José Lezama Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Lezama Lima

José Lezama Lima (Havana, 19 de Dezembro de 1910 – Havana, 8 de Agosto de 1976) foi um romancista, ensaísta e poeta cubano, considerado uma das figuras mais influentes da literatura latino-americana. [1]

Nascido no Quartel Militar de Columbia, perto de Havana, na cidade de Marianao, onde o seu pai era coronel, Lezama viveu os tempos mais turbulentos da história de Cuba, lutando contra a ditadura de Machado, e mais tarde, sofrendo discriminação durante o regime de Fidel Castro, devido a suas preferências homossexuais. A sua obra literária inclui o romance barroco, semiautobiográfico, Paradiso, de (1966), a história de um jovem e das suas lutas contra misteriosas doenças, contra a morte do seu pai, e as suas sensibilidades homossexuais e poéticas em desenvolvimento. Lezama LIma coligiu ainda várias antologias de poesia cubana e colaborou nas revistas Verbum e Orígenes, sendo considerado o patriarca das Letras Cubanas ma maior parte dos seus últimos anos. [1]

Embora tenha deixado Cuba em pelo menos duas ocasiões (uma viagem à Jamaica e uma possível viagem ao México), a poesia de Lezama Lima, os seus ensaios e dois dos seus romances inspiraram-se em imagens e ideias de diversas culturas e períodos históricos. O estilo barroco que ele desenvolveu baseava-se em partes iguais na sua sintaxe influenciada por Góngora e por uma constelação assombrosa de imagens invulgares. O primeiro livro publicado de Lezama Lima, um longo poema intitulado "Muerte de Narciso", foi publicado quando ele tinha apenas vinte e sete anos, tornando-o instantaneamente famoso em Cuba e instituiu o estilo de Lezama e os seus temas clássicos.

Para além dos seus poemas e romances, Lezama Lima escreveu diversos ensaios sobre figuras da literatura mundial como Mallarmé, Paul Valéry, Góngora e Rimbaud, bem como sobre a estética barroca Latino-Americana. Muito notável são também os seus ensaios publicados como La –expresión americana, descrevendo a sua visão do barroco europeu, a sua relação com os clássicos, e com o barroco Americano.

José Lezama Lima morreu em 1976 e foi enterrado no Cemitério Colon, em Havana. Foi muito influente para os escritores cubanos e porto-riquenhos da sua geração, como Virgilio Piñera, Reinaldo Arenas, René Marqués e Giannina Braschi, que representaram a sua vida nas suas obras.

A sua obra[editar | editar código-fonte]

Sendo um poeta hermético por instinto e por excesso expressivo, Lezama Lima procura a revelação do mistério da poesia. Foi um poeta religioso que, como São João da Cruz, faz prevalecer o sentir sobre o dizer. Lezama conseguiu devolver à poesia a sua essência, pois acabou por conseguir descer até à inutilidade da palavra usada e já desprovida de música. Estruturou um sistema poético do mundo sem se importar com a dificuldade que a sua leitura causava a todos os leitores: quis explicar o conhecimento do mundo desde a outra margem, do desconhecido, do ourro, e nesse percurso lograr o desvendar de um novo ser nascido da obscuridade: a poesia. José Lezama Lima criou um sistema para explicar o mundo através da metáfora e especialmente da imagem, que fica bem resumido pela sua famosa frase “la imagen es la realidad del mundo invisible” ("a imagem é a realidade do mundo invísivel").

