Julie Andrews

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Julie Andrews
Julie Andrews em 1970.
Nome completo Julie Elizabeth Andrews-Edwards (nascida Julia Elizabeth Wells)
Outros nomes Jules
Nascimento 1 de Outubro de 1935 (79 anos)
Walton-on-Thames, Inglaterra, Reino Unido Reino Unido
Nacionalidade Reino Unido Britânica
Ocupação Atriz
Cônjuge Tony Walton (1959 - 1967)
Blake Edwards (1969 - 2010)
Atividade 1945 - presente
Oscares da Academia
Melhor Atriz
*Mary Poppins (1964)
Prêmios Globo de Ouro
Melhor Atriz em Comédia ou Musical
*Mary Poppins (1964)
*A noviça rebelde (1965)
*Victor ou Victoria (1982)
Prémios Screen Actors Guild
Prêmio Honorário (2006)
BAFTA
Atriz Revelação
*Mary Poppins (1964)
IMDb: (inglês)

Dame Julie Elizabeth Andrews-Edwards, DBE (nascida Julia Elizabeth Wells; Walton-on-Thames, Surrey, 1 de outubro de 1935)[1] , é uma premiada atriz, cantora, dançarina, diretora teatral e escritora britânica nascida na Inglaterra, célebre por suas performances em vários musicais no teatro e no cinema. Também sempre dedicou-se ao trabalho na televisão[2] . Foi homenageada pela Rainha Elizabeth II, do Reino Unido, com a Ordem do Império Britânico em 31 de dezembro de 1999, além de também ter sido eleita, em 2002, uma das 100 maiores personalidades britânicas de todos os tempos, ocupando a 59ª posição[3] .

Dotada de grande habilidade vocal desde muito jovem (sua voz de soprano chegava a variar de C3 a E7 4 oitavos)[4] , foi como atriz-mirim que ela fez sua estreia na década de 40 nos teatros do West End, em Londres, indo para a Broadway em 1954 e lá debutando como estrela do musical "The Boy Friend" (O Namoradinho); o auge viria com os sucessos de "My Fair Lady" e "Camelot", que garantiram à ela indicações ao Tony, a mais alta honraria concedida a artistas do Teatro. Ela também aparecera em 1957 no filme musical feito para a TV "Cinderella", que quebrou recordes, sendo assistido por mais de 100 milhões de telespectadores, e que rendeu-a uma indicação ao Emmy, o prêmio máximo da televisão.

Julie tornou-se a única atriz a ter vencido um Oscar (na categoria Melhor atriz) pela atuação num filme de Walt Disney, tendo este sido o musical Mary Poppins (1964), que também marcou sua estreia no cinema. Quando estrelou o clássico A noviça rebelde ("The Sound of Music", 1965), uma das maiores bilheterias de todos os tempos[5] , que rendeu-a uma segunda indicação ao Oscar, sua imagem foi consolidada como a de artista mais bem-sucedida dos anos 60, tornando-se até os dias de hoje imensamente admirada em todo o planeta. Outros de seus sucessos foram os filmes Não podes comprar o meu amor, também conhecido no Brasil como A americanização de Emily ("The Americanization of Emily", de 1964, que ela descreveu como seu filme preferido), Havaí ("Hawaii", 1966), Cortina rasgada, ("Torn Curtain", 1966, de Alfred Hitchcock) e Positivamente Millie ("Thoroughly Modern Millie", 1967), que fizeram dela a atriz mais lucrativa da época[6] .

Nos anos 70 a carreira cinematográfica de Andrews abrandou após as decepções comerciais de A Estrela ("Star!", 1968), Lili, minha adorável espiã ("Darling Lili", 1970) e Sementes de tamarindo ("The Tamarind Seed", 1974), embora retornasse à proeminência com o sucesso dos filmes Mulher nota 10 ("10", 1979) e Victor ou Victória? ("Victor/Victoria", 1982), recebendo, pelo último, sua terceira indicação ao Oscar. Nos anos seguintes da década de 80, ela estrelou filmes aclamados pela crítica mas que foram fracassos comercias, como Assim é a vida ("That's Life!", 1986) e Sede de amar ("Duet for One", 1986), retirando-se do cinema na década de 90.

