José da Cruz Policarpo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
D. José IV
D. José da Cruz Policarpo
Cardeal da Santa Igreja Romana
Patriarca de Lisboa
Atividade Eclesiástica
Diocese Patriarcado de Lisboa
Nomeação 24 de Março de 1998
Predecessor António Ribeiro
Sucessor Manuel José Macário do Nascimento Clemente
Mandato 19982013
Ordenação e Nomeação
Ordenação Presbiteral 15 de Agosto de 1961
por Manuel Gonçalves Cerejeira
Nomeação Episcopal 26 de Maio de 1978
Ordenação Episcopal 29 de Junho de 1978
Mosteiro dos Jeronimos
por Manuel Gonçalves Cerejeira
Lema Episcopal Per Obedientiem ad Libertatem
Nomeado Arcebispo 5 de Março de 1997
(Arcebispo coadjutor)
Nomeado Patriarca 24 de Março de 1998
(sucedeu)
Cardinalato
Criação 21 de Fevereiro de 2001
por João Paulo II
Ordem Cardeal-Presbítero
Título S. Antonio in Campo Marzio
Brasão
Coat of arms of Jose da Cruz Policarpo.svg
Dados Pessoais
Nascimento Alvorninha
26 de Fevereiro de 1936
Falecimento Lisboa
12 de Março de 2014 (78 anos)
Nacionalidade Portugal portuguesa
Residência Casa Patriarcal, Seminário dos Olivais, Quinta do Cabeço, 1800 Lisboa
Filiação José Policarpo, Jr. e Maria Gertrudes Rosa
Habilitação Académica Doutoramento em Teologia Dogmática (1968), pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma
Funções Exercidas - Reitor do Seminário Maior de Cristo-Rei dos Olivais (1970-1997)
- Bispo Auxiliar de Lisboa (1978-1997)
- Arcebispo Coadjutor de Lisboa
(1997-1998)
Títulos Anteriores Bispo Titular de Caliábria
(1978-1997)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

José da Cruz Policarpo (Caldas da Rainha, Alvorninha, 26 de Fevereiro de 1936Lisboa, Santa Maria dos Olivais, 12 de Março de 2014) foi um cardeal português. Como D. José IV, foi patriarca de Lisboa entre 1998 e 2013. Nomeado cardeal em 2001, assumiu até 2013 o título de cardeal-patriarca de Lisboa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi o mais velho de nove filhos e filhas[1] de José Policarpo, Jr. (Pego, Alvorninha, 18 de Abril de 1902 – Odivelas, 20 de Outubro de 1987) e de sua mulher Maria Gertrudes Rosa (Benedita, 17 de Outubro de 1909 – Alvorninha, 6 de Setembro de 1994), casados em Alvorninha a 26 de Janeiro de 1935.

Estudou filosofia e teologia nos seminários de Santarém, Almada e Olivais, em Lisboa, tendo-se licenciado (2º grau canónico) em Teologia Dogmática, em 1968, pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, com uma tese intitulada Teologia das religiões não cristãs.[2] Prosseguiu os seus estudos na mesma universidade, tendo-se doutorado também na área da Teologia Dogmática com a tese "Sinais dos Tempos. Génese histórica e interpretação teológica". Foi ordenado sacerdote em 15 de Agosto de 1961.[3]

Foi nomeado bispo-auxiliar de Lisboa em 26 de Maio de 1978, sendo a sua ordenação episcopal datada de 29 de Junho de 1978. Foi um activo colaborador do cardeal patriarca D. António Ribeiro, tendo sido seu vigário-geral. Foi nomeado arcebispo coadjutor de Lisboa a 5 de Março de 1997,[3] tendo por isso direito de sucessão.

José Policarpo foi reitor da Universidade Católica Portuguesa, entre 1988 e 1992, depois de ter exercido funções como professor auxiliar (1971), professor extraordinário (1977) e professor ordinário (1986) da Faculdade de Teologia. Dirigiu a Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, entre 1974 e 1980 e, de novo, entre 1985 e 1988, e presidiu à Comissão Instaladora do Centro Regional do Porto, entre 1985 e 1987. Foi igualmente reitor do Seminário dos Olivais, de 1970 até 1997.

Protagonista da renovação cultural da Igreja Católica em Portugal, teve cerca de cinquenta obras publicadas, era sócio honorário da Academia das Ciências de Lisboa e académico de mérito da Academia Portuguesa de História.

Morreu a 12 de Março de 2014, aos 78 anos, vítima de um aneurisma na aorta.[4] O seu corpo encontra-se no Panteão dos Patriarcas de Lisboa.

