Kenwa Mabuni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kenwa Mabuni
Kanji 摩文仁 賢和

Kenwa Mabuni (摩文仁 賢和, Mabuni Kenwa?) foi um mestre de caratê e criou o estilo Shito-ryu, o qual tinha por escopo unificar os ensinamentos da arte marcial tal e qual ele tinha aprendido de seus mestres, manter não apenas as formas mas o espírito do arte marcial.[1] [2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kenwa Mabuni nasceu em 14 de Novembro de 1889, na cidade de Shuri, capital da ilha de Oquinaua na época. Era o segundo filho de uma antiga família de oficiais dos reis de Ryukyu, denominada Shikozu (descendentes de Samurai), membros de sua família serviram a senhores de Ryukyu durante centenas de anos.[3] [4]

Kenwa Mabuni teve seu primeiro contato com o Toudi (antigo nome do Karate-do) por volta dos dez anos de idade, através de um ajudante de seu pai que trabalhava em sua casa chamado Zeihaku Matayoshi, com quem aprendeu o kata Naifanchi (Naihanchi Shodan). Porém, foi a saúde precária de Kenwa Mabuni que levou seu pai a procurar nas artes marciais um meio para fortalecer seu corpo.

Kenwa Mabuni foi apresentado por um dos amigos de seu pai ao célebre mestre de Shuri-te, Anko Itosu (1830-1915), que contava com mais de setenta anos na época e era um dos artistas marciais mais famosos da cidade de Shuri. Foi assim que aos 13 anos de idade Kenwa Mabuni começou a praticar as técnicas do Shuri-te, convertendo-se em discípulo de Anko Itosu a quem se manteve fiel até a morte do mestre, aos 85 anos.

Aos vinte anos, Kenwa Mabuni começou a trabalhar como professor suplente na escola primária de Naha. Foi nesta escola que conheceu e travou grande amizade com Chojun Miyagi (1888-1953), que mais tarde viria a fundar o estilo de Karate-do Goju-ryu.

Em 1909, incentivado por Chojun Miyagi, que era um de seus melhores amigos, e apoiado por seu mestre, Anko Itosu, a expandir seu conhecimento marcial, Kenwa Mabuni começou a aprender o Naha-te. Foi por recomendação de Chojun Miyagi que Kenwa Mabuni pode aprender diretamente com Kanryo Higaonna (1853-1915), que vivia em Naha e era o maior expoente deste estilo.

Assim, desde 1909 até meados de 1910 quando ingressou no serviço militar, servindo na guarnição de Kumamoto, e após a conclusão de seu alistamento, dois anos mais tarde, Kenwa Mabuni pode treinar simultaneamente com Anko Itosu e Kanryo Higaonna, que eram os dois mais proeminentes mestres de caratê da ilha de Oquinaua desta época.

Em 1912, Kenwa Mabuni concluiu o serviço militar, altura em que, a conselho de Chojun Miyagi, ingressou na escola de polícia de Oquinaua. Dois anos depois, aos 25 anos, tornou-se inspetor de polícia, cargo que ocupou por aproximadamente dez anos.

Seu ofício lhe facilitava o deslocamento por toda a Ryukyu, dando-lhe a oportunidade de visitar diferentes partes do arquipélago. Durante estas viagens teve a oportunidade de conhecer e treinar muitos estilos, inclusive com mestres locais pouco conhecidos, por este motivo teve a oportunidade de resgatar numerosos Kata e técnicas.

O ano de 1915 foi muito triste para Kenwa Mabuni, pois faleceram primeiro Kanryo Higaonna e depois Anko Itosu, com uma diferença inferior a um ano um do outro.

Após a morte de seus mestres, Kenwa Mabuni conheceu e passou a treinar com Seisho Aragaki (1840-1918) que vivia em Kumemura, e ensinava um estilo similar ao Naha-te. Seisho Aragaki também era um reconhecido mestre de Kobujutsu (arte marcial antiga).

Kenwa Mabuni tinha apenas 26 anos na época em que perdeu seus dois mestres e julgava-se ainda muito jovem para prosseguir seu próprio caminho. Então, juntamente com Chojun Miyagi, apenas um ano mais velho, decidiu estabelecer um grupo de pesquisa para o estudo e prática do To-de.

