José Elito Carvalho Siqueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde janeiro de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
José Elito Carvalho Siqueira
Foto:Roberto Stuckert Filho/PR
Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do  Brasil
Mandato 1º de janeiro de 2011
até atualidade
Presidente Dilma Rousseff
Vida
Nascimento 26 de novembro de 1946 (67 anos)
Aracaju, Sergipe
Dados pessoais
Profissão General do Exército.gif
General-de-exército
linkWP:PPO#Brasil

José Elito Carvalho Siqueira (Aracaju, 26 de novembro de 1946) é um general-de-exército brasileiro, atual ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduou-se aspirante-a-oficial de infantaria em 1969, na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e exerceu inúmeras funções de destaque, dentre elas a de Comandante Militar da Minustah e a de Comandante Militar do Sul.

Foi promovido ao posto atual em 31 de julho de 2007 e escolhido ministro de Estado chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República pela presidente-eleita Dilma Rousseff em 21 de dezembro de 2010.

Ao tomar posse como novo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, manifestou-se contrário à criação de uma Comissão da Verdade, para apurar violações de direitos humanos ocorridos durante o regime militar, alegando que não se deveria ficar "vendo situações do passado". Também declarou que "se hoje nossos filhos e netos forem estudar em uma escola vai estar lá o 31 de março como um fato histórico. Temos que ver o 31 de março como um dado histórico para a nação, seja com prós e contras, mas como um dado histórico. Da mesma forma os desaparecidos".[1]

Em entrevista, disse que a existência de desaparecidos políticos não é vergonha para o país. Dilma Rousseff, que foi torturada durante a ditadura militar, repreendeu o general, que então teria se desculpado, alegando que fora mal interpretado em suas declarações à imprensa. [2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jorge Armando Felix
Ministro de Segurança Institucional do Brasil
2011 - atualidade
Sucedido por
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.