José Elito Carvalho Siqueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde janeiro de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
José Elito Carvalho Siqueira
Foto:Roberto Stuckert Filho/PR
Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do  Brasil
Período 1 de janeiro de 2011
até atualidade
Presidente Dilma Rousseff
Vida
Nascimento 26 de novembro de 1946 (68 anos)
Aracaju, Sergipe
Dados pessoais
Profissão General do Exército.gif
General-de-exército
linkWP:PPO#Brasil

José Elito Carvalho Siqueira (Aracaju, 26 de novembro de 1946) é um general-de-exército brasileiro, atual ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduou-se aspirante-a-oficial de infantaria em 1969, na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e exerceu inúmeras funções de destaque, dentre elas a de Comandante Militar da Minustah e a de Comandante Militar do Sul, que exerceu entre 15 de agosto de 2007 e 28 de novembro de 2008.[1]

Foi promovido ao posto atual em 31 de julho de 2007 e escolhido ministro de estado chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República pela presidente-eleita Dilma Rousseff em 21 de dezembro de 2010.

Ao tomar posse como novo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, manifestou-se contrário à criação de uma Comissão da Verdade, para apurar violações de direitos humanos ocorridos durante o regime militar, alegando que não se deveria ficar "vendo situações do passado". Também declarou que "se hoje nossos filhos e netos forem estudar em uma escola vai estar lá o 31 de março como um fato histórico. Temos que ver o 31 de março como um dado histórico para a nação, seja com prós e contras, mas como um dado histórico. Da mesma forma os desaparecidos".[1]

Em entrevista, disse que a existência de desaparecidos políticos não é vergonha para o país. Dilma Rousseff, que foi torturada durante a ditadura militar, repreendeu o general, que então teria se desculpado, alegando que fora mal interpretado em suas declarações à imprensa. [2]

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República[editar | editar código-fonte]

Em 31 de dezembro de 2014 foi confirmado seu nome para continuar como ministro de Segurança Institucional.[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Jorge Armando Felix
Ministro de Segurança Institucional do Brasil
2011 - atualidade
Sucedido por


Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.