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Muerte de Narciso. (poesia) 1937
  • Coloquio con Juan Ramón Jiménez. 1938
  • Enemigo Rumor. (poesia) 1941
  • Aventuras Sigilosas. (poema) 1945
  • La Fijeza (poesia). 1949
  • Arístides Fernández. (ensaio) 1950
  • Analecta del Reloj. (ensaios) 1953
  • La expresión americana. (ensaio) 1969
  • Tratados en La Habana. (ensaio) 1958
  • Dador. (poesia) 1960
  • Antología de la poesía cubana. 1965
  • Órbita de Lezama Lima. 1966
  • Paradiso. 1966
  • Los grandes todos. (antología)
  • Posible imagen de Lezama Lima. 1969
  • Esfera imagen. Sierpe de Don Luis de Góngora
  • Las imágenes posibles. (ensaio) 1970
  • Poesía Completa. 1970
  • La cantidad hechizada. (ensaio) 1970
  • Introducción a los vasos órficos 1971
  • Las eras imaginarias (ensaio) 1971
  • Obras completas. 1975
  • Oppiano Licario. romance inacabado, publicado postumamente em 1977
  • Fragmentos a su imán (poesia) 1978

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em inglês
  • From modernism to neobaroque: Joyce and Lezama Lima, César Augusto Salgado., 2001
  • Assimilation/generation/resurrection : contrapuntal readings in the poetry of José Lezama Lima, B. Heller., 1997
  • Secondary moderns : mimesis, history, and revolution in Lezama Lima's "American expression", B. Levinson., 1996
  • José Lezama Lima, poet of the image, Emilio Bejel., 1990
  • The American gnosis of José Lezama Lima, Rubén Ríos-Avila., 1990
  • José Lezama Lima's joyful vision : a study of Paradiso and other prose works, Gustavo Pellon., 1989
  • A theology of absence : the poetic system of José Lezama Lima, Rubén Ríos-Avila., 1986
  • The poetic fiction of José Lezama Lima, Raymond D Souza., 1983
Em espanhol
  • Las sagradas letras de Paradiso. Un estudio sobre el hermetismo de José Lezama Lima, Julieta leo., 2013
  • Antología para un sistema poético del mundo de José Lezama Lima, Iván González Cruz., 2004
  • Paradiso : la aventura mítica, Margarita Mateo Palmer., 2002
  • La posibilidad infinita : archivo de José Lezama Lima, Iván González Cruz., 2000
  • La escritura de lo posible : el sistema poético de José Lezama Lima, Remedios Mataix., 2000
  • Narciso hermético : Sor Juana Inés de la Cruz y José Lezama Lima, Aída Beaupied., 1997
  • El espejo y la palabra : Mann, Borges, Proust, Lezama Lima, Jaime Valdivieso., 1997
  • La imagen y el cuerpo : Lezama y Sarduy, Virgilio López Lemus., 1997
  • Recopilación de textos sobre José Lezama Lima, Pedro Simón., 1995
  • El primitivo implorante : el "sistema poético del mundo" de José Lezama Lima, Arnaldo Cruz., 1994
  • José Lezama Lima, poeta de la imagen, Emilio Bejel., 1994
  • La región olvidada de José Lezama Lima, Jorge Luis Llópiz., 1994
  • José Lezama Lima : bases y génesis de un sistema poético, Enrique Márquez., 1991
  • La cosmovisión poética de José Lezama Lima en Paradiso y Oppiano Licario, Alina Gingerich., 1990
  • José Lezama Lima, o, El hechizo de la búsqueda, Rita Molinero., 1989
  • Lezama Lima, Eugenio Suárez Galbán., 1987
  • Las eras imaginarias de Lezama Lima, Cesia Ziona Hirshbein., 1984
  • Coloquio Internacional sobre la Obra de José Lezama Lima / Université de Poitiers., 1984
  • Lezama Lima / Rafael Humberto Moreno-Durán., 1981
  • José Lezama Lima, textos críticos / Justo C Ulloa., 1979
  • Paradiso y el sistema poético de Lezama Lima / Margarita Junco Fazzolari., 1979
  • Poesía y conocimiento : Borges, Lezama Lima, Octavio Paz / Ramón Xirau., 1978
  • Una Familia Habanera por Eloisa Lezama-Lima (Ediciones Universal, 1998, ISBN 0-89729-862-4)

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]