Juan Bautista Aznar-Cabañas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Juan Bautista Aznar-Cabañas
Presidente do governo da Flag of Spain.svg Espanha
Mandato 1931 a 1931
Antecessor(a) Dámaso Berenguer
Sucessor(a) Manuel Azaña
Vida
Nascimento 1860
Morte 1933
linkWP:PPO#Espanha

Juan Bautista Aznar-Cabañas (18601933) foi um político da Espanha. Ocupou o lugar de presidente do governo de Espanha de 1931 a 1931.

Após uma brilhante carreira militar, na que se destacou o seu papel nas campanhas desenvolvidas em Marrocos, entrou na política poucos meses antes do golpe de estado de Primo de Rivera.

Após atingir o grau de almirante, em 1931 foi chamado para substituir o general Dámaso Berenguer como chefe do que seria o último governo da monarquia de Afonso XIII da Espanha.

No gabinete do almirante Aznar havia duas correntes monárquicas contrapostas: A corrente "dura" representada por Juan de la Cierva (alta burguesia), e a corrente “mole” ou “transigente", disposta a pactuar com os republicanos, nesse momento no cárcere Modelo de Madrid, representada pelo conde de Romanones. No ponto meio e pelo Ministério de Governação encontrava-se o marquês de Hoyos. Como ministro da Guerra estava o general Dámaso Berenguer (que fora o anterior presidente de Governo), o conde de Bugallal Araujo no grupo "la Cierva" e como diretor geral da Guarda Civil o general Sanjurjo. O gabinete incluía também o duque de Maura, o almirante José Rivera Álvarez-Camero e os empresários Ventosa e Gascón y Marín.

La Cierva e Bugallal mantinham a postura de que a monarquia devia resistir por qualquer meio, inclusive utilizando a Guarda Civil. Sanjurjo opôs-se após comprovar a maioria obtida pelos republicanos nas eleições do 12 de abril de 1931, o que significava o grupo mais importante de "republicanos ilustrados antimonárquicos".

O conde de Romanones, após tentar inutilmente chegar a uma transação com os republicanos de criar um governo de transição, era partidário de que o rei abandonasse Espanha, decisão que tomou o rei.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CARR, Raymon. España 1808-1975. Ed. Ariel 1988


Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Dámaso Berenguer
Presidentes do governo de Espanha
1931 - 1931
Sucedido por
Manuel Azaña