Juventude Socialista (PDT)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Juventude Socialista do PDT é a organização de jovens do PDT, o Partido Democrático Trabalhista. Fundado em 1981, congrega jovens trabalhistas e socialistas que acreditam no trabalhismo como o caminho genuinamente brasileiro para a construção de uma sociedade socialista. A JS PDT é a primeira organização de jovens dentro de um partido político.


Movimentos precursores - A Ala Moça e a Mocidade Trabalhista do PTB (1945-1964)[editar | editar código-fonte]

Os movimentos precursores das juventudes trabalhistas foram a Ala Moça, fundada em 1945 após a criação do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e mais tarde a Mocidade Trabalhista, iniciada em 03 de outubro de 1952 na V Convenção Nacional do PTB - de onde João Goulart (Jango) se tornaria o presidente nacional da legenda até o Golpe Civil-Militar de 1964.

O primeiro presidente da Ala Moça seria Leonel Brizola, logo após a fundação do PTB pelos setores operários e estudantis, liderado por José Vecchio. A Ala Moça foi o fruto da união de estudantes e jovens trabalhistas que, aderindo às políticas sociais promovidas por Getúlio Vargas com o Movimento Queremista, não seguiriam nem o projeto liberal dos jovens que compunham a recém-criada UDN (os famosos "punhos de renda") e nem o dogmatismo dos jovens adeptos ao PCB.

Da Ala Moça, surgiriam quadros juvenis de projeção como Fernando Ferrari, Sereno Chaise, Pedro Simon, Ney Ortiz Borges, Antônio de Pádua Ferreira da Silva e Armando Temperani Pereira.

Mais tarde, a agremiação juvenil trabalhista mudaria seu nome para Mocidade Trabalhista, em 03 de outubro de 1952, na V Convenção Nacional do PTB realizado em Petrópolis. Além de João Goulart assumir a Presidência Nacional do PTB, o novo Presidente da Mocidade seria Feliciano Araújo. Nesta organização, haveriam quadros que, mais tarde, fariam parte da política estudantil durante a década de 1960. Existiam quadros políticos jovens da Mocidade Trabalhista que pertenceram à Ação Popular (AP), tais como Vania Bambirra, Herbert de Souza (Betinho) e Vinicius Caldeira Brant. Outros jovens da Mocidade fizeram parte da Organização Marxista Revolucionária/Política Operária (ORM-POLOP), como Theotonio dos Santos, Ruy Mauro Marini e Maria do Carmo Brito. A Mocidade Trabalhista também geraria quadros de vulto como Matheus Schmidt, Pedro Porfírio e Danilo Groff.

Origens da Juventude Socialista do Partido Democrático Trabalhista (JS-PDT)[editar | editar código-fonte]

No processo de redemocratização, com a formação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em 26 de maio de 1980 - fruto da perda da sigla do PTB pelo grupo de Ivete Vargas - seria necessário a criação de uma juventude que dialogasse com o segmento jovem os valores do trabalhismo, com uma perspectiva de âmbito socialista. Dois núcleos seriam formados, a partir de 1978, sendo denominados de "Juventude Trabalhista do PTB". No RJ, era liderado por Alfredo Sirkis, enquanto que, no Rio Grande do Sul, teria a liderança de Calino Pacheco Filho.

No retorno de Brizola ao Brasil em 07 de setembro de 1979, na cidade de São Borja, um conjunto de jovens carregaria uma faixa com o slogan "Juventude Trabalhista, Popular e Socialista". Ele inspiraria mais tarde a formação da futura Juventude do PDT que, em seu I Encontro Nacional, entre os dias 14 e 15 de fevereiro de 1981, teria como tema o mesmo slogan da faixa utilizada em setembro de 1979.