A década de 2000 marcou o seu bem-sucedido retorno ao cinema, com as participações nos sucessos O diário da princesa ("The Princess Diaries", 2001), a sequência O diário da princesa 2: casamento real ("The Princess Diaries 2: Royal Engagement", 2004), a franquia Shrek (2004-2010) e Meu malvado favorito ("Despicable Me", 2010). Seu alcance vocal, que era impressionante, fora danificado em 1997 após uma mal-sucedida cirurgia para a retirada de alguns nódulos não-cancerosos de sua garganta, fato que a deixou profundamente deprimida, chegando a ter acompanhamento psicológico com o intuito de superar a perda. Em 2003, Andrews revisitou seu primeiro sucesso da Broadway, porém como diretora de teatro, com uma nova montagem de "The Boy Friend", no Teatro Bay Street, em Nova York.

Andrews também escreve livros infantis, além de ter publicado, em 2008, sua autobiografia, "Home: A Memoir of My Early Years". Além de ter ganho um Oscar, ela é detentora de cinco Globos de Ouro, três Grammys e dois Emmys, entre outros prêmios. Em 1996 ela recusou uma indicação ao Tony de melhor atriz em musical, mesmo sendo a favorita a ganhá-lo, pela performance na peça "Victor/Victoria" - ela o fizera porque o restante do elenco e equipe foram desconsiderados da premiação. Por sua contribuição à indústria cinematográfica, possui uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, localizada em 6901 Hollywood Boulevard[7] .

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Batizada com o nome de Julia Elizabeth Wells, seu pai era um professor de trabalhos manuais chamado Edward Charles "Ted" Wells, e sua mãe uma pianista de nome Barbara Ward Wells (nascida Morris).

Aos dois anos de idade começou a estudar dança com sua tia Joan. Quando completou quatro anos, após o divórcio de seus pais, ela foi morar com a mãe e o padrasto, Ted Andrews, um cantor e artista de vaudeville. Foi Ted Andrews quem descobriu que ela possuía uma voz que, devidamente trabalhada, iria torná-la famosa em toda Inglaterra. Deste herdou o sobrenome, Andrews, adotado legalmente, tendo mudado também o prenome para Julie. Sendo verificado que sua laringe era completamente desenvolvida aos sete anos, começou a ter aulas de canto com Madame Lilian Stiles-Allen[8] .

Carreira[editar | editar código-fonte]

Encenando a peça My Fair Lady na Broadway, com Rex Harrison, em 12 de março de 1957
Encenando a peça My Fair Lady na Broadway, com Rex Harrison, em 12 de março de 1957
Encenando Camelot na Broadway, com Richard Burton, no início dos anos 60
Encenando Camelot na Broadway, com Richard Burton, no início dos anos 60
trailer de Mary Poppins (1964) apresentando a estrela Julie Andrews, que fazia a sua estreia no cinema
trailer de Mary Poppins (1964) apresentando a estrela Julie Andrews, que fazia a sua estreia no cinema
Julie como Mary Poppins no filme homônimo
Julie como Mary Poppins no filme homônimo
Cena de Mary Poppins
Cena de Mary Poppins

Ela iniciou sua vida artística aos nove anos de idade, integrando o número formado por sua mãe e seu padrasto, que se apresentavam para as tropas britânicas durante a Segunda Guerra Mundial, em 1945. Nos palcos da West End, em Londres, ela faria sua estreia em 1948, mas somente em 1954 estrearia nos palcos da Broadway, em The Boy Friend. Com sua belíssima voz de soprano, Julie conseguiu encantar as plateias, ganhando reconhecimento através de suas performances em sucessos da Broadway como My Fair Lady e Camelot. Sua vocação para a música e para o estrelato chamou a atenção de Walt Disney, que a convidou para interpretar o papel principal no filme Mary Poppins, musical com o qual levou um Oscar de melhor atriz logo em sua estreia no cinema.

