Junta militar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Junta militar é um governo formado por altos comandantes das forças armadas de um país, normalmente após a tomada do poder por meio de um putsch ou golpe de estado.[1] A junta pode estar diretamente a cargo das funções de governo ou exercer nominalmente um papel consultivo, delegando o cargo político concreto a um de seus membros ou a outro representante.

Diferente das ditaduras carismáticas, centradas em um líder fortemente personalizado, as juntas respondem em geral a situações de forte instabilidade política, onde interesses ideológicos levam os setores mais conservadores a controlar o poder diretamente. A ameaça comunista motivou nominal ou realmente à tomada de poder por juntas militares em vários países, nas décadas de 1950, 1960 e 1970.

Exemplos de juntas militares[editar | editar código-fonte]

Países actualmente regidos por juntas militares[editar | editar código-fonte]

  • Egipto (desde 2013, após suspenderem a constituição e deporem o então presidente Mohamed Morsi)
  • Fiji (desde 2006)

Referências

  1. Bounded Missions: Military Regimes and Democratization in the Southern Cone and Brazil. Craig L. Arceneaux. Penn State Press. ISBN 9780271021041 (2001)
Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.