Jorge Jardim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jorge Pereira Jardim GOCGOI (Lisboa, 13 de Novembro de 19191 de Dezembro de 1982) foi um engenheiro agrónomo português, Secretário de Estado de Oliveira Salazar, que operou em Moçambique, como empresário.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi amigo pessoal de Ian Smith, primeiro-ministro da Rodésia (hoje Zimbabwe), e do presidente Hastings Kamuzu Banda, do Malawi. Ainda antes do 25 de Abril de 1974, tentou pela via diplomática resolver a independência de Moçambique, apresentando o seu "Plano de Lusaka", posteriormente substituído pelo Acordo de Lusaka, a seguir a conversações entre o governo português e a Frelimo, movimento que lutava pela independência[1] .

Originalmente, o Plano de Lusaka previa a independência de Moçambique sem a entrega unilateral do poder à Frelimo. Joaquim Chissano, na altura responsável pelos serviços de segurança da Frelimo, soube em Lusaka dos planos de Jardim. Contudo, desconfiava que este estivesse envolvido nos massacres de Wiriamu: Jardim visitara o local para se aperceber da dimensão da tragédia e julga-se que terá sido precisamente devido a posterior contacto com Marcello Caetano que este, na posse de informações de Jardim, terá dado fim à carreira do general Kaúlza de Arriaga, comandante militar das forças coloniais em Moçambique.[carece de fontes?]

A 15 de Abril de 1952 foi feito Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo e a 26 de Junho de 1962 foi feito Grande-Oficial da Ordem do Império.[2]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Como defender-se dum ataque aéreo : instruções à população. (co-autor), 1937.
  • A agricultura meio educativo. 1942.
  • Apontamento sobre o Ultramar : comentários sobre o Parecer relativo às Contas Gerais do Estado de 1954. Imp. Nacional, 1956.
  • Comentário ao II Plano de Fomento. Lisboa, 1958.
  • Para servir Moçambique. Lisboa, 1959.
  • Moçambique : terra queimada. Lisboa, Intervenção, 1976.
  • Rodésia, o escândalo das sanções. Lisboa, Intervenção, 1978.[3]
  • Sanctions double-cross. Oil to Rhodesia. Bulawayo, Books of Rhodesia, 1979.
  • O programa de Lusaca e a descolonização. (co-autor).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jorge Jardim: agente secreto. José Freire Antunes. Bertrand Editora, 1996.

Referências

  1. Fac-simile do livro "Moçambique Terra Queimada"
  2. http://www.ordens.presidencia.pt/
  3. Jardim, Jorge, 1919-1982 Biblioteca Nacional de Portugal. Página visitada em 13 de agosto de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.