Naquele ano de 1964 seria lançada pela Warner Bros a versão cinematográfica da peça My Fair Lady, que recebeu o título de Minha bela dama no Brasil. Audrey Hepburn fora convidada para interpretar o papel criado por Julie nos palcos, mas não achou conveniente aceitar e pediu ao presidente da Warner, Jack Warner, que oferecesse o papel à Julie, uma vez que ela era a estrela original da obra. Warner insistia que esta não era uma boa ideia, alegando que o fato de Julie não possuir na época experiência no cinema poderia comprometer o sucesso do filme. Ele também informou a Audrey que, caso ela não aceitasse o convite, o papel seria interpretado por Elizabeth Taylor. No final das contas, Audrey acabou dizendo sim para Warner, ao passo que Julie, independente de Minha bela dama, fez sua estreia nas telas pelas mãos de Walt Disney, com Mary Poppins, o que lhe garantiu o status de revelação do cinema e estrela do ano, face a sua brilhante performance e ao estrondoso sucesso do filme. Quando Andrews foi premiada com o Oscar de melhor atriz, enquanto Hepburn sequer fora indicada, comentários maldosos da época sobre uma suposta rivalidade entre Andrews e Hepburn começaram a ganhar espaço, apesar de ambas as atrizes negaram tais afirmações, tendo as duas inclusive aparecido em várias fotos juntas durante a premiação do Oscar naquele ano. Audrey parabenizou Julie por sua vitória sobre o prêmio, e Julie achou bastante injusto Audrey não ter sido indicada por sua performance. Ainda hoje Julie comenta que Audrey foi uma das mulheres mais admiráveis que ela já conheceu.

Outro fato curioso é que, durante a cerimônia de entrega do Globo de Ouro para Melhor atriz em filme musical, Julie Andrews, que também vencera este prêmio, teve a oportunidade de executar a sua 'doce vingança', como muitos têm chamado, sobre Jack Warner, antes duvidoso em relação à sua capacidade como atriz de cinema; com muita distinção e elegância, em seu discurso de agradecimento pelo prêmio, Julie disse estar grata principalmente a Warner, pois graças a ele tê-la negado o papel principal em Minha bela dama que ela aceitou fazer Mary Poppins, e se isso não tivesse acontecido ela provavelmente não estaria recebendo aquele prêmio. Um discurso breve - que se tornou histórico, algo que foi bastante comentado à época e que o tem sido ainda hoje.

Outros filmes importantes se seguiram, como Não podes comprar o meu amor ("The Americanization of Emily", 1964), Cortina Rasgada, ("Torn Curtain", 1966, de Alfred Hitchcock), Havaí ("Hawaii", 1966), Positivamente Millie ("Thoroughly Modern Millie", 1967) A Estrela ("Star!", 1968) e Victor ou Victoria? ("Victor/Victoria", 1982), mas talvez sua atuação mais lembrada, aquela que se tornou indissociável de sua imagem no cinema, tenha sido a da jovem Maria, em A noviça rebelde, ("The Sound of Music", 1965), um dos grandes musicais da Fox, em que faz o papel de uma noviça sem vocação para a vida consagrada que vai cuidar das sete crianças indisciplinados do capitão Georg Von Trapp (Christopher Plummer) e, adorada pelas crianças, apaixona-se pelo patrão, sendo correspondida. O filme é baseado na história verídica da família de cantores Von Trapp.

