Jorge Voiteh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jorge Voiteh (em búlgaro: Георги Войтех - Georgi Voiteh; m. 1072) foi um aristocrata búlgaro de Escópia (Skopje) que organizou uma grande revolta contra o domínio bizantino na Bulgária. Ele era de uma família que detinha o status de kavhan (o segundo maior na corte búlgara, depois do imperador).

História[editar | editar código-fonte]

Em 1071, Jorge Voiteh liderou os búlgaros, descontentes com a ocupação bizantina, numa revolta contra seus mestres. De acordo com a tradição búlgara, apenas um descendente da família real poderia ser coroado tsar. Como Voiteh, apesar de membro da alta nobreza, não tinha sangue real, os conspiradores se voltaram para o príncipe de Zeta e pediram que ele lhes enviasse seu filho, Constantino Bodin, para que ele recebesse a coroa. Bodin descendia da dinastia Cometopuli pelo lado de sua mãe.

Em 1072, em Prizren, Bodin foi coroado tsar da Bulgária e assumiu o nome de "Pedro III", seguindo ao santo Pedro I e ao rebelde Pedro II Delian. Os rebeldes tomaram Escópia, a capital do Thema da Bulgária, onde Jorge Voiteh permaneceu como governador enquanto Pedro III marchou para Naísso. Ele conseguiu tomar a cidade, mas, enquanto isso, Escópia foi cercada por um grande exército bizantino. Voiteh, que acreditava não ter condições de resistir um longo cerco e que não receberia ajuda de Pedro, abriu negociações com o general bizantino Miguel Saronita e se rendeu. Depois disso, ele se arrependeu de sua covardia e enviou uma mensagem secreta para o imperador na qual ele sugere que ele deveria atacar Escópia enquanto os bizantinos estavam despreparados. O imperador partiu para lá, mas foi emboscado e derrotado, o que pôs fim à revolta.

Jorge Voiteh morreu à caminho de Constantinopla no mesmo ano.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • „История на българската държава през средните векове. Том II. България под византийско владичество (1018—1187)“ - Vasil Zlatarski (I изд. София 1934; II фототипно изд., Наука и изкуство, София 1972, под ред. на Димитър Ангелов)