Kanji

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os kanji (漢字) são caracteres da língua japonesa adquiridos a partir de caracteres chineses, da época da Dinastia Han, que se utilizam para escrever japonês junto com os caracteres silabários japoneses katakana e hiragana.

No mundo ocidental, kanji, também é sinónimo de ideograma. Sempre foi muito utilizado na caligrafia para tatuagens. Devido ao imenso e variável número de kanji's, o ministério da educação japonês definiu, em 10 de outubro de 1981, a jōyō kanji, uma lista de kanji oficiais, distribuídos por ordem de traços, de 1 até 23.

História[editar | editar código-fonte]

Por volta do século IV foi estabelecida a escrita japonesa que combina o Kanji de origem chinesa com dois alfabetos silábicos japoneses, o hiragana e katakana e uma nova literatura.[1] Há algumas discordâncias sobre como os kanjis chineses chegaram ao Japão, mas é geralmente aceito que monges Budistas, ao voltar para o Japão, trouxeram consigo textos chineses por volta do século V. Esses textos estavam na língua chinesa, e num primeiro momento teriam sido lidos como tal. Com o passar do tempo, porém, um sistema conhecido como kanbun (漢文) foi desenvolvido no Japão; ele essencialmente usava sinais diacríticos japoneses nos textos Chineses para possibilitar aos falantes do japonês lê-los de acordo com as regras da gramática japonesa. A língua japonesa não possuía forma escrita definida naquele tempo. Surgiu um sistema de escrita no Japão chamado man'yogana que usava um limitado número de caracteres chineses baseados em sua pronúncia, ao invés de seu significado. Man'yõgana escrito em estilo curvilíneo se tornou hiragana, um sistema de escrita japonês que era acessível às mulheres (que na época não recebiam educação superior). O silabário katakana emergiu por um caminho paralelo: estudantes de monastério simplificaram man'yogana a um único elemento constituinte. Desta forma estes dois sistemas de escrita japonesa, o hiragana e katakana, referidos coletivamente como "kana", foram desenvolvidos com a finalidade de simplificação dos kanjis.

Caracteres chineses: Diferenças japonês-chinês[editar | editar código-fonte]

Os caracteres tradicionais e simplificados[editar | editar código-fonte]

O nome Kanji é derivado do chinês, e significa "caracteres da dinastia Han", durante o qual a escrita chinesa e o primeiro dicionário de caracteres unificados (o Jiezi Shuowen) foi criado na China.

Embora os kanjis japoneses são formados a partir destes, os dois são diferentes.

  • Por um lado não foram adquiridos todos os caracteres, por outro lado, alguns caracteres, os Kokuji assim chamados, foram desenvolvidos no Japão.
  • Os caracteres chineses foram simplificados na China e Japão ao longo dos anos, mais recentemente em 1947. As simplificações, no entanto, não foram iguais, de modo que toda uma série de caracteres estão agora disponíveis em três variantes, como caracteres da (China, Taiwan, Hong Kong) e da (Coreia, Singapura) e uma versão japonesa (Shinjitai).
  • A pronúncia é diferente.
  • Enquanto na língua chinesa todas as palavras e partículas gramaticais e as palavras estrangeiras são escritas com caracteres Kanji, na língua japonesa somente elementos mais significativos são escritas em kanji, como substantivos, raiz de verbos e adjetivos, seguidos de terminações em hiragana (para tornar o kanji radical em verbo, adjetivos, advérbios; ou somente o uso do hiragana, no que diz respeito as partículas mais variadas; além do uso do katakana para nomes estrangeiros e onomatopeias.


Caligrafia[editar | editar código-fonte]

Exemplo: evolução do caractere ma, cavalo [2] *
馬-oracle.svg
馬-bronze.svg
馬-bigseal.svg
馬-seal.svg
馬-clerical.png
馬-kaishu.svg
马-kaishu.svg
馬-caoshu.svg
Koukotsubun

(甲骨文)

Kinbun

(金文)

Daitensho

(大篆書)

Shoutensho

(小篆書)

Reisho

(隸書)

Kaisho

(楷書) Padrão Sino-japonês

Kaisho Padrão Chinês simplificado Sousho

(草書)

Estilos antigo e medieval
Estilos atuais


Ideogramas[editar | editar código-fonte]