A Juventude Trabalhista do PDT (JT), fundada oficialmente em 15 de fevereiro de 1981, se constituiu numa organização política de jovens que se configurava na luta e na defesa pela soberania nacional, pelo nacionalismo democrático-popular, pelo trabalhismo e pela defesa dos ideais socialistas. Estiveram presentes 123 delegados, oriundos de 10 estados e mais o Distrito Federal, com o destaque às bancadas de delegados oriundos do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Entre seus componentes, circulavam social-democratas, socialistas e comunistas - associados à corrente prestista. Embora o nome inicial em destaque fosse Alfredo Sirkis, entretanto, após a cisão das bancadas do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, Anacleto Julião seria o primeiro presidente desta nova organização juvenil.

No seu I Congresso Nacional (23 e 24 de janeiro de 1982), na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, a JT reconduziria Anacleto Julião para a Presidência da Juventude, com Hélio Rabelo na Vice-Presidência e Milton Zuanazzi como Secretário-Geral. Foram também escolhidos ao primeiro Diretório Nacional 30 membros titulares e 15 suplentes. A JT somente se transformaria na Juventude Trabalhista e Socialista (JTS) no seu II Congresso Nacional, realizado na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, entre os dias 12 e 14 de outubro de 1983 - uma vez que, embora boa parte dos quadros juvenis fosse de viés prestista e socialista, a escolha da sigla JS teria resistência inicial do próprio Leonel Brizola - que cria na Juventude nos moldes da antiga Mocidade Trabalhista do PTB pré-1964. Anacleto Julião estava confirmado como o Presidente da Juventude e seu Vice-Presidente seria Hélio Rabelo.

Entretanto, entre 1° e 3 de fevereiro de 1985, o III Congresso Nacional da JTS consagraria o nome da juventude do PDT como Juventude Socialista (JS), com a aprovação de uma forte bancada constituída por marxistas e, em destaque, os oriundos do segmento prestista e do Coletivo Gregório Bezerra (CGB). Seu novo presidente seria Carlos Alberto Tejera De Ré (Minhoca) e a sua Vice-Presidente era Izaura Gazen. Dentre os quadros proeminentes com presença neste congresso, com a presença de mais de 500 delegados, estava Vieira da Cunha. Mais tarde, Izaura assumiria a presidência desta agremiação a partir do IV Congresso Nacional da JS (novembro de 1986) até a realização do V Congresso Nacional (23 de junho de 1989), onde Anthony Garotinho, Miguel Zuanazzi e Fábio Maciotti fariam parte do inédito triunvirato para assumir o comando da Juventude, em um congresso bastante controvertido. Nesta etapa, já havia dentro da JS quadros de envergadura como André Figueiredo, Julio Cesar Chaise, Aurélio Fernandes, Ronaldo Selle, Jerry Abrantes, Giles Azevedo e Léo de Souza. O retorno ao presidencialismo, entretanto, apenas voltaria em junho de 1996, com a realização do VIII Congresso Nacional em Curitiba, com a posse de Flávio Zacher e a presença, na Executiva Nacional, de quadros como Sandro Alencar e André Menegotto.

Na JS, surgiram grandes expoentes do trabalhismo, além de ter uma participação destacada nos movimentos juvenis, como a UNE e a UBES. Na UBES, a JS já teria participação em meados da década de 1980, tornando-se a 3ª maior força política desta entidade. Na UNE, embora a JS esboçasse a sua entrada em 1986, com a candidatura de Aurélio Fernandes à Vice-Presidência da Região Sudeste na chapa de oposição PT-PDT-PRC, o primeiro Diretor da UNE pela JS seria Ivanilson Gomes, no 41° Congresso da UNE, em 1991. A partir de meados para o final da década de 1990, a JS passaria a ter quadros destacados na UNE, na UBES e nas demais entidades estudantis estaduais, como Flávio Zacher, Luiz Klippert, André Luiz Bernardes, André Menegotto, Sandro Alencar, Márcio Bins Ely, Sósthenes Macedo, Weverton Rocha, Saney Sampaio, Carlos Brum e Henrique Matthiesen. Destes, a JS lograria com a presença de Zacher (1995-1997), Klippert (1997-1999), Sósthenes (1999-2003) e Saney (2003-2005) na Secretaria-Geral da UNE, além da presença de André Luiz Bernardes (1999-2000) e de Henrique Matthiesen (2000-2003) na Vice-Presidência da UBES.

