Joseph Addison

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Joseph Addison

Joseph Addison (Milston, Inglaterra, 1 de maio de 167217 de junho de 1719) foi um poeta e ensaísta inglês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em Charterhouse foi condiscípulo de Richard Steele, com o qual elevou à perfeição o género do ensaio jornalístico, de que ambos os escritores fizeram cátedra pública de moral e cultura destinada a uma classe média que viria a ocupar o lugar da classe alta, brilhante mas corrompida[1] .

Politicamente militou com os whigs, tendo ocupado cargos importantes: membro do parlamento (1708-1719), secretário do residente-geral da Irlanda (1709), secretário de Estado (1717-1718).

Em 1704, escreveu The Campaígn, poema épico exaltando a vitória de Marlborough em Blenheim, e em 1713 culminou triunfalmente a sua carreira política com a tragédia Catão (Cato), que agradou ao público devido às ideias liberais expostas e à critica por ajustar-se aos modelos clássicos. No entanto, deve a sua fama aos ensaios que escreveu, publicados em The Tatler (1709-11), The Spectator (1711-14) e, ocasionalmente, em The Guardian (1713).

Referências

  1. Addison, Joseph, pag. 47 - Grande Enciclopédia Universal - edição de 1980 - ed. Amazonas
  • Nova Enciclopédia Portuguesa, Ed. Publicações Ediclube, 1996.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons


Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.