Os kanjis são ideogramas que expressam coisas concretas e abstratas, através de radicais (partes indivisíveis dos kanjis) que dão a sugestão de que somadas formam a palavra (às vezes o radical é o próprio kanji, ou a palavra é formada por mais de um kanji). Há três tipos de kanjis:

Pictográficos: São desenhos de objetos e fenômenos do cotidiano. Exemplos:

  • 火 (Fogo. A lenha em chamas levantando labaredas para o alto)
  • 日 (Sol. O traço do meio representa a estrela em si, e o quadrado ladeador, seu brilho)
  • 月 (Lua. A esfera com a parte esquerda oculta pela sombra)
  • 川 (Rio. Os traços ilustram as curvas formadas pela correnteza)
  • 雨 (Chuva. Gotas caem do alto)
  • 人 (Pessoa. Duas pernas)
  • 木 (Árvore. Evidencia a árvore e suas principais ramificações)
  • 鳥 (Pássaro. Está de perfil, a cabeça tem uma pluma rebelde e está voltada para esquerda. abaixo, a asa seguida das garras ou patas)
  • 馬 (Cavalo. De perfil, seu pescoço e cabeça voltados para esquerda. Traços horizontais formam a crina, e os inferiores suas patas e parte traseira-inferior o rabo)
  • 龍 (Dragão. Do lado esquerdo temos sua face. A partir da padronização de caligrafia reisho (隸書) em diante (sem passar para as formas cursivas), sua boca e bigode se assemelham com o radicais "lua" ou "carne", mas não o são, porque este kanji é um radical por si só. No Japão, foi substituído por 竜 mas ainda é razoavelmente utilizado.)


Ideográficos: Representam o abstrato (sentimentos, ideias, números, etc.) Exemplos:

  • 一 (um. um traço horizontal simboliza a "unidade")
  • 二 (dois. dois traços, duas unidades)
  • 三 (três traços, três unidades)
  • 四 (quatro. Uma "caixa" 囗 com quatro cantos com os "membros humanos" (儿) que são quatro.)
  • 上 (em cima/superior. O traço menor está acima da superfície)
  • 下 (em baixo/inferior. O traço menor está abaixo da superfície)


Complexos: Existem dois tipos

1. Formados por radicais que juntos formam uma nova ideia. Exemplos

  • 明 (claridade. É formado pela combinação dos radicais 日(sol) e 月(lua)
  • 林 (bosque. É composto de dois radicais 木(árvore)
  • 森 (floresta. É formado por três radicais 木(árvore)
  • 男 (homem. É representado como "a força (力) e campos de arroz (田)"
  • 休 (descansar. A pessoa (人) numa árvore (木), relaxando.)
  • 好 (carinho, gostar. É o que a mulher (女) sente pelo filho (子).)

2. Um radical fornece o sentido, e outro a pronúncia (na maioria das vezes on-yomi). Exemplos:

  • 銅 (Cobre. O radical 金 significa "metal", enquanto "igual" (同) fornece a pronúncia on-yomi "dou")
  • 聞 (Ouvir, perguntar. O radical "orelha" (耳) dá o sentido, e "portão" (門) a pronúncia on-yomi "mon"
  • 姓 (sobrenome. É composto pelos radicais "vida"(生 - definidor da pronúncia on-yomi "sei") e "mulher"(女)

Okurigana[editar | editar código-fonte]

(送り仮名, literalmente "letras acompanhantes") são kanas que seguem o kanji na escrita de palavras japonesas. É usado geralmente para flexionar um adjetivo ou verbo, com o okurigana indicando o tempo do verbo (passado ou presente/futuro), dando um significado afirmativo/negativo, agregando um nível de cortesia, etc. Atualmente o okurigana se escreve com hiragana; antigamente, o katakana era usado em seu lugar. Por exemplo, o kanji 食 significa comer/comida, assim como o radical português com-. Isso é insuficiente, necessitando de uma terminação que dará o sentido. Por tanto, o verbo comer é escrito com a terminação "beru" 食べる (taberu), assim como em português, o prefixo com- necessita de "-er" para formar o verbo.

Formas verbais[editar | editar código-fonte]

Formas verbais: kanji + hiragana.