A partir das suas bandeiras, a JS, ao longo de sua existência, imprimiu marcas que conduziriam ao PDT lograr a sua coerência política, em momentos cruciais - inclusive, nas eleições de 2006, ao conseguir que a agremiação trabalhista não apoiasse nenhum dos candidatos, na defesa dos princípios ideológicos.

Durante o XII Congresso Nacional da JS, em Belo Horizonte-MG, nos dias 03 e 04 de dezembro de 2005, o ex-Ministro do Trabalho e Emprego Brizola Neto (PDT-RJ) seria eleito como Presidente da Executiva Nacional da JS. Em 2007 a presidência foi ocupada pelo gaúcho Luizinho Martins que assumiu após o XIII Congresso na Cidade do Rio de Janeiro. Na sua gestão, a JS se consolidaria em praticamente todas as unidades da federação do país. Em 2009, no XIV Congresso Nacional realizado em Praia Grande - SP, Luizinho Martins foi reeleito. Entretanto, em janeiro de 2011, Luizinho se licenciaria e, em seu lugar, assume Everton Wan-Dall. Depois, Weverton Rocha tomaria as funções presidenciais em outubro de 2011, até o retorno de Luizinho Martins às suas funções em janeiro de 2012. No XV Congresso, Luiz Marcelo Camargo seria eleito Presidente, tendo como o seu 1° Vice-Presidente o carioca Everton Gomes e o 2º Vice-Presidente, o cearense Julio Brizzi.

Na atual gestão, dentre outras atividades, a JS participou efetivamente 55° Conselho Nacional de Entidades Gerais (CONEG), na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e nos 50º, 51º e 52º Congressos da União Nacional dos Estudantes (CONUNE), com a participação destacada com o MOVIMENTO REINVENTAR, a partir da construção das suas teses "Reinventar o Brasil e o Movimento Estudantil" e “Pátria amada, Brasil”, além de retornar, após 10 anos, à UBES, no seu 39° Congresso, realizado no início de dezembro de 2011 em São Paulo.

Fundação da JS PDT - Estado de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Mediante um processo histórico,conduzido pelo Presidente Nacional da Juventude Socialista do PDT Luiz Marcelo Camargo e do grande quadro do PDT, Henrique Matthiesen que coordenou os movimentos do PDT no Estado. A JS PDT no estado de São Paulo,que havia sido deixada pela outra direção , que seguiu rumos com o Deputado Paulinho da força no seu novo partido Solidariedade foi reconstruida, o processo de reconstrução da JS PDT no estado de São Paulo foi natural,porém difícil já que toda estrutura partidária desmoronou-se,porém está sendo reerguida por Trabalhistas de garra que estão por todo o Estado de São Paulo, lutando para reconstruir o PDT e a JS PDT. O discurso do primeiro novo Presidente da JS PDT, Eduardo Alves, iniciando uma nova era, onde a Juventude está com quadros na sua executiva estadual verdadeiramente compromissados com o PDT e com o Povo Paulista; Eduardo destacou que, Neste momento, em que se inicia aqui em São Paulo um novo rumo para o nosso partido, é uma grande honra estar assumindo a Presidência Estadual da Juventude Socialista do PDT com o peso e a responsabilidade que isto representa.

Executiva Estadual da Juventude Socialista do PDT


 
 Presidente: Eduardo Alves (São Paulo), 

 Vice Presidente: Kaio Ruiz (Bauru) , 

 Vice Presidente: Odair Costa (Guarulhos), 

 Secretario Geral: Ewerton Roberto (Barretos), 

 Secretario de Comunicação: Regis Renzi (Mogi das Cruzes) , 

 Secretaria de Mulher: Tulasi Schot (Osasco) , 

 Secretaria de Formação Politica: Renatas Paredes (Osasco), 

 Secretario de Esportes: Foca (Americana), 

 Secretario de Movimentos Estudantil: Bruno ( Barueri).

