José Moscardó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Capitão-General José Moscardó Ituarte (Madrid, 26 de Outubro de 1878 - Madrid, 12 de Abril de 1956) foi um militar espanhol que lutou na Guerra Civil de Espanha no seio dos exércitos nacionalistas.

José Moscardó tinha o posto de Coronel quando foi nomeado Governador Militar de Toledo. Durante os combates entre republicanos e nacionalistas que aconteceram na cidade de Toledo, o Coronel Moscardó refugiou-se com as suas tropas no Alcazar da cidade. As forças republicanas montaram cerco ao Alcazar, cortando o acesso a água e alimentos, ao mesmo tempo que bombardeavam diariamente o reduto do Coronel Moscardó.

Não conseguindo entrar no Alcazar, nem forçar a sair o exército nacionalista, os republicanos capturaram um dos filhos do Coronel Moscardó, Luís Moscardó, de apenas 16 anos, e telefonaram para o Alcazar para falar com o próprio Coronel Moscardó. Os nacionalistas anunciam a Moscardó que tinham em seu poder o seu filho Luís e ameaçaram matá-lo se o Alcazar não se rendesse de imediato. Moscardó pediu então para falar com o filho e disse-lhe: "Encomenda a tua alma a Deus e morre como um patriota, dizendo Viva o Cristo Rei! e Viva a Espanha!". A resposta do filho foi: "É o que farei." Moscardó decidiu assim estoicamente manter a defesa do Alcazar mesmo sabendo que isso lhe iria custar a vida do filho. Luís Moscardó viria a ser assassinado 1 mês depois do telefonema. Existe a lenda de que o assassinato do filho se deu durante o telefonema mas, apesar de na gravação telefónica original (que ainda hoje se encontra disponível no Alcazar de Toledo para os visitantes a poderem ouvir) a conversa terminar com um tiro, o assassinato deu-se 30 dias depois.

Existe um episódio de heroicidade similar na história de Espanha, quando no século XIII Alonso de Guzmán preferiu a morte do filho à rendição do Castelo de Tarifa por ele comandado.

Durante o cerco a guarnição militar nacionalista do Alcazar de Toledo era constituída por 1 000 homens, incluindo 600 membros da Guarda Civil e 400 militares do Exército. Estavam também sitiados no Alcazar 670 civis, incluindo 100 homens, 520 mulheres e 50 crianças. As forças militares sitiantes do exército republicano eram constituídas por 10 000 homens.

As forças militares e os civis sitiados no Alcazar de Toledo tiveram de racionar a comida e a água de tal modo que chegaram a passar fome e sede. Tiveram ainda de suportar os constantes ataques dos republicanos de que resultavam baixas diárias entre militares e civis e que, no fim do cerco, deixaram o Alcazar parcialmente destruído.

Apesar da aviação nacionalista ter efectuado bombardeamentos aéreos sobre as posições republicanas, o cerco do Alcazar de Toledo durou 70 dias, apenas terminando com a chegada por via terrestre de reforços nacionalistas que venceram definitivamente o exército republicano sitiante. Apesar de ter perdido um filho, o Coronel Moscardó conseguiu aguentar o cerco do Alcazar de Toledo, o que foi determinante para as tropas franquistas controlarem a cidade de Toledo.

Devido à heróica defesa do Alcazar de Toledo, Moscardó foi nomeado General. Francisco Franco decidiu ainda outorgar-lhe o título nobiliárquico de Conde do Alcazar de Toledo, com honras de Grande de Espanha. Posteriormente, Moscardó foi ainda nomeado Capitão-General (posto imediatamente inferior a Generalíssimo), o que constituia ao tempo a mais elevada distinção militar espanhola atribuível a um não Chefe de Estado (com a extinção em 1975 do posto de Generalíssimo o mais elevado posto militar espanhol passou a ser precisamente o de Capitão-General, posto ocupado pelo Rei enquanto Chefe Supremo das Forças Armadas e por militares elevados excepcionalmente a esta distinção a título honorífico).

Depois de abandonar a vida militar, Moscardó foi ainda Presidente do Comité Olímpico da Espanha.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.