Jorge Vercilo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Vercillo
Jorge Vercillo em 2012 numa solenidade em Brasília
Informação geral
Nome completo Jorge Luiz Sant´anna Vercillo
Nascimento 11 de outubro de 1968 (45 anos)
Origem Rio de Janeiro, RJ
País  Brasil
Gênero(s) Aor
Pop
Rock and roll
Soul
Instrumento(s) Violão, guitarra
Período em atividade 1989 - presente
Gravadora(s) Independente
Afiliação(ões) Ana Carolina
Flávio Venturini
Djavan
Dudu Falcão
Zeppa
Jota Maranhão
Página oficial www.jorgevercillo.com.br

Jorge Luiz Sant´anna Vercillo (recentemente, adotou seu sobrenome original, incorporando mais um “L”) (Rio de Janeiro, 11 de outubro de 1968) é um cantor, violonista e compositor brasileiro. Com mais de 1,5 milhão de CDs e DVDs vendidos em mais de 15 anos de carreira, Jorge Vercillo é hoje um requisitado compositor. Até o momento, Vercillo lançou 10 CDs inéditos e 5 DVDs, tendo conquistado 1 Disco de Platina, 3 Discos de Ouro e 5 indicações ao Grammy Latino (2007, 2009, 2010 e 2013). Suas canções já foram gravadas tanto por novos expoentes, quanto por grandes nomes da música brasileira, como Ana Carolina, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Buchecha, Leila Pinheiro, Luiza Possi, Danilo Caymmi, Pedro Mariano, Jorge Aragão, Peri Ribeiro, dentre outros.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É formado em jornalismo mas nunca chegou a exercer a profissão. Começou na música por incentivo de sua tia Lêda Barbosa aos 16 anos[1] , depois de "desviado" dos treinos de futebol no Flamengo, por uma fita cassete contendo músicas de Djavan. Iniciou sua carreira artística aos dezesseis anos de idade, tocando em bares e em 1989 no Festival Internacional de Trovadores (INTROVESTCUR), em Curaçau, alcançou o primeiro lugar com a canção "Alegre", de sua autoria, recebendo também o prêmio de melhor intérprete.[1] Jorge Vercillo nasceu em 11 de outubro de 1968, no Rio de Janeiro. Começou a se apresentar em bares cariocas ainda jovem, aos 15 anos de idade. Por incentivo de sua tia, Lêda Barbosa, foi se afastando dos treinos de futebol no Flamengo, onde já mostrava habilidade. Enquanto se apresentava na noite carioca, participou de vários festivais de música pelo país. Em 1989 e 1990, representou o Brasil no Festival Internacional de Curaçao, no qual venceu pelos dois anos consecutivos. Em 1989, com a canção “Alegre”, de sua autoria, e, no ano seguinte, com a canção “No bay”, no idioma nativo.

Em 1993, tem a chance de gravar seu disco de estréia, "Encontro das águas" (Continental), produzido por Renato Corrêa. O álbum foi bem recebido e duas canções do repertório se tornam sucessos nas rádios do todo o país: "Encontro das águas", que fez parte da trilha da novela Mulheres de Areia, e "Praia Nua", da novela Tropicaliente, ambas da TV Globo. Embalado pela boa repercussão de seu disco de estréia, Jorge Vercillo lança o CD "Em tudo que é belo" (Continental), em 1996, trazendo experimentos e fusões com a world music. Com esse disco, foi indicado para o Prêmio Sharp 1997 na categoria Melhor Cantor Pop. Em 1998, se desliga da gravadora Continental e lança, de forma independente, o CD Leve (1999). O disco traz "Final Feliz", música de sua autoria, gravada em duo com Djavan. A canção teve repercussão imediata nas rádios de todo o país e ganha uma releitura nas vozes de Caetano Veloso e Alexandre Pires, gravada no DVD ao vivo do grupo Só pra Contrariar. O sucesso de "Final Feliz" se estende ao longo do ano de 2000. E levou o cantor e compositor a subir ao palco do Canecão, RJ, também de forma independente. A repercussão de uma única apresentação numa casa de espetáculos lotada chamou a atenção de vários executivos de gravadoras multinacionais. Ainda em 2000, Jorge Vercillo assina com a sua atual gravadora, a EMI Music, que relança o álbum Leve, no final do mesmo ano. O disco rendeu ainda os sucessos “Leve”, “Avesso” e “Em órbita”.