Congressos da Juventude Socialista (Da JT à JS)[editar | editar código-fonte]

  • Encontro Nacional da JT - 14 e 15 fev 1981 (Rio de Janeiro (cidade)
  • I Congresso Nacional da JT - 23 e 24 jan 1982 (Rio de Janeiro)
  • II Congresso Nacional da JT - 12 a 14 nov 1983 (Rio de Janeiro)
  • III Congresso Nacional da JTS - 1º a 3 fev 1985 (Niterói)
  • IV Congresso Nacional da JS - 27 a 29 nov 1987 (Rio de Janeiro)
  • V Congresso Nacional da JS - 23 jun 1989 (Brasília) - Realizado junto com a Convenção Nacional do PDT
  • VI Congresso Nacional da JS - 15 a 17 nov 1991 (Vitória (Espírito Santo)) - "Refundação" da JS
  • VII Congresso Nacional da JS - 27 a 30 jan 1994 (Cuiabá)
  • VIII Congresso Nacional da JS - 31 de maio a 02 jun 1996 (Curitiba)
  • IX Congresso Nacional da JS - 26 e 28 março 1999 (Rio de Janeiro)
  • X Congresso Nacional da JS - jun 2001 (Brasília)
  • XI Congresso Nacional da JS - 29 e 30 nov 2003 (São Paulo (cidade)
  • XII Congresso Nacional da JS - nov 2005 (Belo Horizonte)
  • XIII Congresso Nacional da JS - 14 a 16 nov 2007 (Rio de Janeiro)
  • XIV Congresso Nacional da JS - 12 a 15 nov 2009 (Praia Grande (São Paulo))
  • XV Congresso Nacional da JS - 1° a 3 jun 2012 (Fortaleza)

Atual Executiva Nacional da JS-PDT[editar | editar código-fonte]

  • PRESIDENTE: Luis Marcelo Camargo (SC)
  • VICE PRESIDENTE: Everton Gomes (RJ)
  • VICE PRESIDENTE: Julio Brizzi (CE)
  • SECRETÁRIA GERAL: Marília Bayma (DF)
  • 1° SECRETÁRIO:Juliano Maciel (RS)
  • COMUNICAÇÃO: Vicente Silluzio (MG)
  • FORMAÇÃO POLÍTICA: ---------------------
  • NÚCLEOS DE BASE: William Rodrigues (RJ)
  • RELAÇÕES INTERNACIONAIS: Kleber Fernandes (RN)
  • RELAÇÕES INSTITUCIONAIS: Marcelo Barros (AM)
  • POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE: Allan Pombo (PA)
  • TESOUREIRO: Raimundo Penha (MA)
  • TESOUREIRO: Túlio Gadelha (PE)


DIRETORES DA UNE:

  • William Rodrigues (RJ) gestão 2013-2015 - antecessor: Tássia Bastos (BA)
  • Rafael Gutierrez (PA) gestão 2013-2015 - antecessor: Allan Pombo (PA)
  • Juliana Tramontini (PI) gestão 2013-2015
  • João Victor (CE) gestão 2013-2015

DIRETORES DA UBES:

  • Jonathan da Hora (SE) - gestão 2013-2015 antecessor: Luis Moreira (RJ) gestão 2011-2013
  • Robert William (MA) - gestão 2013-2015
  • Josi Gomes (RJ) - antecessor: Denis Ribeiro(MA) gestão 2013-2015

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • PDT [1]
  • JS Estado de São Paulo
  • Juventude Socialista [2]
  • JS Minas Gerais [3]
  • JS Rio de Janeiro [4]
  • Movimento Reinventar [5]
  • IUSY ( International Union Socialista of Youth) - Membro Pleno
  • FMJD ( Federação Mundial das Juventudes Democráticas) - Membro Observador