Karl Mack von Leiberich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Karl Mack von Leiberich
Nascimento 25 de agosto de 1752 Nenslingen, Baviera
Morte 22 de dezembro de 1828 (76 anos) St. Pölten, Baixa Áustria
País Banner of the Holy Roman Emperor (after 1400).svg Sacro Império Romano-Germânico
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Império Austríaco
Anos de serviço 1770-1807 [1]
Hierarquia tenente-marechal [2]
Comandos Exército Austríaco
Batalhas
Honrarias Ordem de Maria Teresa
Inhaber do Regimento Couraceiro N°20
Cônjuge Katherina Gabriel [3]

Karl von Mack Leiberich (Nenslingen, Baviera, 24 ou 25 de agosto de 1752 — St. Pölten, Baixa Áustria, 22 de dezembro de 1828) foi um militar austríaco. [4] [3] É conhecido como o comandante do Exército Austríaco que se rendeu para Grande Armée de Napoleão Bonaparte, na Batalha de Ulm em 1805. Historiadores do final do século XX o consideram um dos piores comandantes do Sacro Império Romano-Germânico e do Império Austríaco. Por causa da derrota foi levado a corte marcial e condenado a dois anos de prisão. [5] [2] [4] [3]

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1770, Mack se juntou a um regimento austríaco de cavalaria, em que seu tio Leiberich era um comandante de esquadrão, tornando-se oficial sete anos depois. [1] Durante a breve Guerra da Sucessão da Baviera, ele foi selecionado para o serviço na pauta do conde Kinsky, com quem posteriormente, com o comandante-em-chefe marechal de campo conde Lacy, fez um excelente trabalho. [5] Foi promovido a primeiro-tenente, em 1778, e capitão da equipe em 1783. Em 1785, casou com Katherine Gabrieul Mack, e recebendo o título de barão com o nome de Mack von Leiberich. [5] [1]

Na Guerra Turca, Mack foi contratado para o quartel-general da campanha, tornando-se em 14 de maio de 1788 o principal assessor de campo pessoal do imperador, [3] e em 1789 promovido a tenente-coronel, destacou-se no ataque a Belgrado. [5] Pouco depois, por divergências entre Mack e Loudon, agora comandante-em-chefe, respondeu a uma corte marcial e teve que se retirar. [4] Tempos depois, guindado a coronel recebeu a Ordem de Maria Teresa, e em 1790, Loudon e Mack, após reconciliação, voltaram à guerra juntos. Durante essas campanhas, Mack foi ferido gravemente na cabeça, do que nunca se recuperou totalmente. Em 1793, ele foi feito intendente-geral por Josias de Saxe-Coburg, comandante na Holanda, aumentando ainda mais sua fama em ação em 1 de março de 1793. [2] O jovem Charles, arquiduque da Áustria, que ganhou seus próprios louros em ação, escreveu depois da batalha, "Acima de tudo temos de agradecer ao coronel Mack por estes êxitos". [4]

Guerras revolucionárias francesas[editar | editar código-fonte]

Mack distinguiu-se novamente em Neerwinden e teve um papel de liderança nas negociações entre Josias de Saxe-Coburg e Charles François Dumouriez. Ele continuou a servir como intendente-geral, e foi feito agora chefe titular (Inhaber) de um regimento e em em 24 de fevereiro de 1794 foi elevado a major-general e no mesmo ano, foi mais uma vez envolvido em ação, recebendo um ferimento em Famars. [3] Com o fracasso dos aliados, por fatores políticos e militares e de ideais, sobre os quais Mack não tinha controle, somados aos insucessos de março-abril de 1793, que tinham a ele sido imputados, caiu em desgraça. Reabilitado, em 1797 foi promovido a tenente-marechal, e no ano seguinte, ele aceitou, a pedido pessoal do imperador, o comando do exército napolitano. Mas com o equipamento pouco promissor sob seu novo comando, ele não podia fazer frente às tropas revolucionárias francesas, e em pouco tempo, estava em perigo real de ser assassinado por seus próprios homens, refugiando-se no acampamento francês. Foi lhe prometido passe livre para seu próprio país, entretanto, Napoleão ordenou que ele deveria ser enviado à França como prisioneiro de guerra. [2] [4]

Intervenção na República Romana[editar | editar código-fonte]

A República Romana foi uma das repúblicas "irmãs" filofrancesas e jacobinas proclamadas em seguida às conquistas por Napoleão Bonaparte, logo após a Revolução Francesa.

Em 10 de fevereiro de 1798, as tropas francesas, comandadas por Louis Alexandre Berthier, invadiram a cidade de Roma dando início à ocupação da cidade. O pretexto foi o assassinato de um general da embaixada francesa, Mathurin-Léonard Duphot, ocorrida em 28 de dezembro de 1797, durante um tumulto popular provocado por alguns revolucionários italianos e franceses.

