José Barata-Moura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde abril de 2014)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

José Adriano Rodrigues Barata-Moura (Lisboa, 26 de Junho de 1948) é um filósofo e cantor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fez os estudos pré-universitários em França e obteve na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a licenciatura (1970) e o doutoramento (1980) em Filosofia. Reitor da Universidade de Lisboa, entre 1998 e 2006, é professor catedrático da respectiva Faculdade de Letras, desde 1986, onde foi também presidente do Conselho Directivo, de 1981 a 1982. Membro de várias sociedades científicas, foi presidente da Internationale Gesellschaft für dialektische Philosophie, de 1996 a 2000. É membro do Conselho de Administração do Portal Universia Portugal, desde 2002. Foi eleito membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa (Classe de Letras), em 2008.

Barata-Moura deu-se a conhecer também como cantor de intervenção. Em 1970 cantou pela primeira vez na televisão, no programa Zip-Zip, apresentando a música Ballade du Bidonville, cuja tradução foi interdita pela censura. Popularizou-se como cantor infantil, sendo autor de músicas célebres como Joana come a papa, Olha a bola Manel e o Fungágá da Bicharada.

É militante do Partido Comunista Português, tendo sido mandatário nacional da candidatura presidencial de Francisco Lopes, em 2011.

Livros Publicados[editar | editar código-fonte]

  • Kant e o conceito de Filosofia, Lisboa, Sampedro, 1972.
  • Da redução das causas em Aristóteles, Lisboa, FUL, 1973.
  • Estética da canção política, Lisboa, Horizonte, 1977.
  • Totalidade e contradição, Lisboa, Horizonte, 1977.
  • Ideologia e Prática, Lisboa, Caminho, 1978.
  • EPISTEME. Perspectivas gregas sobre o saber. Heraclito-Platão-Aristóteles, Lisboa, ed. de autor (distrib. Cosmos), 1979.
  • Para uma crítica da "Filosofia dos valores", Lisboa, Horizonte, 1982.
  • Da representação à "práxis", Lisboa, Caminho, 1986.
  • Ontologias da "práxis", e idealismos, Lisboa, Caminho, 1986.
  • A "realização da razão" - um programa hegeliano?, Lisboa, Caminho, 1990.
  • Marx e a crítica da "Escola Histórica do Direito", Lisboa, Caminho, 1994.
  • Prática, Lisboa, Colibri, 1994.
  • Materialismo e subjectividade, Lisboa, Avante, 1998.
  • Estudos de Filosofia Portuguesa, Lisboa, Caminho, 1999.
  • O Outro Kant, Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007.
  • Estudos sobre a Ontologia de Hegel. Ser, Verdade, Contradição, Edições «Avante!», Lisboa, 2010.
  • Sobre Lénine e a Filosofia. A Reivindicação de uma Ontologia Materialista Dialéctica com Projecto, Edições «Avante!», Lisboa, 2010.

Discografia[editar | editar código-fonte]

(incompleta)

  • Vamos Brincar à Caridadezinha, LP, 1977
  • Balada do Bidonville, Single
  • Olha a Bola Manel, EP
  • Canções Infantis (Os Números, As Cores, As Notas, As Letras)
  • Fungagá da Bicharada
  • A Charanga do Zé
  • A Mudança do Macaco Zacarias
  • Joana Come a Papa "Colecção de Maravilhas", edição da Strauss de 1993 - Colectânea com algumas músicas de discos anteriores.
  • Obra Infantil Completa de José Barata Moura, 4 CD's, 2005


Precedido por
Virgílio Meira Soares
Reitor da Universidade de Lisboa
1998 - 2006
Sucedido por
António Sampaio da Nóvoa