José Manuel Coelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde março de 2010).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
José Manuel Coelho
José Manuel da Mata Vieira Coelho
Vida
Nascimento 22 de Julho de 1952 (62 anos)
Gaula, Santa Cruz, Madeira
Nacionalidade Portugal português
Progenitores Mãe: Isabel da Mata
Pai: José Vieira Coelho
Dados pessoais
Partido PTP
Profissão Político, operário da Construção Civil
Website coelhopresidente.wordpress.com

José Manuel da Mata Vieira Coelho (Gaula, Santa Cruz, Madeira, 22 de Julho de 1952) é um político. Foi deputado pelo PND à Assembleia Regional da Madeira.

Foi o candidato surpresa à Presidência da república nas presidenciais de 2011.[1] Nessa eleição, por assumir um voto de protesto e uma postura burlesca recebeu o nome de "Tiririca da Madeira".

Resultados em eleições[editar | editar código-fonte]

Resultados em eleições
(o ano liga à página da eleição)
|-
Ano Tipo Partido Votos % Posição Mandatos
2007
Legislativas Regionais
PND
2931
2,08%
7.º
1
3º da lista, entrou a substituir o deputado eleito
2011
Presidenciais[2]
189 206
4,50%
5.º
N/D

Nas eleições presidenciais de 2011, José Manuel Coelho obteve 46.247 votos na Região Autónoma da Madeira, ou seja 39,01% dos votos validamente expressos, que lhe garantiram o segundo lugar atrás de Cavaco Silva (44,01%). Em três concelhos, José Manuel Coelho chegou mesmo em primeiro lugar: Santa Cruz (47,78%), Funchal (41,45%) e Machico (41,09%)[2] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

José Manuel Coelho apesar de ter sido militante do PCP até 1999, e de ainda se considerar comunista, decidiu integrar as listas do PND para as eleições da Região Autónoma da Madeira a 6 de Maio de 2007. Para surpresa geral, o PND consegue eleger um deputado, Baltasar Aguiar. Durante a visita à Madeira do Presidente da República, Cavaco Silva, o Presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim chamou aos deputados da oposição da Assembleia Legislativa da Madeira de "bando de loucos" e ao deputado do PND de "fascista". Perante estas palavra o deputado do PND decidiu suspender o seu mandato e assim a 5 de Maio de 2008, José Manuel Coelho tomou o seu lugar. Desde aí o deputado da Nova Democracia tem-se tornado o deputado com mais visibilidade a nível nacional. Desde o início do actual regime autonómico nunca houve um deputado que usasse a mesma arma que Jardim, precisamente o populismo.

José Manuel Coelho já foi uma vez julgado em tribunal pelo crime de difamação do ex-autarca de Santa Cruz e agora deputado do PSD-M, Savino Correia, por esse crime cumpriu trabalho comunitário. Com os seus discursos politicamente incorrectos tem obrigado o PSD-M a tomar medidas ilegais na Assembleia Legislativa Regional para o fazer calar.

Tem levado várias vezes um relógio de parede ao pescoço para protestar contra o alteração do Regimento[3] , chegando a propor uma estátua para Alberto João Jardim. O ponto mais polémico do seu mandato sucedeu em 5 de Novembro de 2008, quando, como forma de protesto contra o facto do parlamento regional nunca ter comemorado o 25 de Abril, apresentou ao plenário uma bandeira nazi, que ofereceu ao líder parlamentar Jaime Ramos [4] . A bancada parlamentar do PSD, como forma de protesto, votou a suspensão do seu mandato. No dia seguinte, 6 de Novembro 2008, Coelho seria impedido pelos seguranças privados da Assembleia Legislativa de entrar na Assembleia.[carece de fontes?] Estes acontecimentos insólitos fizeram com que tivesse uma enorme visibilidade no país inteiro, sendo abertura de todos os telejornais. Perante a situação vivida à entrada da ALRAM, os deputados da Assembleia da República interromperam a discussão do Orçamento de Estado 2009 para discutir a democracia na Madeira.[carece de fontes?] Devido à inconstitucionalidade do acto, Coelho regressaria depois ao parlamento regional.

Em 30 de Dezembro de 2010, apresentou a sua candidatura à Presidência da República, com o apoio do PND. Durante a campanha utilizou os tempos de antena para chamar a atenção da opinião pública para a repressão política na Madeira[5] , o caciquismo do poder local em geral [6] , o escândalo financeiro do BPN[7] e até para as circunstâncias comprometedoras da aquisição pelo PR Cavaco Silva da sua casa de férias no Algarve[8] . Os resultados eleitorais das presidenciais deram-lhe 189,901 votos que constituíram 4.49% do total, tendo sido o candidato mais votado no Funchal (41.15%), Machico (41.09%), e Santa Cruz (47.48%).

Em Março de 2011 passou a militar no PTP, Partido Trabalhista Português, do qual é actualmente vice-presidente. Nas eleições legislativas de 5 de Junho de 2011, o PTP obteve apenas 0,3 % dos votos, não conseguindo eleger nenhum deputado para a Assembleia da República. Devido ao protagonismo de José Manuel Coelho, o PTP seria mais feliz nas eleições legislativas regionais da Madeira, em 9 de Outubro de 2011, obtendo 6,86 % dos votos e elegendo 3 deputados, posicionando-se como a quarta força política mais importante do arquipélago.

Em janeiro de 2013 foi condenado a 18 meses de prisão, com pena suspensa, por dois crimes de difamação agravada contra o presidente e o vice-presidente do Governo Regional. Foi ainda condenado a pagar 2.500 euros ao chefe do executivo insular, Alberto João Jardim, e 5.500 euros ao seu vice-presidente, João Cunha e Silva, por danos não patrimoniais[9] .

Referências

  1. ACÓRDÃO Nº 504/2010. TC (29 de dezembro de 2010). Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  2. a b Presidenciais 2011. Resultados Nacionais. Por distritos. SIC Online (23 de janeiro de 2011). Página visitada em 23 de janeiro de 2011.
  3. Sessão par(a)lamentar à conta do relógio do PND. Jornal da Madeira (5 de junho de 2008). Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  4. Deputado do PND exibe bandeira nazi e chama "fascistas" aos sociais-democratas. Expresso (5 de novembro de 2008). Página visitada em 8 de janeiro de 2011.
  5. Lusa (8 de janeiro de 2011). Coelho salienta candidatura nacional que servirá para derrotar "tiranete" Jardim. Público. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  6. Lusa (18 de janeiro de 2011). José Manuel Coelho distribui batatas em sacos azuis. Expresso. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  7. Lusa (7 de janeiro de 2011). José Manuel Coelho apelida Dias Loureiro do novo "Alves dos Reis". Diário de Notícias. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  8. Lusa (15 de janeiro de 2011). José Manuel Coelho visitou casa de férias de Cavaco Silva. Expresso. Página visitada em 1 de fevereiro de 2011.
  9. [http://www.ionline.pt/portugal/jose-manuel-coelho-condenado-18-meses-prisao-pena-suspensa José Manuel Coelho condenado a 18 meses de prisão com pena suspensa. O Politico Sem Medo.autor=].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.