Jovem Irlanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Young Ireland, em irlandês Éire Óg, ou Jovem Irlanda foi um movimento político, cultural e social surgido em meados do século XIX na Irlanda. Renovou o nacionalismo irlandês e protagonizou mesmo uma revolta em 1848 suprimida pelas forças britânicas. Muitos dos seus líderes foram julgados por sedição e deportados para a Terra de Van Diemen. Desde o seu início e até finais da década de 1930, o movimento Young Ireland exerceu grande influência e inspirou futuras gerações de nacionalistas irlandeses.

História[editar | editar código-fonte]

O nome "Jovem Irlanda" começou a ser usado para descrever um grupo de membros da Associação pela Derrogação estritamente vinculados ao jornal A Nação.[1] Naquela época a Associação da Derrogação fazia campanha contra o Acto de União de 1800, que significava a união dos reinos da Grã-Bretanha e Irlanda.[2] O termo foi aplicado pela imprensa inglesa,[1] e posteriormente utilizado por Daniel O'Connell, de forma depreciativa durante declarações no Conciliation Hall.[3]

A Jovem Irlanda fazia retroceder as suas origens à nova College Historical Society, fundada em 29 de março de 1839.[4] Entre os membros desta nova sociedade estavam personalidades como John Blake Dillon, Thomas MacNeven, William Eliot Hudson e Thomas Davis,[4] que foi eleito presidente em 1840.[4] [5]


Associação da Derrogação[editar | editar código-fonte]

O jornal "The Nation"[editar | editar código-fonte]

A secessão[editar | editar código-fonte]

Enquanto os membros da Jovem Irlanda permaneceram na Associação pró-derrogação, não invocaram o uso da força física na luta pela Derrogação, e condenaram qualquer política que defendesse essa postura.[6] A introdução das "Peace Resolutions" por O'Connell na Associação foi, de algum modo, uma tentativa de sugerir que os Young Irelanders podiam ser violentos.[7] Estas "Peace Resolutions" afirmavam que não se podia justificar o emprego da força física sob nenhuma circunstância em nenhuma época, e isto era algo que se considerava de forma retrospectiva.

Os membros da Jovem Irlanda apenas começaram a considerar o uso de força física quando abandonaram a Associação pró-Derrogação e formaram a Confederação Irlandesa.[6]

Daniel O'Connell tinha ameaçado com o uso da força,[8] durante a sua campanha pela Emancipação Católica, mas nunca teve vontade real de a usar.[9] Isto ficou demonstrado depois do cancelamento do Monster Meeting convocado em Clontarf em 1843. Estes Monster Meetings (Reuniões Monstras) tinham sido uma criação de Thomas Davis, John Blake Dillon e Michael Doheny.[10] O propósito destas concentrações era preparar as pessoas para as manobras e deslocamentos militares,[10] embora, como isto era bastante perigoso, as reuniões fossem convocadas com outros fins. O'Connell conhecia perfeitamente esta estrateéia, mas posteriormente negá-la-ia e repudiaria os implicados.[11] O encontro de Clontarf foi proibido pelo Governo Britânico, que ameaçou com o uso do exército. O'Connell tomou a decisão política de cancelar a concentração perante os planos governamentais para a suprimir.[12] Isto fê-lo perder credibilidade frente aos britânicos - que só estavam dispostos a ceder se percebessem um risco real de revoltas.[13] Os Young Irelanders sempre tinham apoiado O'Connell e a sua luta pela derrogação, mas depois dos acontecimentos de Clontarf decidiram desvincular-se da Associação.

A Confederação Irlandesa[editar | editar código-fonte]

O levantamento de 1848[editar | editar código-fonte]

Young Irelanders[editar | editar código-fonte]


Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Malcolm Brown, The Politics of Irish Literature: from Thomas Davis to W.B. Yeats, Allen & Unwin, 1973.
  • Aidan Hegarty, John Mitchel, A Cause Too Many, Camlane Press.
  • Arthur Griffith, Thomas Davis, The Thinker and Teacher, M.H. Gill & Son, 1922.
  • Brigadier-General Thomas Francis Meagher His Political and Military Career, Capt. W. F. Lyons, Burns Oates & Washbourne Limited, 1869
  • Young Ireland and 1848, Dennis Gwynn, Cork University Press, 1949.
  • Daniel O'Connell The Irish Liberator, Dennis Gwynn, Hutchinson & Co, Ltd.
  • O'Connell Davis and the Collages Bill, Dennis Gwynn, Cork University Press, 1948.
  • Smith O’Brien And The “Secession”, Dennis Gwynn, Cork University Press
  • Meagher of The Sword, Edited By Arthur Griffith, M. H. Gill & Son, Ltd., 1916.
  • Young Irelander Abroad: The Diary of Charles Hart, Ed. Brendan O'Cathaoir, University Press.
  • John Mitchel: First Felon for Ireland, Ed. Brian O'Higgins, Brian O'Higgins 1947.
  • Rossa's Recollections: 1838 to 1898, The Lyons Press, 2004.
  • James Connolly, Labour in Ireland, Fleet Street, 1910.
  • James Connolly, The Re-Conquest of Ireland, Fleet Street, 1915.
  • Louis J. Walsh, John Mitchel: Noted Irish Lives, The Talbot Press Ltd, 1934.
  • Life of John Mitchel, P. A. Sillard, James Duffy and Co., Ltd 1908.
  • John Mitchel, P. S. O'Hegarty, Maunsel & Company, Ltd 1917.
  • R. V. Comerford, The Fenians in Context: Irish Politics & Society 1848-82, Wolfhound Press, 1998
  • Seamus MacCall, Irish Mitchel, Thomas Nelson and Sons Ltd, 1938.
  • T. A. Jackson, Ireland Her Own, Lawrence & Wishart, Ltd, 1976.
  • T. C. Luby, Life and Times of Daniel O'Connell, Cameron & Ferguson.
  • T. F. O'Sullivan, Young Ireland, The Kerryman Ltd., 1945.
  • Terry Golway, Irish Rebel John Devoy and America's Fight for Irish Freedom, St. Martin's Griffin, 1998.
  • Thomas Gallagher, Paddy's Lament: Ireland 1846-1847 Prelude to Hatred, Poolbeg, 1994.
  • James Fintan Lalor, Thomas, P. O'Neill, Golden Publications, 2003.
  • Charles Gavan Duffy: Conversations With Carlyle (1892), with Introduction, Stray Thoughts On Young Ireland, by Brendan Clifford, Athol Books, Belfast, ISBN 0 85034 1140.
  • Brendan Clifford and Julianne Herlihy, Envoi, Taking Leave Of Roy Foster, Cork: Aubane Historical Society
  • Robert Sloan, William Smith O'Brien and the Young Ireland Rebellion of 1848, Four Courts Press, 2000
  • An Gorta Mor, M. W. Savage, The Falcon Family, or, Young Ireland, London: 1845, Quinnipiac University


Referências

  1. a b Young Ireland, Sir Charles Gavan Duffy, Cassell, Petter, Galpin & Co. 1880, Pg.291
  2. T. F. O'Sullivan, Young Ireland, The Kerryman Ltd. 1945, p. 1-4
  3. Dennis Gwynn, O'Connell Davis and the Collages Bill, Cork University Press, 1948, p. 68
  4. a b c Charles Gavan Duffy, Thomas Davis, The Memoirs of an Irish Patriot, Kegan Paul, Trench, Trubner & Co., Ltd pg. 14
  5. Dennis Gwynn, Young Ireland and 1848, Cork University Press, 1949, pg 5
  6. a b Michael Doheny, The Felon's Track, M.H. Gill &Sons, LTD 1951, p. 105
  7. Michael Doheny, The Felon's Track, M.H. Gill &Sons, LTD 1951, Pg 106
  8. Sir Charles Gavan Duffy, Young Ireland, Cassell, Petter, Galpin & Co. 1880, Pg.274
  9. Sir Charles Gavan Duffy, Young Ireland, Cassell, Petter, Galpin & Co. 1880, Pg.374
  10. a b The Felon's Track, By Michael Doheny, M.H. Gill &Sons, LTD 1951, Pg 20
  11. The Felon's Track, By Michael Doheny, M.H. Gill &Sons, LTD 1951, Pg 22
  12. Young Ireland, Sir Charles Gavan Duffy, Cassell, Petter, Galpin & Co. 1880, Pg.361
  13. John Mitchel, The Crusade of the Period, Lynch, Cole & Meehan 1873, pg 147
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Joven Irlanda».


Ligações externas[editar | editar código-fonte]