José de Guimarães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José de Guimarães
JosédeGuimarães.png
Foto de José de Guimarães (31 em agosto de 2014).
Nome completo José Maria Fernandes Marques
Nascimento 25 de Novembro de 1939
Guimarães
Nacionalidade Portugal portuguesa
Prémios Consulte a seção relevante Premios
Área escultura , grabado, pintura, artes plásticas, art collector

José Maria Fernandes Marques, também conhecido pelo pseudónimo José de Guimarães, (Guimarães, 25 de novembro de 1939) é um artista plástico português.

Praça 25 de Abril, Lisboa, Portugal (PT / EU)

Biografia data[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1939, José de Guimarães é considerado um dos principais artistas plásticos portugueses de Arte Contemporânea, tendo uma vasta e notável obra na pintura, escultura e outras atividades criativas, o que faz com que seja dos mais galardoados artistas plásticos Portugueses. Muitas das suas obras estão expostas em diversos museus Europeus, bem como nos Estados Unidos da América, Brasil, Canadá, Israel e até no Japão.

Mais recentemente, em Portugal, José de Guimarães teve um forte envolvimento com a Capital Europeia da Cultura, em Guimarães, que viu nascer o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), integrado na Plataforma das Artes e da Criatividade. A própria Imprensa Nacional-Casa da Moeda, assinalou a Capital Europeia da Cultura através da cunhagem de uma moeda comemorativa da autoria do artista plástico. Já em 1990 foi-lhe concedido pelo então Presidente da República Portuguesa, Mário Soares, o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.


Ingressou na Academia Militar e no curso de Engenharia na Universidade Técnica de Lisboa em 1957. Iniciou a sua formação artística no ano seguinte assistindo a aulas de pintura com Teresa Sousa e Gil Teixeira Lopes e estudando gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses. Entre 1961 e 1966, viajou pela Europa, conhecendo de perto a obra de antigos mestres (entre os quais Rubens) e concluiu a licenciatura de Engenharia. A sua carreira "definir-se-ia pela descoberta de regiões distantes e incomuns, de África ao Japão, do México à China. Cada uma destas culturas estimulou-o a desenvolver uma linguagem universal e a transmitir um universo imaginário que, afinal, reaviva a memória da própria História portuguesa, feita de enriquecedoras relações com países longínquos".[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

O Devorador de Automóveis en el Pólo de Azurém


  • Batalha de Cartago
  • O Amolador (1963)
  • Domadora de Crocodilos (1977)
  • Inês de Castro (1980)
  • Nu Descendo a Escada (1980)
  • Camões e D. Sebastião (1980)
  • Naufrágio de Camões (1980)
  • Camões (1981)
  • Serpente (1983)
  • Velásquez (1991)
  • Cartas de Jogar (1983)
  • Malabarista (1983)
  • D. Sebastião (1985)
  • Camões (1985)
  • Rei D. Pedro (1985)
  • Pássaro (1985)
  • Fernando Pessoa (Frente e Verso) (1985)
  • O Falcão (1988)
  • Logótipo para o I.C.E.P (1993)
  • Série México (1995)
  • Lisboa (2000)

Colecções[editar | editar código-fonte]

José de Guimarães destaca-se como um dos principais colecionadores: Arte Tribal Africano[2] , como um estudante da cultura antugüas através de sua arte.


" Detentor de uma portentosa colecção de arte africana que tem vindo a ser mostrada em diversos países (Brasil, Espanha, portugal), José de Guimarães costuma dizer que colecciona o que se relaciona como seu trabalho mas é evidente que são os dispositivos do primitivismo que sobretudo lhe interessam. As artes integradas na comunidade, participando nela, garantindo a fecundidade, a saúde, o esconjuro da morte, a celebração das deuses, a fraternidade cúmplice com os animais.

Entre o mítico passado da África précolonial, as culturas modernistas da Europa de 1900 e o frenesim criativo das imensas periferias contemporãneas, há elos substantivos de partilha e pertença que o artista continua a indagar e provocar. E se o consegue é porque essa cultura é também a sua, rtista oriundo da pequena periferia que é portugal, aberto, sobre o mar, aos valores da mestiçagem." - (Raquel Henriques da Silva)


José de Guimarães, diz a este respeito como cobrador: "Meu maior objetivo como um coletor não é apenas a coleta de outro lado, há é feito com reconhecimento e respeito por outra cultura como alguém Portugal vela Português dos oceanos, e encontrou novos mundos, e misturas .. criadas novas visões - em algum grau, o meu trabalho artístico tem seguido essas faixas de marinheiros do passado que se aproximam as culturas de outras regiões isso é levado em conta no que diz respeito a uma outra cultura que faz ou me faz admirá-la fazendo-me querer ver e apreciar .. tão de perto quanto através de sua arte. " - (José de Guimarães)

FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • 2º Prémio: Gravura, Estoril (1965)
  • 1º Prémio: Gravura, Universidade de Luanda (1967)
  • 1º Prémio: Gravura, Cidade de Luanda (1967)
  • 1º Prémio: Gravura, Cidade de Luanda (1968)
  • Menção Honrosa: Exposição Nacional de Gravura, Lisboa (1977)
  • Medalha de bronze: Prémio Europeu de Pintura, Ostende, Bélgica (1978)
  • Medalha de bronze: Prémio Europeu de Pintura, Ostende, Bélgica (1980)
  • Prémio de Aquisição do Júri do Salão do Pequeno Formato, Lisboa, Portugal (1982)
  • Prémio Orwell 1984: Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1984)
  • Grande Prémio: 9ª Exposição Bienal de Artes Plásticas, Barcelona (1986)
  • Prémio de Seleção Bienal de Escultura de Óbidos, Portugal (1988)
  • Medalha de Mérito Artístico da Cidade de Guimarães (1989)
  • Premiado com a encomenda de um monumento ao ar livre para a «Universidade de Guimarães» (1989)
  • Condecorado pelo Presidente da República Portuguesa com a Ordem do «Infante D.Henrique» (1990)
  • Prémio Olímpico Internacional 1991, «Desporto e Arte» (1991)
  • Prémio de Artes Plásticas da AICA, Lisboa (1992)
  • Homenageado pelo Canal Cultural de Televisão, ARTE, com a exibição do filme sobre a sua obra «Je vis cette vie magnifique dans mon atelier», realizado por Erwin Leiser. (1994)

Exposições individuais[editar | editar código-fonte]

  • 1964
    • Galeria Convívio, Guimarães, Portugal
    • Sociedade Nacional de Belas Artes (SNBA)
  • 1968
  • 1969
    • Galeria Convívio, Guimarães
    • Galeria Árvore, Porto
  • 1972
  • 1973
    • Galeria Dinastia, Lisboa
  • 1974
  • Galeria Dinastia, Porto
  • 1975
    • Galeria Dinastia, Lisboa
    • Galeria Dinastia, Porto
    • Galeria Convívio, Guimarães
  • 1976
    • Galeria Módulo, Porto
  • 1977
    • Galerie De Groelard, Schilde, Bélgica
    • Galerie VECU, Antuérpia, Bélgica
  • 1978
    • Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
    • Galeria Dinastia, Lisboa
    • Museu Nacional Soares dos Reis, Centro de Arte Contemporânea, Porto
    • Museu de Angra do Heroísmo, Angra do Heroísmo, Açores
    • Galeria De Groerlard, Shilde
    • SNBA, Lisboa
  • 1979
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Galerie Maeyaert, Ostende, Bélgica
    • Galerie Le Soleil dans la Tête, Paris
  • 1980
    • Galeria 111, Lisboa
    • Galerie G, I.N., Amesterdão
    • Galerie VECU, Antuérpia
    • Teatro Municipal do Funchal, Funchal, Madeira
  • 1981
    • Palácio da Cultura, Rio de Janeiro
    • Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil
    • Fundação Cultural, Brasília
    • Galerie Bernard Weber, Mannheim
    • Galeria da Faculdade Manuel da Nóbrega, S.Paulo
    • Galerie Archevêché, Rouen
    • Galeria da Câmara Municipal da Amadora, Amadora
  • 1982
    • Galeria Espaço Aberto, Coimbra
    • Galeria Quetzal, Funchal, Madeira
    • Centro Cultural de São Lourenço, Almansil, Portugal
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Galerie Toni Brechbuhl, Grenchen, Suíça
  • 1983
    • Galleria Del Naviglio, Milão
    • Galerie L´Oeil de Boeuf, Paris
    • FIAC Grand Palais, Paris
    • Galeria Juana Mordó, Madrid
    • Galeria Árvore, Porto
  • 1984
    • Palais de Beaux-Arts, Bruxelas
    • Galeria René Metras,Barcelona
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
  • 1985
    • Art Basel, Basel, Suíça
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
  • 1986
    • ARCO, Madrid
    • Museu Alberto Sampaio, Guimarães
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
    • Galleria Del Naviglio, Milão
    • Galerie Kass-Weiss, Estugarda
  • 1987
    • FORUM, Zurich
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
    • FIAC Grand Palais, Paris
    • Centre Culturel Portugais, Paris
    • LINEART, Ghent
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
  • 1988
    • ARCO, Madrid
    • Galerie Kass-Weiss, Estugarda
    • Galleria Del Naviglio, Veneza
    • Galeria René Metras, Barcelona
    • Internacional Contemporany Art Fair, Los Angeles
  • 1989
    • Galeria Módulo, Lisboa
    • Chicago International Art Exposition, Chicago
    • Internation Art Fair, Basileia
    • Paul Schulz, Flein (Heilbronn), Alemanha
    • Fuji Television Gallery, Tóquio
    • Internacional Contemporany Art Fair, Los Angeles
  • 1990
    • Stockholm Art Fair, Estocolmo
    • Galerie Academia Salzburg-Residenz
    • Goldman-Kraft Gallery, Chicago
    • Galeria J.M.Gomes Alves, Guimarães
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
  • 1991
    • Salon de Mars, Paris
    • Galeria Módulo, Lisboa
    • Galeria 5, Coimbra
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
    • Bunkamura Museum Art Gallery, Shibuya, Tóquio
  • 2008
    • Museo Würth La Rioja, Espanha
  • 2009
  • 2011
    • Bronzes e Jades da China Antiga, Lisboa