1. infinitiva/casual (-u): (う, -く, -ぐ, -す, -つ, -ぬ, -む, -る)

  • 読む (ler)

2. passiva/potencial (- u + aれる/られる)

  • ...(に)読まれる (é lido (por)...)
  • 読まれる (conseguir/ser capaz de ler)

3. Causativa (- u + aせる/させる)

  • 読ませた (obriguei a ler)


Tempos verbais[editar | editar código-fonte]

Passado[editar | editar código-fonte]

  • 食べた - (comi, comestes, comeu...)

Presente[editar | editar código-fonte]

  • 食べる (como, comes, come...)

Polidez[editar | editar código-fonte]

  • 食べます

Casual[editar | editar código-fonte]

  • 食べた - (comi, comestes, comeu...)

Formal[editar | editar código-fonte]

  • 食べました - (comi, comestes, comeu...)

Formas transitiva, intransitiva ou ambígua[editar | editar código-fonte]

  • 開けます (akemasu - Transitivo: abrir)
  • 開きます (akimasu - Intransitivo: se abrir)
  • 出す (dasu - Transitivo: enviar/despachar)
  • 出る (deru - Intransitivo: sair)
  • 見る (miru - Transitivo e intransitivo: ver)


Adjetivos[editar | editar código-fonte]

Com os adjetivos ocorre o mesmo. Um kanji para se tornar adjetivo ele deve ser seguido da partícula い ou suas flexões de tempo e posição (afirmativa ou negativa). Há poucos kanjis que sozinhos formam adjetivos com a partícula な. Exemplos:

  • 悪い (warui) Mal, ruim
  • 悪くない (warukunai) Não é mal, não é ruim
  • 悪かった (warukatta) Era mal, foi mal
  • 悪くなかった(warukunakatta) Não era mal

Há ainda kanjis que antes de formar um adjetivo com い deva ter outro hiragana (mas comumente し)

  • 新しい (atarashii) Novo
  • 新しくない (atarashikunai) Não é novo
  • 新しかった (atarashikatta) Era novo
  • 新しくなかった (atarashikunakatta) Não era novo
  • 静か(な) (shizuka-na) Calma (calmo(a))
  • 簡単(な) (kantan-na) Facilidade (fácil)


Leituras[editar | editar código-fonte]

Devido à maneira que os caracteres kanji foram adotados no Japão, um único kanji pode ser usado para escrever uma ou mais palavras e significados diferentes (ou, na maioria dos casos, morfemas). Pelo ponto de vista do leitor, é dito que os kanjis apresentam uma ou mais "leituras" diferentes. A escolha da leitura depende do contexto, significado pretendido, uso em compostos, e até a localização na frase. Alguns kanjis apresentam 10 ou mais leituras possíveis. Essas leituras são normalmente categorizadas como "on'yomi" ou "kun'yomi".

"On'yomi" (leitura chinesa)[editar | editar código-fonte]

"On'yomi" (音読み), a leitura sino-japonesa, é uma aproximação da pronúncia Chinesa do caractere na época em que ele foi introduzido no Japão. Alguns kanjis foram introduzidos várias vezes em épocas diferentes e a partir de distintas regiões e dialetos da China, por isso temos múltiplos "on'yomi" e às vezes múltiplos significados. Normalmente não iria se esperar que kanjis inventados no Japão tivessem uma leitura "on", (estilo chinês de leitura) mas há exceções, como o caractere 働 'trabalhar', que apresenta o kun'yomi "hataraku" e o on'yomi dõ, e 腺 'glândula', que tem somente o on'yomi

A leitura on'yomi ocorre principalmente em palavras compostas de múltiplos kanjis (熟語 jukugo), muitas das quais são o resultado da adoção (juntamente com o próprio kanji) de palavras Chinesas para conceitos que não existiam na língua japonesa da época. Esse processo é comparável ao empréstimo de palavras estrangeiras de origem latina pelo português."sem"

"Kun'yomi" (leitura japonesa)[editar | editar código-fonte]

A leitura kun'yomi (訓読み), ou "leitura nativa", é baseada na pronúncia de uma palavra originariamente japonesa, ou "yamatokotoba" (大和言葉), que se aproximava do significado do caractere chinês na época em que este foi introduzido. Assim como o on'yomi, pode haver várias leituras kun'yomi para um mesmo kanji, ou até mesmo nenhuma.