O general Berthier marchou sobre a cidade sem encontrar resistência, ocorrendo o saque dos tesouros de arte do Vaticano. Em 15 de fevereiro de 1798, foi declarado o fim do poder temporal do papa Pio VI e foi proclamada a República Romana, com o modelo francês. Poucos dias depois, em 20 de fevereiro, o Papa foi expulso da cidade. Morreu no exílio na França no ano seguinte. Em 25 de fevereiro, ocorreu uma revolta popular que foi duramente reprimida pelos franceses.

Em 7 de março de 1798, a República Tiberina e a República Anconitana foram anexadas à República Romana. Em 20 de março de 1798 foi promulgada, sob o modelo francês, a constituição da nova república, que previa a eleição de um tribunato de 72 membros e um senado de 32, que teriam o poder legislativo e que designariam cinco cônsules aos quais era delegado o poder executivo. Mas na realidade, os franceses comandavam.

O novo regime foi acolhido friamente pela população romana, que depois de depois de sofrer o saque que acompanhou a tomada da cidade, devia suportar os pesados impostos requeridos pelos dirigentes franceses.

Em 28 de novembro de 1798, a República Romana foi invadida pelo exército napolitano, com 70.000 homens ao comando do general austríaco Karl von Mack apoiados pela frota britânica do almirante Horatio Nelson, que tentava restaurar a autoridade papal. Depois de seis dias, Fernando IV de Nápoles entrou em Roma como conquistador. Mas, em 14 de dezembro do mesmo ano, uma imediata e resoluta contra-ofensiva francesa obrigou os napolitanos a uma retirada. Os franceses entraram em Nápoles em 23 de janeiro de 1799 e instituíram a República Napolitana.

Em 19 de setembro de 1799, os franceses abandonaram Roma, reocupada em 30 de setembro pelos napolitanos, que assim puseram fim à República Romana.

Guerra da Terceira Coalizão[editar | editar código-fonte]

Rendição do general Mack diante de Napoleão, em Ulm, por Paul-Émile Boutigny

O general Mack capitulou com seu exército em Ulm, em 20 de outubro de 1805. [5] Dois anos depois, ele escapou de Paris disfarçado. A alegação de que ele quebrou a condicional é falsa. Ele não foi utilizado por alguns anos, mas em 1804, quando a convenção de guerra no tribunal austríaco precisava de um general para se opor à política de paz do arquiduque Carlos, Mack foi feito intendente-geral do exército, com instruções para se preparar para uma guerra contra a França. Ele fez o possível dentro do curto tempo disponível para a reforma do exército, e no início da guerra de 1805, foi feito intendente-geral pelo comandante-em-chefe na Alemanha, o arquiduque Ferdinando José Carlos, da Áustria-Este. Ele foi o verdadeiro comandante responsável pela oposição ao exército de Napoleão Bonaparte na Baviera, mas suas posições de batalha foram mal-definidas devido ao pouco respeito à sua autoridade pelos oficiais de menor patente. Após a batalha de Austerlitz, Mack foi julgado por uma corte marcial, retirando-se de fevereiro de 1806 até junho de 1807, e condenado a ser privado da sua posição, seu regimento, da Ordem da Maria Teresa, e ainda preso por dois anos. [4] [5] Ele foi libertado em 1808, e em 1819, quando a vitória final dos aliados havia apagado da memória os desastres anteriores, ele foi a pedido do príncipe Schwarzenberg, reintegrado no exército como tenente-marechal e como membro da Ordem de Maria Teresa. [3] Faleceu em St. Pölten, Baixa Áustria. [5] [2]

Referências

  1. a b c Encyclopædia Britannica. Karl Mack, baron von Leiberich (em inglês). Página visitada em 29 de dezembro de 2012.
  2. a b c d e History of War (18 de janeiro de 2001). Karl Mack von Leiberich (1752-1828), Austrian general (em inglês). Página visitada em 29 de dezembro de 2012.
  3. a b c d e f g h i j k l m Napoleon Series. Mack von Leiberich, Karl Freiherr (em inglês). Página visitada em 29 de dezembro de 2012.
  4. a b c d e f Futura. Karl Mack von Leiberich (em inglês). Página visitada em 29 de dezembro de 2012.
  5. a b c d e f g Emerson Kent. Karl Mack von Leiberich 1752-1828 (em inglês). Página visitada em 29 de dezembro de 2012.

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • C. Schweigerd A. : Oesterreichs Helden von und Heerführer Maximiliano I. bis auf die Zeit Neueste em Biographien und :Charakterskizzen Viena, 1854
  • Constantin von Wurzbach: Biographisches Lexikon des Oesterreich Kaiserthums. Viena 1856-1891 .
  • Johann von Ritter Rittersberg : der Biographien ausgezeichnetesten Feldherren der kk oesterreichischen Armee. Praga , 1828
  • Die Historisches Taschenbuch (fundada por um anuário Friedrich von Raumer) em 1873 (contém uma reivindicação de Mack.)
  • Memórias críticas será encontrada em Streffleur (ie, Österreichische Zeitschrift Militärische) de janeiro de 1907.