Em 2002, Jorge Vercillo lança Elo, álbum que vende mais de 300 mil cópias num momento delicado para a indústria fonográfica. O disco traz novos sucessos para o compositor, como “Que nem maré” (música mais executada nas rádios de todo o país naquele ano), “Homem-aranha” (um dos maiores sucessos da carreira do compositor) e “Fênix”. Esta última, criada em parceria com Flávio Venturini, foi tema da minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, da TV Globo. Ainda no repertório desse disco, a canção “O reino das águas claras”, é tema da nova versão do programa infantil “Sítio do Pica-Pau Amarelo”. No ano de 2003, mais uma canção do músico ocupa as primeiras posições nas rádios de todo o país. "Encontro das Águas", gravada em duo com Jorge Aragão, faz parte do CD e DVD "Jorge Aragão Convida - Ao Vivo". No final do mesmo ano, Jorge Vercillo lança seu quinto trabalho autoral, o CD e DVD Livre, que tem em seu repertório a canção Monalisa, mais um sucesso nas rádios de todo o país. Em 2004, ao lado de outros grandes nomes da música popular brasileira, Vercillo esteve presente na gravação do hino do projeto "Fome Zero". Nesse ano, participa também dos DVDs ao vivo de Ivan Lins (Guarde nos Olhos) e Pepeu Gomes (Deusa do Amor), e conhece Marcos Valle, com quem vem a compor a música “Pela ciclovia”, sucesso na voz de Leila Pinheiro. O ano de 2005 traz Signo de Ar, CD que inaugura novas parcerias de Jorge Vercillo com nomes como Ana Carolina, Nico Rezende, Torquato Mariano e Dudu Falcão. Este último, parceiro na música “Ciclo”, tema da novela “A Lua me Disse”, da TV Globo.

Em 2006, recebeu o Prêmio Tim na categoria de Melhor Cantor pelo Voto Popular. No mesmo ano, lançou seu primeiro DVD, Jorge Vercilo Ao Vivo. O projeto, uma coletânea de seus grandes sucessos, conta também com as participações especiais dos parceiros Ana Carolina, Marcos Valle e Leila Pinheiro. Em 2007, Jorge Vercillo, mais uma vez, recebe o Prêmio TIM na categoria de Melhor Cantor pelo Voto Popular. No mesmo ano, participa de "Coisa de Jorge", CD e DVD lançados pela EMI Music em show homenagem a São Jorge, que reuniu os “Jorges” Vercillo, Benjor, Mautner e Aragão, no dia 23 de abril, na Praia de Copacabana. Dentre as músicas inéditas do projeto, a canção “Líder dos templários” (composta por Jorge Vercillo, Jorge Benjor e Jorge Aragão), um canto de fé ao santo devoto, foi sucesso nas rádios. Todos Nós Somos Um, foi lançado em novembro de 2007. O sétimo trabalho de inéditas de Jorge Vercillo tem ótima repercussão da crítica especializada. O álbum, que marca uma renovação na proposta musical do artista, traz os já conhecidos desenhos melódicos de Vercillo, desta vez mais próximos do universo musical brasileiro, em ritmos como samba, xote, toada, bossa nova. O disco traz importantes parcerias do compositor com Fátima Guedes, Marcos Valle, Paulo César Feital, entre outros. Escolhida como o primeiro single do álbum, a canção “Ela une todas as coisas” (parceria com Jota Maranhão), foi sucesso nas rádios de todo o país. A música compôs a trilha sonora de “Duas Caras”, novela das 21h da TV Globo. Ainda do disco Todos Nós Somos Um, a balada “Deve ser” (Jorge Vercillo/Dudu Falcão) foi escalada para a trilha sonora do folhetim “Viver a vida”, de Manoel Carlos.