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

Com o falecimento do Cardeal Patriarca D. António Ribeiro, D. José da Cruz Policarpo sucedeu como 16º Patriarca de Lisboa em 24 de Março de 1998.[3] O pálio, insígnia dos metropolitas, foi-lhe imposto pelo cardeal-bispo Angelo Sodano, Secretário de Estado do Vaticano, numa celebração antecipada dos Santo Apóstolos Pedro e Paulo, em 28 de junho de 1998, na Igreja do Mosteiro dos Jerónimos, no contexto do dia da Santa Sé na Exposição Mundial de 1998 que decorreu na cidade de Lisboa.[5] Este cargo detém o raríssimo privilégio perpétuo do prelado que o ocupar ser nomeado cardeal no consistório seguinte ao da sua investidura no mesmo, tendo isso acontecido em 21 de Fevereiro de 2001. Nesta data D. José da Cruz Policarpo foi criado cardeal pelo Papa João Paulo II, tendo-lhe sido outorgado o título de cardeal-presbítero de S. Antonio in Campo Marzio[3] , que corresponde à Igreja de Santo António dos Portugueses. Tomou posse desta igreja em 27 de maio de 2001.[6] Como D. José IV, foi patriarca de Lisboa entre 1998 e 2013. Tendo sido nomeado cardeal em 2001, assumiu o título de cardeal patriarca de Lisboa até à data da nomeação do seu sucessor.

Enquanto cardeal eleitor, participou no Conclave de 2005 que elegeu Joseph Ratzinger como Papa Bento XVI.[3] Em 2013, participou no Conclave de 2013, que elegeu Jorge Bergoglio como Papa Francisco, que sucede a Bento XVI.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

A 14 de Janeiro de 2009, D. José Policarpo causou alguma controvérsia quando, num simpósio, pediu às jovens portuguesas que pensassem duas vezes antes de casar com um muçulmano. Para D. José tais casamentos acarretariam um "monte de sarilhos que nem Alá sabe onde terminam".[7] Disse ainda que o diálogo com a comunidade muçulmana seria difícil e que a mesma não seria aberta a críticas. A comunidade muçulmana em Portugal revelou-se magoada com as palavras do cardeal, enquanto que para a Igreja as declarações são antes um convite a um diálogo mais aberto e um apelo ao conhecimento mútuo.[8] A ONG de direitos humanos Amnistia Internacional considerou as afirmações "discriminatórias e separativas".[9]

Renúncia[editar | editar código-fonte]

A 18 de Fevereiro de 2011, o próprio cardeal anunciou que enviou uma carta ao Papa Bento XVI, renunciando ao Patriarcado, uma vez que em 26 de Fevereiro completaria 75 anos, idade limite para o exercício da prelazia.[10]

Cquote1.svg Ontem mesmo escrevi a carta ao Papa – está previsto no direito canónico que um bispo, quando cumpre os 75 anos, pede ao Santo Padre a resignação do seu mandato" – e fico à espera da sua decisão.[10] Cquote2.svg
Cardeal Policarpo

A 19 de Junho de 2011, D. José Policarpo revelou a resposta do Santo Padre, pedindo que permanecesse por mais dois anos.

Cquote1.svg Gostava de vos anunciar, hoje, Dia da Igreja Diocesana, que o Santo Padre Bento XVI já respondeu ao meu pedido de resignação, pedindo-me que prolongue o meu ministério episcopal, na Igreja de Lisboa, por mais dois anos. Serei até ao último minuto o Bispo que Deus deu à sua Igreja, para a conduzir nos caminhos da comunhão.[11] Cquote2.svg
Cardeal Policarpo

É uma orientação que não surpreende, já que a regra que tem sido utilizada pelo Vaticano em relação aos cardeais aponta para que se mantenham no cargo por mais dois a três anos além dos 75. O Papa Bento XVI voltou a aplicar uma antiga tradição: enquanto um cardeal não atinge os 80 anos, o seu sucessor nunca é nomeado cardeal. Ou seja, nos próximos quatro anos, o sucessor de D. José Policarpo nunca receberá o título de cardeal por parte de Roma.

A sua renúncia foi finalmente aceite a 18 de maio de 2013, tendo o Papa Francisco nomeado como seu sucessor o bispo D. Manuel José Macário do Nascimento Clemente, bispo do Porto.[12] Desta forma passa a ser referido como Cardeal-patriarca emérito. Permaneceu em funções como administrador apostólico da diocese até à tomada de posse de D. Manuel Clemente.[13]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Precedido por
Albert van Overbeke
Brasão episcopal
Bispo-titular de Caliábria

19781997
Sucedido por
Walmor Oliveira de Azevedo
Precedido por
António Ribeiro
Brasão patriarcal
16.º Patriarca de Lisboa

19982013
Sucedido por
Manuel José Macário
do Nascimento Clemente
Precedido por
António Ribeiro
Croix de l Ordre du Saint-Sepulcre.svg
Grão Prior de
Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém

19982013
Sucedido por
sede vacante
Precedido por
Criação do titulus
Brasão cardinalício
Cardeal-presbítero de
S. Antonio in Campo Marzio

20012014
Sucedido por
sede vacante