Kazimierz Dolny

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kazimierz Dolny
Kazimierz Dolny
POL Kazimierz Dolny flag.svg POL Kazimierz Dolny COA.svg
Kazimierz rynek.JPG
Voivodia Lublin
Powiat Puławski
Gmina Kazimierz Dolny
Área 30,44 km²
População (2007) 3 514 habitantes
Densidade 115 hab/km²
Código telefônico 81
Matrículas de automóveis LPU
Cidade da Polónia Flag of Poland.svg

Kazimierz Dolny é uma cidade da Polónia, na voivodia de Lublin e no condado de Puławski. Estende-se por uma área de 30,44 km², com 3 514 habitantes, segundo os censos de 2007, com uma densidade 115 hab/km². Como é uma das cidades pequenas melhor situadas na Polónia, constitui uma considerável atração turística. Desfrutou duma grande prosperidade no século XVI e na primeira metade do século XVII, devido ao comércio de cereais que se produziu ao longo do rio Vístula. Depois de reduzir-se o comércio, reduziu-se também o desenvolvimento económico o que possibilitou à cidade preservar o seu plano urbanístico de aparência renascentista. Desde o século XIX a cidade tornou-se num popular lugar de descanso que tem atraído artistas e veraneantes.Kazimierz Dolny é um dos centros artísticos da Polónia, muitos pintores retiram-se para aqui para pintar e depois vender as suas obras. Em quase todas as ruas podem-se encontrar galerias de arte que vendem esculturas, vitrais e pinturas. No mercado a arte popular está à venda a preços imbatíveis.

História1

As origens do povoamento remontam ao século XI. Numa das colinas existia um povoado chamado Wietrzna Góra (A montanha ventosa) que pertencia à ordem beneditina. No ano 1181 o rei Casimiro II o Justo cedeu esta aldeia às irmãs da Ordem Premonstratense de Zwierzyniec, Cracóvia. As freiras mudaram o nome da aldeia para Kazimierz (Casimiro – o nome do doador). O nome foi registrado nas crónicas pela primeira vez em 1249 e o adjetivo Dolny (baixo) foi adicionado em anos posteriores, a fim de distinguir o assentamento de outro, que tinha o mesmo nome e que se encontrava perto da Cracóvia. Depois de mais ou menos 150 anos o assentamento e as aldeias vizinhas tornaram-se bens da Coroa. No ano 1325 o rei Vladislau I o Breve (Wadysaw Łokietek) fundou na cidade a igreja paroquial.A fundação da cidade e a construção do castelo fortificado, de acordo com a lenda, é atribuída ao rei Casimiro III da Polônia. O assentamento recebeu todos os direitos da cidade na primeira metade do século XIV. No ano 1406 o rei Ladislau Jagelão (Władysław Jagiełło) concede privilégios de cidade de acordo com o direito de Magdeburg. Nesta altura foram designadas as ruas, o mercado e os lotes para construção. Só a parte norte do mercado ficou sem nenhumas construções. Graças a esta decisão o mercado hoje em dia está aberto para a igreja e para o castelo o que constitui uma vista admirada por pintores e turistas. No ano 1501 Kazimierz Dolny tornou-se a sede do starosta. O rei Sigismundo I o Velho que estava em débito com Nicholas Firlej concedeu no ano 1519 a ele e ao seu filho Pedro (Piotr) o título de starosta da cidade. Kazimierz permaneceu na posse da família Firlej até ao ano 1644, neste altura foi reconstruído o castelo da cidade. Após os incêndios nos anos 1561 e 1585 os celeiros e as casas foram reconstruídas utilizando o calcário das colinas circundantes. A família Firlej preocupou-se também em manter o comércio dos cereais que nos séculos anteriores (de XVI a XVII) contribuiu para o desenvolvimento da cidade. A época de ouro da cidade terminou em fevereiro de 1656 com o incêndio da cidade e do castelo pelo exército do rei sueco Carlos X da Suécia. Os repetidos ataques à cidade e a peste posterior contribuíram para a deterioração da cidade. No ano de 1677 o rei João III Sobieski assinou o decreto que permitia que os comerciantes arménios, gregos e judeus se estabelecessem na cidade. Mas a recuperação económica não durou muito tempo. As constantes guerras polaco-suecas voltaram a destruir a cidade. Diminuiu também na Europa a procura dos cereais polacos. Os comerciantes tentavam desenvolver estaleiros artesanais e o comércio da madeira. Mas os lucros não foram semelhantes aos obtidos no comércio dos cereais.

A 18 de março de 1831 teve lugar aqui uma das batalhas do Levante de Novembro – Batalha de Kazimierz Dolny. Desde o fim do século XIX Kazimierz Dolny tornou-se estância de férias. Nas ravinas próximas começaram a construir-se as residências e pensões para os turistas que costumavam passar todos os verãos na cidade. Em 31 de outubro de 1927 foi concedido a Kazimierz Dolny os direitos de cidade.

Durante a Segunda Guerra Mundial sofreu nova destruição, mas foi reconstruida graças aos esforços do arquitecto Karol Siciński que teve esta tarefa confiada pelo ministro da cultura de então. Hoje em dia Kazimierz Dolny é um conjunto urbano e paisagístico no qual foi preservada a ordem histórica do anterior centro do comércio. Em 27 de abril de 1979 (com base num projeto do Departamento de Conservaçao da Natureza de Academia Polaca de Ciências) foi criado aqui o Parque Paisagístico de Kazimierz Dolny.

A presença judia2

A pequena comunidade judaica esteve presente na cidade desde o tempo do rei Casimiro I o Grande no século XIV. O rei concedeu aos judeus um mandado de direitos que originaram que a cidade tornou-se num lugar mais importante para a imigração judaica. Quando João III Sobieski se tornou rei no ano 1674, concedeu aos Judeus da Polónia o privilégio de não pagarem os impostos durante o tempo determinado. Sobieski confirmou também que os Judeus podiam preservar todos os direitos que lhes tinham sido concedidos pelos reis anteriores. Durante o seu reinado as restrições foram abolidas e a comunidade judaica começou a florescer novamente.

No século XIX Yehezkel Taub, o discípulo do “Vidente de Lublin” fundou a dinastia hassídica de Kuzmir na cidade.

Entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial a população judaica era de cerca de 1.400 pessoas ( metade da população total da cidade). Durante a época do Holocausto os nazis forçaram os judeus a realizar trabalhos duros e a pavimentar as estradas usando as lápides dos cemitérios locais judaicos. Depois do Holocausto foi erigido um memorial usando as peças que não foram destruídas3 . Em 1940 os nazis estabeleceram na cidade um gueto trazendo para lá todos os judeus do condado de Pulawy. Em 1942 todos os judeus que sobreviveram à fome, doenças e ao trabalho escravo foram levados para o Campo de Concentração de Bełżec para ai serem exterminados. No final do 1942 a cidade foi oficialmente declarada “livre de judeus”.

Um dos mais famosos residentes judeus da cidade foi o pintor e escultor Chaim Goldberg4 . Outro foi o notável jornalista S.L. Shneiderman5 , que escreveu sobre Kazimierz Dolny no seu livro “O Rio Lembra”.

Monumentos

  • Igreja paroquial de São João Batista e de São Bartolomeu6
  • Igreja e mosteiro de Santa Maria7
  • Ruínas do castelo dos séculos XIII e XIV8
  • Torre defensiva9
  • Sinagoga do século XVIII10
  • Vários celeiros dos séculos XVI e XVII
  • Vários prédios antigos11


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Polónia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.



Referências[editar | editar código-fonte]