ALV 97-162
  • Se Me Pedisses Desculpa/Semente do amor (Single, Alvorada/RT, 1980) ALV 97-163
  • A Minha Rua/Aniversário (Single, Rádio Triunfo, 1982)
  • Rosas Brancas Para O Meu Amor/Ai Se Um dia (Single, VC, 1983)1VCS 1038
  • Fiz-me Vagabundo (Single, EMI, 1984)
  • Umbadá/Umbadá (instrumental) (Single, EMI, 1985)
  • Lua, Feiticeira Nua (Single, EMI, 1986)
  • Mulata/Amor Das Horas Vagas (Single, EMI, 1986)
  • Bandeira da Paz/São teus Olhos Quem O Diz (Single, Polygram, 1989 )
  • Há Sempre Alguém

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Estava a tocar no Embuçado, e um dia três jovens que estavam comovidos até às lágrimas chamaram-no. Eram o António Emiliano, o Pedro Ayres Magalhães e o Miguel Esteves Cardoso que o convidaram para a editora Fundação Atlântica. Só que entretanto a Valentim de Carvalho também o convidou e aceitou uma carreira a solo, que não correu como gostaria.

Acompanhou Amália à guitarra durante seis anos.

No seu trabalho como produtor assinou entre outros, trabalhos para Rodrigo, José da Câmara, António Pinto Basto, o álbum "Fado em Mim" de Mariza e Ana Moura.

Participou no álbum "Na Linha da Vida" de Camané.

O álbum "Memória e fado" inclui uma gravação, datada de 1994, com Amália Rodrigues, onde interpreta o tema "Vida": "Numa noite, na sua casa no Brejão (Odemira), como muitas outras de tertúlia, música e poesia, calhou gravarmos", explicou à Lusa.

O estudioso de fado Luís de Castro disse à Lusa que, "não cantando o fado tradicional, Jorge Fernando é sem dúvida um dos maiores fadistas". Referenciou ainda o seu papel como acompanhador, compositor e poeta: "Na área da poesia, Jorge Fernando trouxe novas imagens de grande lirismo para o fado e compôs música de um modo muito próprio". "Aos 16 anos compôs +Boa noite solidão+ para Fernando Maurício que ainda hoje é uma referência no fado", salientou Luís de Castro. O investigador referiu ainda o seu papel como acompanhante, ao lado de Amália Rodrigues, sendo guitarrista Carlos Gonçalves.Foi aliás Gonçalves "quem notou o ainda muito jovem Jorge Fernando, a tocar no restaurante Senhora das Preces, em Cascais, e o apresentou à fadista".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]