O CD e DVD “Trem da Minha Vida” foi lançado em março de 2009 pela EMI Music. O projeto traz o registro ao vivo de duas noites de ingressos esgotados no Canecão, RJ (dias 31 de outubro e 1º de novembro de 2008), além de alguns dos sucessos da carreira do artista. No final de 2009, o cantor se desliga amigavelmente da EMI Music. E em janeiro de 2010 assina contrato com a Sony Music/Day 1, que lança em abril do mesmo ano “D.N.A”, o oitavo disco de inéditas de Vercillo. O álbum teve como primeiro single a canção “Me transformo em luar”, que recentemente ganhou uma versão em espanhol, criada pelo cantor e compositor argentino Pedro Aznar e a balada assinada em parceria com Dudu Falcão, “Deve ser”, integrou a trilha sonora da novela “Viver a vida”, de Manoel Carlos, da TV Globo. No Cd, também se destacaram musicas como “Arco-Íris”, sucesso nas rádios de todo o Brasil e “Há de ser”, que traz a participação especial de Milton Nascimento. A turnê do álbum “D.N.A.” passou por todo Brasil e foi encerrada no dia 2 de julho de 2011 no palco do Vivo Rio, no Rio de Janeiro. Na ocasião, Jorge já produzia o seu nono álbum de inéditas “Como Diria Blavatsky”.

Com o novo CD, que chegou às lojas em outubro de 2011, Vercillo inicia uma nova fase na carreira, ao lançar o disco pelo seu próprio selo, Leve, com distribuição da Posto 9 Música/MicroService. “Sensível Demais”, música que faz sucesso nas rádios de todos Brasil e está em 1o lugar no Rio de Janeiro, é uma canção de amor inédita na voz do cantor. De autoria de Vercillo, “Sensível Demais” foi lançada pela dupla Chrystian & Ralf em 1998 e regravada por Maria Bethânia em 2005. “Memória do Prazer”, primeira música composta em parceria com a sua mulher Gabriela Vercillo, integra a trilha sonora da novela Fina Estampa, da TV Globo. A canção, que tem a participação especial de Ninah Jo e faz parte do repertório do CD DNA, entrou como bônus no novo álbum. O cantor e compositor foi escolhido para cantar na abertura do Brazil Festival, que aconteceu em Amsterdam durante os meses de outubro e novembro de 2011. Vercillo se apresentou no dia 3 de outubro de 2011, dando início ao megaevento que vai celebrar a cultura brasileira na cidade holandesa. Jorge Vercillo estreou sua nova turnê Como Diria Blavatsky, no Rio de Janeiro, dia 29 de outubro de 2011, no Citibank Hall e seguiu em turnê por todo o pais.

Na sua primeira turnê européia, que ocorreu em 2012, apresentou-se nas seguintes casas de show Dingwalls (Londres), Pizza Express Live Jazz (Londres), TMN Hall (Lisboa), Mr. Pickwik (Genebra), Teatro Rivoli (Porto) e New Morning (Paris). Esta passagem pelo velho continente foi do dia 15 ao 24 de maio daquele ano.

Em 2013, o artista novamente concorre ao prêmio de MEJOR ÁLBUM MÚSICA POPULAR BRASILEÑA (Melhor Álbum MPB) com Luar de Sol no Grammy Latino.

Programa Compositores Unidos[editar | editar código-fonte]

O artista iniciou no dia 05 de janeiro de 2013 um projeto em parceria com Dudu Falcão e o Canal Brasil intitulado Compositores Unidos.

Gravado na casa do cantor e compositor Jorge Vercillo, idealizador do projeto ao lado de Dudu Falcão, a série apresenta oito encontros, no estilo sarau, de um grupo de músicos que se une para trocar ideias e cantar. A produção do Canal Brasil tem parceria com a B2 Produções e direção de Darcy Burger.

Cada programa traz uma respeitada seleção de convidados: Roberto Menescal,Chiara Civello,[2] Angela Ro Ro, Verônica Sabino, Jorge Aragão, Flávio Venturini, Leny Andrade, Altay Veloso, Fatima Guedes, Gabriel Moura, Max Viana, Totonho Villeroy, Nina Jo, Claudio Cartier, Nico Rezende, Luiza Possi, Ive, dentre outros, marcam presença na atração.

El Guión, composta e interpretada por Villeroy, é a canção de abertura.

Para o repertório, foram selecionadas, dentre outras, Nada a Perder, de Lenine e Dudu Falcão; O Barquinho, clássico de Menescal e Ronaldo Bôscoli; Como Diria Blavatsky, de Jorge Vercillo; Todo Sentimento, fruto da parceria de Cristovão Bastos e Chico Buarque; Condenados, de Fatima Guedes; Além de Mim, criada por Jorge Aragão e Nilton Barros; e Noites com Sol, de Flávio Venturini e Murilo Antunes.

Discografia[editar | editar código-fonte]

DVDs

Referências

  1. a b Pop / Rock Nacional - Jorge Vercilo. jovempanfm. Página visitada em 22 de abril de 2011.
  2. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]