Museus e coleções públicas com obras de José Guimarães[editar | editar código-fonte]

  • Alemanha
    • Wurth Museum, Kunzelsau
  • Angola
    • Museu de Angola, Luanda
  • Argentina
    • Emiliano Guinazu, Museu Provincial de Arte Moderna de Mendoza
  • Bélgica
    • Museu Real de Arte Moderna, Bruxelas
    • Museu de Arte Moderna (MUHKA), Antuérpia
    • Museu Middelheim, Antuérpia
    • Fundação Verenneman, Kruishoutem
    • Universidade Católica, Lovaina
    • Colecção do Estado da Bélgica, Bruxelas
    • Museu de Arte Religiosa, Ostende
    • BP - British Petroleum, Bruxelas
    • Alliance Française, Bruxelas
    • entro Cultural Hof de Bist, Ekeren
  • Brasil
    • Museu de Arte Moderma (MASP), São Paulo
    • Museu de Arte Contemporânea (MAC), Universidade de São Paulo
    • Museu de Arte Contemporânea (MAM), Rio de Janeiro
    • Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro
    • Colecção Josias Leão, Rio de Janeiro
  • Canadá
    • Universidade de Carlton, Otava
  • Espanha
    • Museu Espanhol de Arte Contemporânea, Madrid
    • Ministério da Cultura, Madrid
    • Museu Nacional da Gravura, Madrid
    • Museu de Arte Contemporânea, Badajoz
  • Estados Unidos da América
    • Fundação Frederick Weisseman, Los Angeles
    • Centro de Art Rockefeller (SUNY) Fredonia, Nova York
  • França
    • Colecção do Estado Francês, Fundo Nacional de Arte Contemporânea, Paris
    • Parlamento Europeu, Estrasburgo
  • Holanda
    • Fundação Peter Stuyvesant, Amesterdão
  • Israel
    • Museu de Dinoma, Neguiev
  • Japão
    • Fundação Akemi, Osaka
    • Tachikawa City, Tokyo
  • Coreia
    • Parque Olímpico, Seul
  • Macau
    • Museu Luís de Camões, Banco do Oriente
  • Portugal
    • Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
    • Museu Nacional de Arte Moderna, Casa de Serralves, Porto
    • Colecção do Estado Português, Lisboa
    • Museu Nacional Soares dos Reis, Centro de Arte Contemporânea, Porto
    • Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa
    • Museu das Cruzes, Funchal, Madeira
    • Colecção do Governador Regional da Madeira, Madeira
    • Museu Alberto Sampaio, Guimarães
    • Museu do Caramulo, Caramulo
    • Museu do Centro Científico e Cultural de Macau (Museu de Macau), Lisboa
    • Museu de Angra do Heroísmo, Açores
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Centro Cultural de Belém, Lisboa
  • Suíça
    • Museu do Relógio, Genebra
    • Biblioteca Nacional, Berna

Notas[editar | editar código-fonte]

Categoria e contendo imagens e outros ficheiros:

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre José de Guimarães



.

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • AA.VV., José de Guimarães: Arte perturbadora - Disturbing Art (ed. bilingüeportugués - inglés), ediciones Afrontamiento

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Artigo sobre José de Guimarães em upmagazine-tap.com
  • Bio página de artista Galeria O Trail
  • Galeria de Fotos de trabalho e coleções . (Trabalho original exibiu 1-, coleção de 2 peças expostas Art Africano / Tribal) por José Guimarães e sua relação com a arte Africano. Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[3]
  • MAISNORTE.PT (PENAFIEL): José de Guimarães, mestre da escultura portuguesa, inaugura exposição “Arte Pública • Fotografias e Maquetes” 1 - [4], 2 - [5], 3 - [6], 4 - [7]

Referências

  1. José de Guimarães CAM, Fundação Calouste Gulbenkian. Visitado em 26-10-2014.
  2. Galeria de fotos sobre a exposição. ( 1-Parte da exposição inicial, 2-Parte do trabalho de coleta, /Arte Tribal Africano/ José Guimarães e sua relação com a arte Africano). Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (Galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[1]
  3. Galeria de fotos sobre a exposição. ( 1-Parte da exposição inicial, 2-Parte do trabalho de coleta, /Arte Tribal Africano/ José Guimarães e sua relação com a arte Africano). Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (Galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[2]