Jutaí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Município de Jutaí
"Juta"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 1728
Gentílico jutaiense
Prefeito(a) Marlene Gonçalves Cardoso (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Jutaí
Localização de Jutaí no Amazonas
Jutaí está localizado em: Brasil
Jutaí
Localização de Jutaí no Brasil
02° 44' 49" S 66° 46' 01" O02° 44' 49" S 66° 46' 01" O
Unidade federativa  Amazonas
Mesorregião Sudoeste Amazonense IBGE/2008[1]
Microrregião Alto Solimões IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes São Paulo de Olivença, Amaturá, Juruá, Benjamin Constant, Santo Antônio do Içá, Tonantins, Fonte Boa, Carauari, Pauini e Eirunepé.
Distância até a capital 632 km
Características geográficas
Área 69 551,856 km² (BR: 9º)[2]
População 17 376 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 0,25 hab./km²
Clima Equatorial Am
Fuso horário UTC-5
Indicadores
IDH-M 0,516 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 49 510,644 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 855,78 IBGE/2008[5]
Página oficial

Jutaí é um município do Estado do Amazonas, na microrregião do Alto Solimões, mesorregião do Sudoeste Amazonense. O município tem cerca de 25 mil habitantes e 69.857 km². Foi criado em 1955. É o município do Brasil com mais elevado índice de Gini, segundo cálculos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de 2001, sendo, portando, o município com maior desigualdade de renda do país, porém, possui a terceira menor taxa mortalidade infantil do Brasil, de apenas 1,7 morte a cada 1.000 nascidos vivos.[6]


História[editar | editar código-fonte]

As origens do Município de Jutaí remontam ao século XVII, quando o jesuíta Samuel Fritz fundou a aldeia de Tefé. A região foi posteriormente objeto de disputa entre espanhóis e portugueses, vencendo estes, em fins do século XVIII. Elevado a município, Tefé em meados do século XIX chega a ter uma área de 500.000 km². Posteriormente, ocorreram vários desmembramentos, dando origem a vários municípios, entre os quais em 1891, o de Fonte Boa. Em 1928, este município toma-se sede de Comarca. Em 19 de Dezembro de 1955, pela Lei Estadual n°. 96 aproximadamente metade do território do município de Fonte Boa é desmembrado, passando a constituir um novo município, chamado de Jutaí, cuja instalação se dá em 11 de Abril de 1956.

Política[editar | editar código-fonte]

Jutaí tem como prefeita Marlene Gonçalves Cardoso, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Somando o número da sede e da zona rural, Jutaí tem cerca de 10.222 eleitores.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Tem uma área territorial de 69.857 km², limitando com os municípios de Fonte Boa, Juruá, Carauari, Itamarati, Eirunepé, Benjamin Constant, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Içá e Tonantins. Jutaí ainda conta com uma imensa área rural na qual contêm mais de 97 vilas e comunidades rurais, das quais as mais importantes são: Copatana, Acapurí, Copessú, Porto Antunes, Pinheiro, Piranha, Marauá, Vila Efrain e lçapó. Possui clima tropical chuvoso e temperatura média anual de 26,9°C, tendo uma altitude de 70 m acima do nível do mar.

Economia[editar | editar código-fonte]

Setor primário: Mesmo não apresentando grandes índices de produção, o município temm destaque na produção de mandioca, seguindo-se o abacaxi, cana-de-açúcar, melancia, milho, açaí e em grande expansão, a pupunha. É importante ressaltar a produção e criação do pescado. Pelo menos dois criadores de peixe tem intensificado a pesca quer na criação e na compra para exportação do pescado, principalmente o tambaqui e peixe liso. Com relação à pecuária é pequena a criação de bovinos, mas, já em processo de sustentação para a população local. Outras criações existem apenas para o consumo doméstico, o extrativismo vegetal muito praticado até os últimos anos indiscriminadamente vem aos poucos sendo legalizado, mas de forma muito delicada, o que facilita a exploração de madeira de lei.

Setores secundário e terciário: O município dispõe de pelo menos seis serrarias de pequeno e médio porte e de duas marcenarias para o beneficiamento da madeira. No setor terciário, a sede do município conta com cerca de 15 estabelecimentos comerciais de médio porte e de 70 estabelecimentos de pequeno porte, 02 correspondentes bancário (Bradesco - Banco Postal) e Caixa Econômica 04 hotéis e algumas pensões, além de restaurantes e lanchonetes.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Segurança[editar | editar código-fonte]

A segurança é executada pelas polícias militar e civil que dispõem de apenas uma delegacia com delegado e cerca de 06 policiais e 01 viaturas.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

A ECT mantém uma agência postal informatizada onde também funciona o Banco Postal. O sistema de telefonia funciona com serviço da TELEMAR, com os serviços de ligações LOCAIS, DDD, DDI e tem cerca de 600 linhas instaladas na sede e cerca de 50 linhas na comunidade de Copatana, além de atendimento com telefone público em várias comunidades rurais.A telefonia móvel resulta aproximadamente e mais de 5.000 linhas regidas com os serviços da vivo que representa 98% das linhas 2% entre oi e claro brasil. O sistema de comunicação via web é privado e bastante precário, considerado um dos mais caros do planeta, pagando R$120 por um trafego de inacreditáveis 64kb enquanto em outras localidades se paga R$0,6 centavos por transferência de 6Gb. A tecnologia disponível de transferência de dados ainda é a quase extinta GSM. Também conta com dois canais de TV aberta[7] (a TV Em Tempo afiliada ao SBT,, e a TV Amazonas, afiliada da Rede Globo,)

Saneamento básico[editar | editar código-fonte]

O abastecimento de água é feito pelo Departamento de Águas ("D'águas"), mantido pelo município, com captação do tipo subterrâneo através de 06 poços artesianos em 15.000 metros de rede que atende cerca de 1.300 domicílios.

Energia[editar | editar código-fonte]

A produção e distribuição de energia elétrica estão a cargo da CEAM e da Eletrobrás, que mantém uma usina a diesel com 04 grupos geradores que somam uma potência de 1.680 KV A, de 127 a 13.800 volts, num total de 18.000 metros de rede, que atendem 1.407 consumidores.

Transporte[editar | editar código-fonte]

O meio de transporte mais utilizado na sede do município é a motocicleta. Cerca de 90 motoristas fazem serviços de moto-táxi transportando pessoas para os mais diversos pontos da sede. Utilizam-se muito, veículos como caminhonetes para o transporte de cargas e poucos são os carros de passeio. Para fora da sede o transporte mais comum são as canoas com motores de popa e para outros lugares navega-se em barcos recreios de linha Manaus-Tabatinga, Manaus-Jutaí ou Tefé-Jutaí e recentemente com serviços de motores a jato. Para utilizar o transporte aéreo é necessário deslocar-se até Fonte Boa ou Tefé para e então tomar avião para Manaus ou outros lugares, sendo há uma pequena pista de terra batida para pequenas aeronaves de monomotor.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Desde 2003 pequenos grupos mobilizaram-se para a realização do Carnaval Jutaiense com apresentação de dois blocos carnavalescos que são Unidos do Centro E Mocidade Indeprendente do Tigrão que até hoje disputam títulos. Também é tradição a comemoração os festejos ao padroeiro do município, São José Operário.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2013 (PDF). Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Página visitada em 29 de agosto de 2012.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Indicadores Sociais 2003 de Jutaí-Amazonas (PDF). Amostra por Domicilios 2003. Página visitada em 22 de outubro de 2010.
  7. http://www.portalbsd.com.br/novo/terrestres_channels.php?channels=156

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Amazonas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.