Somente entre 1964 e 1967 Julie Andrews conseguiu tornar-se uma das atrizes de cinema que fizeram mais sucesso em menos tempo. Ela começou estrelando Mary Poppins, maior bilheteria de 1964 e uma das maiores da História, seguindo com A noviça rebelde, maior sucesso de 1965 e que hoje se mantém como a terceira maior bilheteria da história do cinema - de acordo com os valores ajustados pela inflação[9] -, depois o filme Havaí, que fora o mais bem-sucedido de 1966, também o suspense Cortina rasgada, do mesmo ano, que apesar das más críticas teve uma das maiores bilheterias da Universal, e a comédia musical Positivamente Millie, presente no top 10 dos filmes de maior bilheteria em 1967, que venceu o Oscar de melhor trilha sonora.

No fim de 1997, Julie teve de cancelar um show quando desenvolveu alguns problemas vocais. Posteriormente, ela se submeteu a uma cirurgia para retirar alguns nódulos não-cancerosos de sua garganta, o que a tornou incapaz de cantar. Em 1999, entrou com um processo de negligência médica contra os médicos do Hospital Monte Sinai, de Nova York. Inicialmente, os médicos garantiram que ela recuperaria sua voz dentro de seis semanas, mas sua enteada, Jennifer Edwards, disse em 1999 que dois anos já se haviam passado, e a voz dela cantando não estava a mesma. A ação foi estabelecida em setembro de 2000.

Década de 2000 - Presente[editar | editar código-fonte]

Julie Andrews em 2003

Depois de um longo período afastada do cinema, voltou com sucesso na década de 2000 estrelando filmes familiares como O diário da princesa ("The Princess Diaries", 2001), que revelou o talento de Anne Hathaway, e que teve uma continuação, O diário da princesa 2: casamento real ("The Princess Diaries 2: Royal Engagement", 2004), também estrelada por Julie e Anne Hathaway. Julie também fez dublagens em alguns filmes de animação: em 2004 fez a voz da Rainha Lillian, a mãe da Princesa Fiona (voz de Cameron Diaz) no blockbuster animado Shrek 2, retomando o papel de sua sequência, Shrek Terceiro, em 2007. No mesmo ano, narrou Enchanted, comédia musical satírica a filmes clássicos da Disney, como Mary Poppins. Em 2010 dublou novamente a Rainha Lillian, em Shrek para sempre, o último da franquia Shrek.

Entre as diversas atividades beneficentes e filantrópicas das quais participou, recebeu o título de Embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas para a UNIFEM, Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para Mulheres. Em 2001 Julie Andrews foi homenageada pela Society of Singers, durante a celebração de gala, por seu incomparável conjunto de realizações na carreira.

Em 2003, Julie dirigiu o sucesso da Broadway que marcou sua estreia nos palcos,The Boy Friend, no Bay Street Theatre em Nova York, e em 2005 dirigiu a mesma peça no Goodspeed Opera House, no Connecticut.

Em 2008, publicou sua autobiografia, Home: A Memoir of My Early Years.

Voltou a cantar publicamente num show realizado em Londres no dia 8 de maio de 2010, que foi um sucesso de público. Apesar de ter recuperado algumas notas que não conseguia alcançar após a cirurgia na garganta, a maioria de suas canções foram acompanhadas por outros cantores.

Casamentos e filhos[editar | editar código-fonte]

Andrews casou-se duas vezes: em 1959, com o cenógrafo e figurinista Tony Walton, quem havia conhecido em 1948 enquanto ela fazia um show em Londres, e de quem se divorciou em 14 de novembro de 1967; e em 1969, com o cineasta Blake Edwards, que a dirigiu em oito filmes: Lili, minha adorável espiã ("Darling Lili", 1970); As sementes de tamarindo ("The Tamarind Seed", 1974); Julie and Dick at Covent Garden (1974); Mulher nota 10 ("10", 1979); S.O.B. (1981); Victor ou Victoria? ("Victor/Victoria", 1982); O homem que amava as mulheres ("The Man Who Loved Women", 1983); e Assim é a vida ("That's Life!", 1986).