Em 1918, Kenwa Mabuni colocou sua casa a disposição para as reuniões do grupo de estudo que foi nomeado "Ryukyu To-de Kenkyu-kai" (Associação para pesquisa do Tode de Oquinaua). Esta associação era formada pelos mestres mais importantes da ilha de Oquinaua na época: Choshin Chibana, Gichin Funakoshi, Chotoku Kyan, Choki Motobu, entre outros.

Não levou muito tempo para Kenwa Mabuni transformar-se em um respeitado instrutor de Shuri-te e Naha-te. Em 1918, já havia se tornado uma personalidade importante dentro das artes marciais.

Por volta de 1924, Kenwa Mabuni conheceu Wu Xianhui (1887-1940), um mestre chinês, comerciante de chá, que vivia em Oquinaua, cujo nome era pronunciado "Go-genki" no dialeto de local, que ensinava "Bai-he Quan" (punhos da garça branca), proveniente da província de Fujian na China. Os ensinamentos deste mestre tiveram grandes influências no estilo criado por Kenwa Mabuni, que aprendeu com ele os Kata: Nipaipo, Haffa (Hakucho) e Paipuren (Happoren), formas que são até hoje ensinados no Shito-ryu.

Em 1927, Kenwa Mabuni e Chojun Miyagi tiveram a oportunidade de demonstrar e explicar as técnicas e a filosofia do To-de para Jigoro Kano, fundador do Judo. Kenwa Mabuni demonstrou o estilo Shuri-te e Chojun Miyagi demonstrou o estilo Naha-te. Jigoro Kano ficou encantado com a demonstração e comentou sobre a possibilidade da propagação desta arte marcial por todo o Japão.

Inspirado pelas palavras de Jigoro Kano, Kenwa Mabuni decidiu mudar-se para o Japão. Então, no início da Era Showa, em 1929, aos quarenta anos, Mabuni mudou-se com sua família para o Japão, estabelecendo-se em Osaka com o objetivo iniciar a propagação do To-de naquela parte do país.

Kenwa Mabuni faleceu no dia 23 de maio de 1952, aos 62 anos de idade, vitima de ataque cardíaco. A importância de Kenwa Mabuni era tal que sua morte foi anunciada por todo o Japão através do rádio. Em seu sepultamento, no cemitério de Hattori em Osaka, compareceram mais de três mil praticantes de caratê.[5]

Citações[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg O verdadeiro sentido das artes marciais consiste em aprender a reconhecer e superar nosso verdadeiro inimigo; estar além do impulso de lutar contra os outros; transcender as distrações relacionadas ao ego; e harmonizar o homem com a natureza através da prática rigorosa dos princípios morais, do estudo filosófico e do longo processo de auto-aperfeiçoamento Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg O karatedo brinda a possibilidade a qualquer pessoa, sem importar sua idade, sexo ou condição, de aprender um sistema de saúde e defesa pessoal incomparável. Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg Tal como a leitura de um sutra, que se exprime através da escrita, alimenta a alma e molda o espírito, a "leitura com o corpo" de um Kata, que não é escrito, torna-se um alimento rico para a força física (…) Mesmo que aquele que executa um Kata se aperceba ou não, a influência que um encadeado de movimentos de técnicas exerce sobre o corpo é infinito. A execução séria do Kata fortalece certas partes do corpo, retarda o envelhecimento e renova a energia. Desta forma e sem o saber, o praticante prolonga a sua vida ao mesmo tempo que adquire a capacidade de reagir oportunamente a situações eventuais de perigo. Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg O karatedo é uma escola de sabre com as mãos vazias. Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg A concentração da força (Kiai) é a conseqüência da união entre o divino e o homem. Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg A técnica deve ser útil (Yo), o movimento deve ter um ritmo fluido (Riu), e dessa combinação deve resultar a beleza (Bi). Cquote2.svg
Kenwa Mabuni
Cquote1.svg Em um praticante de Karate-do deve prevalecer sempre a pessoa sobre a técnica; é mais importante a qualidade humana que a técnica. Ter Kushin No Ken ou "punho de cavalheiro": essa é a finalidade do praticante. Cquote2.svg
Kenwa Mabuni

Referências

  1. Shito-Ryu History (em inglês). Página visitada em 24.set.2011.
  2. Página oficial de Shito-kai (em inglês). Página visitada em 24.set.2011.
  3. The History of Shito Ryu (em inglês). Página visitada em 24.set.2011.
  4. Kenzo Mabuni Soke (em inglês). Página visitada em 24.set.2011.
  5. Tokio Hisatomi (em inglês). Página visitada em 24.set.2011.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Kenwa Mabuni

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]