Por exemplo, o kanji para leste, 東, apresenta on'yomi "tõ". Mas, a língua japonesa já tinha duas palavras para "leste": "higashi" e "azuma". Desse modo, ao caractere kanji 東 foram adicionadas essas duas pronúncias. Já o kanji 寸, que denota uma unidade de medida chinesa (aproximadamente 3cm), não tinha nenhum equivalente na língua japonesa, por isso tem apenas uma leitura on'yomi: "sun".

Quando usar cada leitura[editar | editar código-fonte]

Mesmo palavras com conceitos similares, como "leste" (東), "norte" (北) e "nordeste"(東北), podem ter leituras completamente diferentes: "higashi" e "kita", leituras "kun", são usadas nas duas primeiras, respectivamente; a terceira lê-se usando o on'yomi: "touhoku".

A principal regra para determinar a leitura e pronúncia de um kanji em um determinado contexto é que kanjis aparecendo em compostos são normalmente lidos usando o "on'yomi". Esses compostos são chamados "jukugo"(熟語) em japonês. Por exemplo, 情報 jõhõ "informação", 学校 gakkõ "escola", e 新幹線 shinkansen "trem-bala", todos seguem este padrão.

Kanjis que aparecem isolados -- ou seja, escritos adjacentes a kana (hiragana e katakana) somente, não a outros kanjis -- são normalmente lidos usando seu "kun'yomi". Juntos ao seu okurigana, caso o possuam, eles normalmente funcionam como um substantivo ou como um verbo ou adjetivo flexionados. Por exemplo: 月 tsuki "lua", 情け nasake "simpatia", 赤い akai "vermelho" (adj), 新しい atarashii "novo", 見る miru "ver".

Há um terceiro tipo de leitura, na qual os kanjis são lidos pelo significado conjunto, ignorando-se as pronúncias "on" e "kun" de cada um deles isoladamente. Como um exemplo, veja a palavra para "adulto", que é 大人, que consiste dos kanjis 大 (grande) e 人 (pessoa). Contudo, a leitura não é "daijin" nem "oohito" como poderia se esperar das leituras "on" e "kun", mas sim "otona", pois essa é a palavra japonesa para "adulto".

Um outro exemplo é 明後日, que consiste de 明("amanhã") + 後(depois) + 日(dia), ou seja "dia depois de amanhã". Existe a leitura "myogonichi", que é feita pelos caracteres, mas o composto também pode ser lido como "asatte", que significa "depois de amanhã" mas não está relacionado às pronúncias dos kanjis individuais.

Quando não usar kanjis[editar | editar código-fonte]

Apesar de existirem kanjis para quase todas as palavras da língua japonesa, muitas vezes não é comum escrever certas palavras em Kanji. Isso se deve ao fato do kanji daquela palavra ser muito complicado para o uso corriqueiro, ou quando a palavra é de uso tão comum que já se tornou mais prático sempre escrevê-la em kana.

Por exemplo, os pronomes これ, それ, あれ ("kore" - isto, "sore" - isso, "are" - aquilo) todos têm kanjis correspondentes, (此れ, 其れ, 彼れ) mas quase nunca são utilizados (por uma questão de praticidade, e um caso especial ocorre com pronomes "a" (あれ, あの, etc.): o kanji utilizado para formá-los é "彼". Portanto, se escrevermos あの ("ano" - aquele(a)) com kanji (彼の) surge a ambigüidade de sentidos, com o aparecimento da denotação "kareno" - que significa "dele". Exemplo:

彼の林檎は迚も美味しい。 - Denotações: "a maçã dele é muito saborosa" e "aquela maçã é muito saborosa"

Por isso, neste caso, é preferível utilizar o kanji 彼 quando se referir que algo é "dele". O mesmo ocorre com verbos de uso frequente como ある e いる e する, cujos kanjis são, respectivamente 有る ou 在る (conforme o sentido), 居る e 為る. A maioria das preposições e muitos advérbios são escritos em kana, apesar de terem kanjis. O caso do verbo ある é que se desejarmos expressar os verbos "haver", "possuir" e "existir", todos para seres inanimados, utiliza-se 有る. Mas para "localizar-se em", é mais adequado 在る.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Kanji
  • Memorize o kanji, um programa on-line em Java flashcard para estudos e testes de kanji, incluindo a leitura (on-yomi, kun-yomi) e testes de significado. Versão Português do Brasil e Português Europeu.

Referências

  1. Seeley, Christopher (2000). A history of writing in Japan. University of Hawai'i Press
  2. internationalsientific.org