Julie é a mãe querida de seus cinco filhos: Emma Kate (fruto do primeiro casamento), os dois filhos de Edwards, Jennifer e Geoffrey, e Amy e Joanna, estas últimas adotadas pelo casal em 1974. Julie e Edwards foram casados até a morte do diretor, em 16 de dezembro de 2010. Em homenagem a ele, ela sempre pedia para que os livros infantis que ela escreve aparecessem como sendo de autoria de Julie Andrews Edwards.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Andrews em 1965
Julie em Sidney, Austrália, em 16 de maio de 2013
Sidney, 16 de maio de 2013
autógrafo e impressões das mãos e dos pés de Julie Andrews na calçada do Teatro Chinês em Hollywood
estrela de Julie Andrews na Calçada da Fama de Hollywood
ANO TÍTULO
DO FILME
PERSONAGEM
NO FILME
PEQUENAS
OBSERVAÇÕES
1949 La Rosa di Bagdad Princesa Zeila voz (dublagem)
1964 Mary Poppins Mary Poppins Oscar de Melhor Atriz
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
BAFTA de Melhor Atriz Britânica
Golden Laurel Awards de Melhor Atriz Principal
David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira
The Americanization of Emily Emily Barham
1965 The Sound of Music Maria von Trapp Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
BAFTA de Melhor Atriz Britânica
Golden Laurel Awards de Melhor Atriz Principal
David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira
Indicada - Oscar de Melhor Atriz
Indicada - César de Melhor Atriz Estrangeira
1966 Torn Curtain Dra. Sarah Louise Sherman
Hawaii Jerusha Bromley
1967 Thoroughly Modern Millie Millie Dillmount Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1968 Star! Gertrude Lawrence Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1970 Darling Lili Lili Smith (Schmidt) Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1974 The Tamarind Seed Judith Farrow
1979 Mulher nota 10 Samantha Taylor Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1980 Little Miss Marker Amanda
1981 S.O.B. Sally Miles
1982 Victor/Victoria Victor/Victoria Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
BAFTA de Melhor Atriz Britânica
Kansas City Film Critics Circle Awards - Melhor Atriz Principal
David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira
National Board of Review de Melhor Atriz Principal
Indicada - Oscar de Melhor Atriz
Indicada - César de Melhor Atriz Estrangeira
Trail of the Pink Panther Participação especial
1983 The Man Who Loved Women Marianna
1986 That's Life! Gillian Fairchild Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
Duet for One Stephanie Anderson Indicada - Globo de Ouro de Melhor Atriz - Drama
1991 Cin cin (filme italiano) Mrs. Pamela Piquet A Fine Romance - título nos Estados Unidos
2000 Relative Values Felicity Marshwood
2001 The Princess Diaries Rainha Clarisse Renaldi
2002 Unconditional Love Participação especial
2004 Shrek 2 Rainha Lillian voz (dublagem)
The Princess Diaries 2: Royal Engagement Rainha Clarisse Renaldi
2007 Shrek the Third Queen Lillian voz (dublagem)
Enchanted Narradora voz (dublagem)
2010 Tooth Fairy Lili
Shrek Forever After Rainha Lillian voz (dublagem)
Despicable Me Gru's Mom voz (dublagem)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Julie Andrews
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Julie Andrews
Precedida por:
Patricia Neal
por Hud
Oscar de Melhor Atriz
por Mary Poppins

1964
Sucedida por:
Julie Christie
por Darling
Precedida por:
Shirley MacLaine
por Irma la Douce
Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical
por Mary Poppins

1964
Sucedida por:
Julie Andrews
por The Sound of Music
Precedida por:
Julie Andrews
por Mary Poppins
Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical
por The Sound of Music

1965
Sucedida por:
Lynn Redgrave
por Georgy Girl
Precedida por:
Bernadette Peters
por Pennies from Heaven
Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical
por Victor/Victoria

1982
Sucedida por:
Julie Walters
por Educating Rita
Precedida por:
Shirley Temple
Prémio Screen Actors Guild Life Achievement Award
2006
Sucedida por:
Charles Durning